Madame Butterfly estreia neste domingo no Theatro Municipal

Soprano Hiromi Omura será a intérprete do papel-título da ópera, sob a regência do Maestro Isaac Karabtchevsky

Secretaria da Cultura do Riod e Janeiro

O tenor Fernando Portari e a premiada soprano japonesa Hiromi Omura interpretam o casal Pinkerton e Cio-Cio San  (Crédito: Sheila Guimarães)

A ópera explora aspectos da cultura japonesa, como as tradicionais gueishas

A cultura japonesa sempre exerceu certo fascínio, seja por sua tradição milenar envolvendo gueixas e samurais, seja por sua política isolacionista, que se manteve até meados do século XIX. É nesta época que navios da Marinha dos Estados Unidos atracaram na costa do país, exigindo que se firmassem acordos comerciais com o mundo ocidental, a fim de garantir abertura econômica e medidas expansionistas. Muitos marinheiros acabaram, também, se envolvendo com a cultura local e com as mulheres japonesas, como acontece na ópera Madama Butterfly, escrita pelo italiano Giacomo Puccini, com libreto de Luigi Illica e Giuseppe Giacosa, e que estreia neste domingo (30/11) no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Com montagem assinada por Carla Camurati e regência do maestro Isaac Karabtchevsky, também responsável pela direção musical, a ópera é estrelada pela premiada soprano japonesa Hiromi Omura, intérprete do papel-título, e pelo tenor Fernando Portari, que dá vida ao oficial da marinha Benjamin Franklin Pinkerton.
Amor, devoção, inocência e traição permeiam a história de Cio-Cio-San (Hiromi Omura), uma menina de 15 anos prometida a Pinkerton, que compra uma casa na colina com vista para o mar e o porto de Nagasaki, levando de brinde a jovem gueixa, que trata de maneira leviana: ela não passa de um passatempo até que ele encontre uma esposa de verdade, ou seja, americana. Após algum tempo, Pinkerton retorna aos Estados Unidos, prometendo a Cio-Cio-San, apelidada por ele de Madama Butterfly em referência à leveza de seus movimentos, que um dia voltaria. Durante três anos, a jovem não recebe nenhum sinal de que o oficial de fato retornará mas, nem assim, perde suas esperanças, demonstrando cariho e fidelidade.
Ópera explora diferenças culturais
Para Karabtchevsky, através de estudos e observações, o italiano Puccini conseguiu captar bem as diferenças entre as culturas ocidental e oriental, o que contribuiu para o arranjo das músicas. “Para o japonês, o amor surge primeiro, depois, a concepção de como cultivá-lo. Esta liberdade é a tônica da religiosidade japonesa. Talvez aí resida todo o drama da pobre Cio-Cio-San, uma gueixa vítima de um casamento leviano. É em torno dela que o compositor criou as mais belas páginas vocais de toda a história da ópera, com climas psicológicos de extrema densidade e uma orquestração que sublinha as nuances, impregnando-as de calor ou desespero”, comenta o maestro. Carla Camurati completa. “Madama Butterfly encanta pela capacidade de despertar emoções ao revelar a felicidade e a dor dos seus personagens,  repleta de requinte na sua teatralidade”, afirma.

Colaboração de Danielle Veras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s