Chile: professores protestam para ter voz na reforma educacional de Bachelet

Propostas feitas pela presidente foram recusadas e profissionais da educação vão às ruas para pedir mais

AFP – Agence France-Presse

25/06/2014 

Professores tomam as ruas de Santiago em protesto (AFP PHOTO/Claudio Reyes)  
Professores tomam as ruas de Santiago em protesto

Os professores chilenos saíram às ruas nesta quarta-feira para pedir a melhora da educação pública e uma participação mais ativa na reforma educacional projetada pelo governo de Michelle Bachelet.

Em paralelo, foi convocada para esta quarta-feira uma paralisação nacional nas escolas públicas. Algumas delas – seis na capital, Santiago – estão tomadas por alunos em protesto pela má qualidade da infraestrutura e contra as propostas educacionais do governo.

Convocada pelo sindicato da categoria, o Colégio de Professores, e contando com o apoio do movimento estudantil, a marcha reuniu milhares de pessoas, em sua maioria docentes, que partiram dos arredores da Praça Itália e caminharam pela principal avenida do centro de Santiago.

Os organizadores do protesto calculam que cerca de 50 mil pessoas participaram do ato e que houve uma adesão de 80% à paralisação em todo o país. Já a polícia chilena fala em nove mil participantes.

“Sem professores não há reforma. Pela recuperação da educação pública e pela dignidade docente” diziam os cartazes carregados pelo sindicato, que também quer a melhora dos salários, mais tempo para preparar as aulas e menos alunos por turma.

“Na minha opinião (a reforma educacional do governo), é insuficiente até agora. Precisa ser uma reforma muito mais profunda e imediata”, disse à AFP a professora Ana Cristina, que trabalha na rede pública.

Os professores marcharam em meio a cantos como “Ministro, ministro, lhe peço que viva um mês com o meu salário, e eu com o seu”.

Também participaram da manifestação representantes de organizações estudantis, como a Coordenação Nacional de Estudantes Secundaristas do Chile (Cones) e a Confederação de Estudantes do Chile (Confech), além de deputados emblemáticos do Partido Comunista, como a ex-líder estudantil Camila Vallejo.

“Compartilho a demanda dos professores, que querem estar envolvidos em uma reforma, da qual foram deixados de lado”, disse à AFP Martín, de 22 anos, estudante de uma universidade privada.

Bachelet aprovou um primeiro pacote de leis para acabar com o co-pagamento das famílias, com o lucro das escolas subsidiadas pelo governo e com a seleção que segrega os alunos por origem socioeconômica.

Tanto professores como estudantes rejeitaram esses primeiros projetos, por considerá-los insuficientes, e exigem uma maior participação no projeto da reforma, que não se baseie apenas no diálogo, mas que também suas propostas nos projetos de lei.

O ministro chileno da Educação, Nicolás Eyzaguirre, vem pedindo aos profissionais do ensino e aos estudantes “paciência” e “confiança” em suas reformas.

Desde 2011, os estudantes exigem, por meio de grandes manifestações, um ensino público de qualidade no país. O Chile tem um dos sistemas educacionais mais segregados do mundo, herdado da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s