Terminam buscas aéreas por destroços do avião da Malaysia Airlines

Aviões da Austrália, China, Coreia do Sul, EUA, Japão, Malásia, Nova Zelândia e Reino Unido participaram de operação

EFE

Austrália – As autoridades australianas que coordenam as buscas pelo avião malaio desaparecido deram por concluídas nesta quarta-feira, de maneira oficial, as missões aéreas no Oceano Índico para encontrar os destroços da aeronave. “Os navios e aviões que trabalharam rastreando a superfície marinha retornarão a suas respectivas tarefas nacionais nos próximos dias”, diz o comunicado do Centro de Coordenação de Agências Conjuntas.

Aviões de Austrália, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão, Malásia, Nova Zelândia e Reino Unido, fizeram uma varredura desde o dia 18 de março em uma grande região do Oceano Índico onde se acredita que foi o destino final do avião da Malaysia Airlines. O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, anunciou na segunda-feira que as buscas pelo avião entram em “uma nova fase” na qual serão intensificadas as buscas submarinas, já que é “altamente improvável” encontrar destroços na superfície do oceano após quase dois meses do desaparecimento da aeronave.

Forças que participaram das buscas aéreas pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines

Foto:  Reuters

O submarino não tripulado Bluefin-21, que é transportado pelo navio australiano Ocean Vessel, continuará com suas buscas no leito marinho “nas próximas semanas” após completar 17 missões e rastrear cerca de 314 quilômetros quadrados ao redor do local onde foi captado um sinal acústico que supostamente teria vindo da caixa-preta da aeronave.

As autoridades que coordenam as buscas disseram que foram iniciados contatos com empresas privadas especializadas em buscas submarinas para ampliar a categoria das missões. O voo MH370 da Malaysia Airlines saiu de Kuala Lumpur na madrugada do dia 8 de março (tarde do dia 7 no Brasil) com 239 pessoas e deveria chegar a Pequim seis horas mais tarde.

O avião desapareceu dos radares cerca de 40 minutos após a decolagem e mudou de rumo em uma “ação deliberada”, segundo as autoridades malaias, atravessando o Estreito de Malaca e seguindo na direção contrária a de seu trajeto inicial. Estavam a bordo da aeronave 153 chineses, 50 malaios, sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadenses, um russo, um holandês, um taiwanês e dois iranianos que utilizaram os passaportes roubados de um italiano e um austríaco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s