Após primeiro tempo sonolento, França acorda, vence a Nigéria e avança às quartas

Lancepress

N/A

 
N/A

Os azuis venceram a Nigéria por 2 a 0

Mesmo sem ser brilhante, a França fez o suficiente para vencer a Nigéria, por 2 a 0, na tarde desta segunda-feira, no Mané Garrincha, em Brasília. Com o resultado, os Azuis avançaram às quartas de final da Copa do Mundo. Os gols da vitória foram marcados por Pogba e Yobo, contra.

O adversário da França nas quartas de final sai do vencedor do confronto entre Alemanha x Argélia. O jogo da próxima fase será realizado no Maracanã, na sexta-feira, às 17h.

O primeiro tempo foi surpreendente para quem esperava um grande domínio da França. Isso porque a Nigéria foi para cima, envolveu os Azuis e até chegou a fazer um gol, com Emenike, mas o lance foi anulado, por impedimento. Depois da pressão dos africanos, os europeus reagiram e passaram a tocar mais a bola. Sempre com Pogba, Valbuena e Benzema, a França chegava com cada vez mais perigo, porém esbarrava na falta de categoria de Giroud, completamente perdido em meio ao talento dos companheiros. Sem gols, o primeiro tempo terminou empatado.

França melhora após mudanças 

O segundo tempo começou morno, com as duas equipes se estudando, porém com a Nigéria um pouco melhor, sempre em busca do gol. A França, por sua vez, não conseguia nem sequer tocar e chegar ao ataque. Insatisfeito, o técnico Didier Deschamps mexeu: tirou Giroud e colocou o jovem Griezmann. Os Azuis, então, melhoraram muito. Benzema e Cabaye quase balançaram as redes com boas finalizações, mas não tiveram sorte. Foi então que o temido goleiro Enyeama, que fez grandes defesas durante o jogo, falhou feio em cobrança de escanteio e ‘amorteceu’ a bola para Pogba mandar, de cabeça, para o barbante: 1 a 0.

Após o gol, a França continuou pressionando, enquanto a Nigéria tentava, mesmo que sem força, chegar ao gol de empate. Os Azuis, porém, conseguiram ampliar no fim do jogo. Após cobrança de escanteio, Benzema cruzou para Griezmann. Yobo tentou cortar e acabou fazendo gol contra: 2 a 0 e fim de papo no Mané Garrincha.

FICHA TÉCNICA

FRANÇA 2 X 0 NIGÉRIA

DATA-HORA: 30/6/2014 – 13h
ÁRBITRO: Mark Geiger (EUA)
AUXILIARES: Mark Sean Hurd (EUA) e Joe Fletcher (CAN)
ESTÁDIO: Mané Garrincha, em Brasília
GOLS: Pogba, aos 33’/2°T; Yobo, contra, aos 46’/2°T
CARTÃO AMARELO: Matuidi (FRA)
PÚBLICO: 67.882

FRANÇA: Lloris, Debuchy, Varane, Koscielny e Evra; Cabaye, Matuidi e Pogba; Valbuena (Sissoko, 47’/2°T), Benzema e Giroud (Griezmann, aos 16’/2°T). Técnico: Didier Deschamps.

NIGÉRIA: Enyeama, Ambrose, Yobo, Oshaniwa e Omeruo; Mikel, Onazi (Ruben Gabriel, aos 13’/2°T), Musa e Victor Moses (Nwofor, aos 43’/2°T); Odemwingie e Emenike. Técnico: Stephen Keshie.

Suárez pede desculpa por mordida em Chiellini e diz que ato nunca irá se repetir

Atacante uruguaio se manifestou pelo Twitter

O DIA

Uruguai – Suárez finalmente se manifestou sobre a mordida no zagueiro Chiellini. O atacante pediu desculpas ao italiano e ao mundo de futebol através pelo Twitter. Além disso, afirmou que o ato nunca irá se repetir. 

“Depois de uns dias em casa com minha família tenho a oportunidade de recuperar a calma e refletir sobre a realidade que aconteceu na partida entre Itália e Uruguai no dia 24 de junho de 2014. Independente das polêmicas e das declarações contraditórias que se produziram durante este dias, tudo isso sem querer interferir no desempenho da minha seleção, o certo é que meu companheiro de profissão Giorgio Chiellini sofreu em um lance comigo os efeitos físicos de uma mordida. Por isso me arrependo profundamente, peço perdão a Chilienni e toda família do futebol e me comprometo publicamente que nunca ocorrerá novamente um incidente como este”, afirmou.

View image on Twitter

Suárez perdeu a Copa do Mundo depois da mordida, pois foi suspenso por nove partidas oficiais. O atacante também não poderá exercer nenhuma atividade ligada ao futebol nos próximos quatro meses. Dessa maneira, só voltará a entrar em campo em novembro.

O Uruguai, país que defendia, foi eliminado do Mundial pela Colômbia, nas oitavas de final.

 

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças, em Rondônia

Óleo é rico em ômegas e vitamina D. Evento reuniu cerca de 130 participantes em Mirante da Serra

Portal da Amazônia

oleo-de-avestruz

MIRANTE DA SERRA – Auxílio no tratamento da depressão, benefícios da carne e suplemento alimentar. Esses são alguns dos temas debatidos durante o 28º Simpósio Saúde e Nutrição, em Mirante da Serra (RO). Durante o evento,  realizado em junho de 2014, especialistas alertaram sobre prevenção a doenças e pacientes relatam experiências positivas no uso do óleo. Confira:

O simpósio reuniu cerca de 130 participantes entre especialistas, consultores dos produtos e pessoas de várias regiões de Rondônia. ”Essa ideia do simpósio surgiu no início da pesquisa de levar o óleo de avestruz as pessoas porque o óleo tem funções que ajudam a melhorar a imunidade. Havia a necessidade de repassar essas informações”, conta o organizador do evento, terapeuta natural e criador do óleo de avestruz, José Francisco Cardozo, Francisco.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

Óleo de avestruz e depressão

O psicólogo, Pedro Paulo de Carvalho, explicou sobre a ”Doença do século Depressão, Ansiedade, stress (doenças psicossomáticas) durante o simpósio. ”A depressão, a ansiedade e o stress são as doenças que mais crescem no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). É um problema de saúde pública. De cinco pessoas, uma já teve depressão”, afirma Carvalho.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

Carvalho pontua que a depressão, assim como a ansiedade, são doenças e precisam ser tratadas. “Hoje o tratamento na medicina é farmacológico. Os antidepressivos tem neurotransmissores como a serotonina e endorfina. E, dentro do tratamento da depressão, a gente focamos na alimentação e é aí que entra o óleo de avestruz. Porque a ciência comprovou que o óleo de avestruz tem ômega que aumenta a imunidade do organismo das pessoas, também melhora a questão hormonal e o humor”, considera.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

O psicólogo detalha de que forma o óleo de avestruz pode auxiliar no combate a depressão. ”Os principais sintomas da depressão são episódios de tristeza e alteração do humor. Indico o óleo para meus pacientes porque é comprovado que ele ajuda na imunidade e também no humor. A depressão é uma doença muito séria e uma forma preventiva é a alimentação”, considera.

Carvalho ainda acrescenta. ”Quando a gente está triste, a imunidade fica baixa e a pessoa não tem energia. Ou seja, fica mais vulnerável a qualquer tipo de doença, então o óleo ajuda a controlar”,acredita. Para o psicólogo, o óleo é um dos colaboradores no tratamento contra a depressão, mas é preciso aliar a outras questões. ”Também tem outros fatores como a mudança de hábitos, prática de atividade física e alimentação”, explica.

Experiência

Também colaborou com o simpósio o médico especializado em cirurgia geral e coordenador do Centro Regional em Saúde do Trabalhador (Cerest), em Cacoal, Estanislau Pitwak Júnior . Já para o médico, o conhecimento dos benefícios do óleo partiu de um experiência familiar. ”O meu filho apresentou uma doença degenerativa grave e foi aí que o óleo de avestruz apareceu em nossas vidas”, conta.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

O uso do óleo surgiu depois do filho do Estanislau ter passado por sete especialistas sem conseguir resultados. ”A gente partiu para a medicina alternativa e foi quando o óleo apareceu e eu passei a fazer uso no meu filho e na minha família e vimos resultado. Quando os médicos dizem que você não tem nenhuma chance e você ver um pequeno resultado é uma grande vitória”, considera o médico.

De casa para o consultório

”A gente recomenda aos pacientes que utilizem o óleo porque é uma fonte de ômega 3,6,7,9, tem vitamina D e a gente ver resultados rápidos em comparação a outros medicamentos. Até agora a gente tem visto que o óleo de avestruz só traz benefícios”, afirma Estanislau.

O médico explica que para o Estado, o uso do óleo de avestruz é recente, pois é um animal africano e pouca divulgação. “O óleo de avestruz tem uma produção familiar em Mirante da Serra e a medicina tradicional trabalha com grandes indústrias. É preciso fazer uma pesquisa para comprovar a sociedade médica a função do óleo de avestruz da mesma forma que o ômega 3 extraído de peixes de água fria hoje são conhecidos seus benefícios”, destaca o médico.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

Alimentação saudável

Durante o simpósio, os convidados participaram de refeições tendo como ingrediente principal a carne de avestruz. Diferente da galinha que tem carne branca, a carne de avestruz é vermelha e o gosto é semelhante a da carne bovina.

A nutricionista e também palestrante do simpósio, Luana Nascimento Cardozo, explica que a carne de avestruz tem pouca gordura. ” A gordura benéfica por conter os ômegas 3,6,7 e 9, não em grande quantidade como o óleo de avestruz, mas ela contém. É a carne número um recomendada pelos cardiologista devido ao alto teor de proteína e ferro. É menos calórica e mais saudável que a carne de boi e de frango”, considera.

A nutricionista aconselha que a carne seja acompanhada com uma porção de arroz e verduras e explica a forma de consumo da carne de avestruz. ” Indicamos fazer a carne de avestruz assada ou cozida. Ela é uma carne macia se você souber prepará-la, por exemplo, antes de assar ela é cozida e vai ao fogo só para dourar”, conta.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

Luana aponta a variedade de receitas ao utilizar a carne de avestruz. “‘Dar para fazer vatapá, caldo, estrogonofe. Por ela ser uma carne bem rica, qualquer prato que você preparar será bem aproveitado”, acredita. Luana revela também que a parte do avestruz onde contém mais carne é a coxa.

Suplemento alimentar

A nutricionista explica também de que forma o óleo de avestruz pode ser inserido como um suplemento alimentar. ”Você pode utilizar o óleo de manhã, por exemplo, quando for usar a margarina para passar no pão coloca o óleo. No almoço pode colocar na salada e a noite pode colocar na sopa. Ele é um alimento muito completo, muito nutritivo”, explica.

Já a banha do avestruz, é indicada para temperar o arroz e o feijão. ”Você pega uma colher de chá da banha de avestruz e faz a preparação, inclusive pode substituir o óleo tradicional”, avalia a nutricionista.

O óleo e a banha de avestruz são ricos também em vitaminas. ”O óleo de avestruz tem vitamina A que ajuda no crescimento e vitamina E que atua como antioxidante. Às vezes, no estresse do dia a dia, liberamos muitos radicais livres e a vitamina E faz uma varredura no nosso organismo das substâncias ruins”, conta.

O óleo também ajuda da perda de peso. ”Quando você substitui a gordura ruim por uma gordura boa e em quantidade adequada que é o óleo de avestruz ajuda sim a perder peso e no melhoramento no organismo como um todo”, aponta a nutricionista.

Simpósio apresenta efeitos do óleo de avestruz contra doenças

A nutricionista destaca também que o óleo é um produto legalizado. ”O óleo de avestruz tem o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF) pelo Ministério da Agricultura e a Amazônia Struthio de Mirante da Serra é a única fábrica do mundo que tem liberada a comercialização do óleo de avestruz como alimento”, informa.

Luana recomenda o consumo do óleo principalmente para os que estão com baixa imunidade. ” As pessoas que tem câncer, que tem aids, que estão com a imunidade baixa precisam de alimentos que ajudem a aumentar essa imunidade que são imunomoduladores e um deles é o óleo de avestruz”, conta.

Confira na próxima reportagem o poder milagroso atribuído pelos moradores de Mirante da Serra ao óleo de avestruz.

 

Presidente do Uruguai insulta a FIFA por causa de Suarez

por Lusa, publicado por Marina AlmeidaHoje

O Presidente do Uruguai, José Mujica, insultou a FIFA, na sequência da sanção imposta ao futebolista Luis Suarez, excluído do Mundial por ter mordido um adversário da seleção italiana.

“A FIFA é uma cambada de filhos da p…”, declarou o Presidente uruguaio no domingo, numa entrevista à cadeia pública nacional.

José Mujica, conhecido pela linguagem inflamada e direta, vincou: “Eles podem punir, mas não infligir sanções fascistas”.

Depois de ter dado como provado que Luis Suárez mordeu o ombro de Chiellini no jogo frente à seleção italiana, do Grupo D do Mundial, a FIFA suspendeu o uruguaio por nove jogos e baniu-o de todas as atividades relacionadas com o futebol durante quatro meses.

O avançado do Liverpool foi também obrigado, pelo organismo máximo do futebol, a abandonar o “quartel-general” do Uruguai no Mundial2014, em Sete Lagoas, Minas Gerais, no Brasil.

Robben admite ‘mergulho’ mas não no lance do penálti

Diário de Notícias| Octávio Lousada Oliveira, com LusaHoje

 
Robben admite 'mergulho' mas não no lance do penálti

Extremo da Laranja Mecânica pede desculpa por uma simulação na partida dos oitavos de final, mas vinca que a grande penalidade foi bem assinalada por Pedro Proença.

Depois de ter dito que se tinha atirado para a área do México, Arjen Robben esclareceu que se referia a uma jogada na primeira parte do jogo dos oitavos de final do Mundial 2014, que opôs a Holanda ao México.

 

“Quero pedir desculpa. Atirei-me. Às vezes, esperamos que nos toquem, mas não o devia ter feito. Foi estúpido”, afirmou Robben, em declarações à estação televisiva holandesa NOS. 

Perante a contestação provocada por esta declaração, o avançado do Bayern Munique sublinhou que se referia a uma outra jogada e não à que resultou na grande penalidade que deu a vitória à Holanda, com a conversão de Klaas-Jan Huntelaar para o 2-1 final, aos 90+4′. 

“Uma foi penálti, mas na outra atirei-me, na primeira parte. Não o devia ter feito”, acrescentou o extremo, segundo o diário holandês De Telegraaf. 

O português Pedro Proença assinalou grande penalidade por alegada infração de Rafael Marquez sobre Robben, aos 90+4′ minutos do encontro, que viria a resultar no golo da vitória da Holanda, por 2-1, depois de Klaas-Jan Huntelaar ter convertido o castigo máximo. 

Comentando este lance em concreto, o avançado dos alemães do Bayern Munique salientou que Proença tomou a decisão correta, assumindo que foi “carregado”, e recordou ter sofrido duas grandes penalidades consecutivas, na jogada em que se lesionou o defesa mexicano Héctor Moreno. 

“Ele pontapeou-me nas costas e lesionou-se. Depois voltaram a acertar-me. Se isso não é penálti, não sei o que é”, acrescentou.  

Robben disse ainda ter sugerido a Huntelaar que fosse ele a converter a grande penalidade decisiva: “Perguntei-lhe: Queres marcá-lo? Ocorreu-me que fosse Huntelaar porque é um avançado de classe e estava fresco”. 

O selecionador do México, Miguel Herrera, revelou a sua fúria contra o árbitro português, pedindo mesmo que não voltasse a arbitrar na competição. 

“Espero que a comissão de árbitros veja tudo isso e que o envie para casa como aconteceu connosco”, frisou Herrera, sendo que Rafa Marquez disse ainda que Robben ter-lhe-ia confessado que não fora falta. 

Mortalidade materna cai 1,7% no Brasil

30/06/2014

Johannesburgo-África do Sul, 30 – O Brasil é o quarto país mais lento na redução da mortalidade materna, segundo relatório coordenado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e divulgado hoje na África do Sul. O trabalho foi feito com base na análise das taxas entre 2000 e 2013 de 75 países participantes do Objetivos do Milênio.

No período, o Brasil teve um desempenho equivalente ao de Madagascar, com queda anual média de 1,7% na taxa de mortalidade materna. A marca está bem abaixo da média de todo o grupo, que foi de 3,1% ao ano.

Em 2013, a taxa de brasileiras que morreram na gestação, no parto ou em decorrência de suas complicações foi equivalente a 69 a cada 100 mil nascimentos. Isso representa quase o dobro da meta assumida nos Objetivos do Milênio – chegar em 2015 com, no máximo, 35 mortes a cada 100 mil nascimentos. O Brasil já assumiu que não vai conseguir atingir a marca. O País, porém, não está sozinho.

Preparado pela Parceria para a Saúde Materna, de Recém-Nascidos e Crianças (PMNCH), grupo formado por mais de 560 organizações, o relatório mostra que poucos países vão atingir o compromisso de redução de mortalidade relacionadas à gravidez e ao parto. Do total, apenas 11 conseguiram diminuir a taxa a um ritmo de pelo menos 5,5% por ano.

Para dar dimensão do que isso significa, o risco de uma mulher morrer nos países avaliados por causas relacionadas ao parto e à gestação é de 1 para 66. Nos países com alto desenvolvimento, o risco é de 1 para 3,4 mil.

Novas estratégias

O relatório, divulgado no início do Fórum do PMNCH, em Johannesburgo, alerta sobre a necessidade de se definir estratégias que acelerem avanços nas saúdes materna, infantil e neonatal.

“Precisamos renovar e redobrar nossos esforços em áreas-chave, onde o progresso vem sendo menor”, dizem os autores do documento. Eles reforçam a necessidade de se evitar que, esgotado o prazo definido nos Objetivos do Milênio, o ânimo para se alcançar as metas diminua. A mensagem é: o trabalho está inacabado, mas os objetivos são possíveis de serem alcançados. “O fim de 2015 vai inaugurar uma nova era da saúde global.”

Entre os pontos considerados essenciais pelos autores do trabalho estão a melhoria do acesso a métodos contraceptivos, fundamentais para garantir o planejamento familiar; a garantia da assistência, feita com profissionais preparados e equipados adequadamente, tanto na gestação quanto nas fases pré e pós-parto; a redução de índices de doenças como diarreia e pneumonia e o combate a altos índices de desnutrição.

*(A jornalista viajou a convite do Fórum da Parceria Para A Saúde Materna, de Recém-Nascidos e Crianças – PMNCH).

 

SP ganha mais 800 metros de faixas de ônibus

30/06/2014

São Paulo, 30 – Mais 800 metros de faixas exclusivas de ônibus passaram a funcionar na cidade de São Paulo nesta segunda-feira, 30, na Rua Voluntários da Pátria e na Avenida Brás Leme, ambas na zona norte da capital paulista.

A primeira ganhou 500 metros de faixa só para coletivos à direita, no sentido centro, entre as Ruas Francisca Júlia e Conselheiro Saraiva. O mecanismo funcionará em dois períodos do dia, entre segunda e sexta-feira: das 6h às 10h e das 16h às 20h.

Na Brás Leme, a faixa exclusiva fica à esquerda, no sentido bairro, e vai da Ponte da Casa Verde à Rua Marambaia. Ela funciona de segunda a sexta-feira das 6h às 22h e aos sábados das 6h às 14h. A aplicação de multas para motoristas que não respeitarem as faixas começam em duas semanas, no dia 14.

Pelo Código de Trânsito Brasileiro, rodar na faixa exclusiva de ônibus à direita é uma infração leve, com perda de três pontos na Carteira Nacional de Habilitação e multa de R$ 53,20. Já na faixa à esquerda, a invasão por outros veículos é considerada uma infração grave, com cinco pontos na carteira e multa de R$ 127,69. Com esses dois novos trechos, a gestão Fernando Haddad (PT) já instalou 338,1 km de faixas exclusivas de ônibus na cidade.

O passaporte suíço continua a ser um processo complicado

30. JUNHO 2014

 (Keystone)

(Keystone)

Os estrangeiros deverão esperar “apenas” 10 anos para requerer a naturalização, no futuro. O passaporte helvético continua sendo, de qualquer maneira, o mais difícil de ser obtido em toda a Europa. E isso mesmo depois do Parlamento ter adotado a nova Lei da cidadania suíça.

Esta nova Lei da cidadania mais parece o movimento de um relógio que acabou de sair de uma oficina mecânica de precisão, após anos de trabalho. Ao longo de intermináveis debates, as Câmeras federais limaram cada ângulo para enquadrar a lei entre as posições divergentes dos partidos. O texto passou cinco vezes de uma Câmara para outra. E, ainda assim, os últimos pontos de atrito somente foram resolvidos com uma conferência de conciliação. 

Tanta discussão não tinha como objetivo, por parte de muitos parlamentares, mostrar a capacidade do sistema político de criar alianças de larga maioria. A fachada escondia o desejo de evitar um plebiscito e, assim, uma votação no próximo ano que coincidiria com o período eleitoral para o parlamento. Este fator representaria um risco muito grande, pois tocar num tema tão sensível poderia dar munição para os partidos de direita.

Resumo da ópera: a nova lei é um arremedo das reais intenções do governo. O projeto original de revisão total se articulava em três pontos principais: adaptar uma norma criada em 1952, sintonizar, pelo menos em parte, os diversos requisitos de naturalização dos Cantões e dar maior peso à vontade de integração, transformando-a na principal condição para a conquista da cidadania suíça.

Favorecer a integração

“O governo não pressupõe a naturalização de um menor ou maior número de pessoas, no futuro. O objetivo do governo é, ao contrário, a naturalização de pessoas que melhor se integrem na Suíça”, ressaltou a ministra da Justiça e Polícia, Simonetta Sommaruga, durante os debates parlamentares.” Existem estrangeiros que já estão adaptados e muito bem integrados na nossa sociedade, depois de cinco anos. Enquanto outros não se adaptam nem depois de décadas. No futuro, a concessão da nacionalidade não deveria depender, principalmente, do tempo de estadia na Suíça”.

Por este motivo, a proposta do governo previa a redução dos atuais 12 para 8 anos, como o tempo mínimo, hoje, o mais alto período de espera a nível europeu. A esquerda compartilha está ideia, pois uma duração de 8 anos seria um incentivo a mais para o esforço do estrangeiro em acelerar a sua integração. A direita lutou para manter os 12 anos alegando que era necessário impedir o risco de uma “naturalização de massa” que comportaria a “helvetização” veloz, também, de muitos criminosos estrangeiros. Ao final, as Câmaras concordaram com o novo prazo, de dez anos.

Ainda no futuro, para conseguir a nacionalidade suíça, o estrangeiro deverá manter a residência num Cantão, por um certo tempo fixo. A duração mínima, de 2 a 12 anos, varia de um Cantão a outro. Para dar um denominador comum a todos os Cantões, o governo propôs a introdução de um tempo superior a três anos para todos. A medida levava em consideração a mobilidade logística das pessoas. A maioria do Parlamento, finalmente, decidiu que o período mínimo de estadia seria entre 2 e 5 anos. A decisão final cabe a cada Cantão.

Suíça restritiva

Mesmo com o novo prazo de espera, de dez anos, a Suíça está entre os países europeus de maior exigência quando ao tempo de estadia estabelecido para a naturalização. 

Segundo dados do Observatório da democracia da União Europeia, apenas seis outros países-entre eles a Itália, a Espanha e a Áustria- exigem uma permanência de dez anos. 

Alemanha, Polônia, Eslováquia, Hungria e Romênia possuem um tempo de espera de 8 anos, Noruega e Grécia, de 7 anos, e Portugal, de 6. 

França, Inglaterra, Holanda, Bélgica, Suécia e República Tcheca aceitam 5 anos.

Questões legislativas

A naturalização incentivada dos jovens provocou grandes divergências: atualmente, os anos transcorridos na Suíça, de quem tem entre os 10 e os 20 anos de idade, contam o dobro para efeitos de cidadania. A direita queria anular esta conta. Já a esquerda queria estender está norma a todos os anos de residência de menores na Suíça. Depois de longas discussões sobre manter a norma ou introduzir a contagem dobrada entre os 5 e os 15 anos, as Câmaras chegaram a um consenso. O novo período começa aos 8 e termina aos 18 anos.

Mas o ápice da arte política do compromisso foi alcançado, provavelmente, na questão relativa à contagem ou não dos anos passados pelos refugiados em solo suíço. Claro, ela trata apenas daqueles que tiveram uma admissão provisória oficial. Diante da ameaça de plebiscito, por parte da direita, o Parlamento decretou que estes anos vão ser contatos apenas pela metade. Este resultado, segundo a deputada socialista, Ada Marra, parece ter saído de um “souk”.

Diante dos debates minuciosos sobre estes temas, alguns líderes da esquerda lembraram do filme “Die Schweizermacher” (Os fabricantes de suíços). A película, de 1978, ironizava o excesso de rigor e de atenção, aos mínimos detalhes, aplicados pelos funcionários suíços diante dos candidatos à cidadania. Para a direita o passaporte suíço representa um documento “excepcional” e capaz de representar a liberdade e os direitos civis, entre os mais abrangentes a nível mundial. Por isso mesmo, o percurso para a sua obtenção deve ser rigoroso. Portanto, para as naturalizações, é necessário continuar a investir na “qualidade” e não na quantidade.

Longa lista de requisitos

Mesmo com a nova Lei da cidadania, os estrangeiros vão ter que se armar de muita paciência e persistência para obter o passaporte suíço. A concessão do documento não é descontada nem depois do cumprimento do prazo mínimo de permanência no país, de dez anos. Os interessados vão ter apenas o direito de apresentar o pedido que vai ser examinado em três instâncias: federal, cantonal e municipal. O percurso pode levar alguns anos.

Os candidatos devem, ainda, ter e cumprir uma série de requisitos: alta capacidade de integração, aquisição de algum conhecimento sobre o estilo de vida dos suíços, aceitação da ordem jurídica e da segurança pública, respeito aos valores da Constituição federal e demonstração da vontade de participação na vida econômica ou na obtenção de uma formação.

Mas isto ainda não é tudo. O Parlamento decidiu que, no futuro, não vai bastar falar um dos idiomas nacionais, pelo menos. Além disso, o candidato terá que saber escrever uma destas línguas. E, como até agora, mantém-se a exigência do desembolso de milhares de francos para conseguir a cidadania suíça.

Nova Lei da Cidadania

Com base na revisão total da norma, adotada em 20 de junho, pelo Parlamento, vão ser exigidos 10 anos de estadia na Suíça, pelo menos, para requerer a naturalização, no futuro.

Os candidatos deverão ter uma permissão de residência C, que pode ser obtida apenas depois de 5 ou 10 anos de estadia, dependendo do país de origem, e que concede o direito de permanência ilimitada na Suíça. 

Para abrir o processo de naturalização, os interessados devem residir por um certo período em um Cantão: de 2 a 5 anos, de acordo com cada um deles.

Os jovens continuarão a ter o benefício da naturalização descontada: conta, em dobro, o tempo de estadia na Suíça de quem tiver entre 8 e 18 anos de vida.

Atualmente, entre 30.000 e 40.000 pessoas são naturalizadas na Suíça, a cada ano. Ao final de abril de 2014, existiam, além desta cota, 1.900.000 estrangeiros, 23,5% da população total.

Por Armando Mombelli swissinfo.ch, Adaptação: Guilherme Aquino

Mais de 50 mortos em ataques islamitas no nordeste da Nigéria

Pelo menos 54 pessoas morreram em ataques contra várias igrejas do nordeste da Nigéria cometidos no domingo pelo grupo islamita Boko Haram, declarou nesta segunda-feira uma autoridade local à AFP.

“Até o momento há 54 mortos”, declarou um funcionário do governo do estado de Borno, que pediu o anonimato.

Os ataques ocorreram em quatro aldeias ao redor de Chibok, a cidade onde mais de 200 meninas foram sequestradas no abril.

Os criminosos, que circulavam de moto, lançaram bombas nas igrejas de Kwada, Ngurojina, Karagau e Kautikari durante a missa de domingo, segundo testemunhas.

Segundo um líder local de Chibok, os moradores encontraram dezenas de corpos, mas a busca prossegue e o balanço pode ser muito mais grave.

Mike Omeri, porta-voz do governo federal, declarou à AFP que não recebeu um balanço oficial das autoridades locais.

Filiações ao Partido Comunista Chinês aumentaram em 2013

O Partido Comunista Chinês (PCC) anunciou nesta segunda-feira que no fim do ano passado contava com 86,7 milhões de membros, graças a 1,56 milhão de novos membros em 2013, embora o ritmo de filiação tenha diminuído.

O maior partido político do mundo, fundado em Xangai em 1921, registrou um crescimento de 1,8% em 2013, contra um aumento de 3,1% em 2012, indicou o departamento de organização em um comunicado.

O PCC afirmou que esta desaceleração se deve ao desejo de dar prioridade à qualidade, ao invés da quantidade no recrutamento de seus membros.

Este partido, que dirige a República Popular desde 1949, conta atualmente com 24,3% de mulheres, uma proporção que só cresce. Também tenta recrutar membros mais qualificados.

Embora a imagem do PCC tenha sido afetada pela corrupção, esta instituição continua sendo considerada um elevador social, onde cobiçados postos são negociados.

O presidente chinês, Xi Jinping, líder deste gigantesco partido organizado de forma piramidal, destaca a luta contra a corrupção, que foi confiada à polícia interna da organização.

No entanto, a corrupção continua sendo endêmica na China, e os especialistas afirmam que são necessárias reformas estruturais profundas.

noticias gerais e, especificamente, do bairro do Brás, principalmente do comércio