Ucrânia e EUA reclamam da falta de apoio russo a plano de paz

O presidente ucraniano, Petro Porochenko.

O presidente ucraniano, Petro Porochenko.

Reurters/ Gleb Garanich|RFI

Na véspera do fim do cessar-fogo nos confrontos no leste ucraniano, o presidente do país, Petro Porochenko, lamentou nesta quinta-feira (26) o apoio insuficiente de Moscou ao plano de paz lançado por ele na semana passada. O secretário de Estado americano, John Kerry, pressionou a Rússia a dar, “nas próximas horas, sinais concretos de boa vontade na crise ucraniana”.

Conforme Porochenko, o plano de paz, composto por 14 pontos, “não poderá funcionar se a Rússia não participar”. O presidente deseja aplicar “um cessar-fogo duradouro”. “Até o momento, infelizmente, o apoio de Moscou não é suficiente”, afirmou, na Assembléia Parlamentar do Conselho Europeu.

“A guerra não-declarada continua, neste momento. É preciso trazer de volta os mercenários que atravessam a fronteira russa”, disse Porochenko, referindo-se aos milicianos russos que vão à Ucrânia para combater ao lado dos separatistas.

Kerry em Paris

Em visita a Paris nesta quinta-feira, o secretário de Estado americano, John Kerry, aumentou a pressão sobre a Rússia na véspera do fim da trégua entre governo e separatistas na Ucrânia. Kerry pediu que Moscou dê, “nas próximas horas, sinais concretos de boa vontade na crise ucraniana”. “A Rússia precisa encorajar os separatistas a entregar as armas e convencê-los a participar do processo político”, declarou o secretário de Estado.

Ontem, o presidente Barack Obama voltou a ameaçar a Rússia com novas sanções, se Moscou não tomar medidas rápidas para diminuir a tensão na Ucrânia. O alerta americano acontece enquanto França e Alemanha tentam negociar uma saída pacífica para o conflito.

François Hollande e Angela Merkel tiveram, na quarta-feira, uma primeira teleconferência com os presidentes ucraniano, Petro Porochenko, e russo, Vladimir Putin. Hoje, os quatro líderes voltam a conversar pelo telefone. Segundo Paris, Putin ja teria pedido um prolongamento do cessar-fogo.

Desde abril, mais de 400 pessoas morreram nos enfrentamentos entre o exército e os separatistas pró-russos. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s