Obama e Merkel ameaçam ampliar sanções à Rússia. Violência explode na Ucrânia.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente dos EUA, Barack Obama, em coletiva de imprensa na Casa Branca em 2 de maio de 2014.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente dos EUA, Barack Obama, em coletiva de imprensa na Casa Branca em 2 de maio de 2014.

Reuters

A crise ucraniana atravessou o oceano, tendo sido um dos principais temas do encontro nesta sexta-feira (2), em Washington, entre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a chanceler alemã Angela Merkel. Em coletiva de imprensa na Casa Branca, as declarações dos dois dirigentes foram marcadas pelas ameaças. No leste da Ucrânia, confrontos continuam entre separatistas pró-russos e forças ucranianas, com dezenas de mortos e feridos.

 

O presidente norte-americano, Barack Obama, pediu para a Rússia fazer o possível para os separatistas pró-russos deixarem o leste da Ucrânia, além de ajudar nas negociações para a libertação dos 11 observadores internacionais, “um escândalo”, segundo ele. Obama ameaçou Moscou de “sanções mais severas” caso as eleições de 25 de maio na Ucrânia venham a ser prejudicadas pelos separatistas.

O tom da declaração da chanceler alemã, Angela Merkel, também foi de ameaça: “A Europa está pronta para a “fase 3″ das sanções contra Moscou. Estamos prontos, já preparamos esta etapa”, afirmou Merkel.

Diversas empresas europeias são contra o aumento de sanções, que poderiam até atingir pessoalmente o presidente russo Vladimir Putin.

Apesar do tom forte, Merkel e Obama reafirmaram seu desejo comum de uma solução diplomática para a crise.

Sexta-feira violenta

Durante o dia, confrontos entre pró-russos armados e pró-Kiev deixaram quatro mortos e 15 feridos em Odessa, cidade portuária no Mar Negro, no sul. Um prédio foi incendiado no começo da noite, matando 31 pessoas, que foram intoxicadas ou saltaram pela janela. A Rússia reagiu, dizendo ter ficado “indignada” com as mortes em Odessa, “que refletem a irresponsabilidade do regime de Kiev”.

A manhã começou com a ofensiva do exército da Ucrânia para atacar e recuperar das mãos dos separatistas a cidade de Slaviansk, no sudeste, causando a morte de dois pilotos e dois soldados ucranianos. Os combates continuam e os pró-russos não cederam até agora.

Observadores

O líder separatista pró-russo, Denis Pouchiline, afirmou que o ataque ucraniano a Slaviansk vai retardar a libertação dos 11 observadores internacionais da OSCE -Organização para a Segurança e Cooperação da Europa – detidos pelos separatistas desde 25 de abril passado.

As discussões para a libertação dos homens (sete estrangeiros e quatro ucranianos) “estão numa fase muito delicada”, reconheceu o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier. Pressionada pelos ocidentais, a Rússia enviou um mediador, Vladimir Loukine, para participar das negociações.

A Rússia ficou igualmente indignada com a iniciativa de Kiev lançar a ofensiva militar a fim de recuperar a cidade separatista e convocou uma reunião de urgência no Conselho de Segurança da ONU, nesta sexta-feira. A reunião terminou sem nenhum resultado ou avanço e os dois lados se acusaram mutuamente de “hiprocrisia”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s