O Manso não é manso

Metade das ocorrências registradas pela Marinha em Mato Grosso, inclusive de mortes, são no Lago de Manso

Diário de Cuiabá|Alecy Alves

Lago de Manso: Marinha vai montar na região um serviço permanente de fiscalização do tráfego aquaviário

É no lago da usina hidrelétrica de Manso, considerado um dos principais espaços de lazer aquático do Estado, que ocorre a maioria das mortes por acidente e de infrações aplicadas pela Delegacia Fluvial da Marinha em Mato Grosso.
Em 2014, das oito mortes registradas em rios e lagos de jurisdição da Marinha, quatro aconteceram no lago, sendo que as demais se dividiram entre os rios Cuiabá, Teles Pires, Rio Vermelho e outros.

Das 45 embarcações (lanchas, barcos e jet-ski) apreendidas, 50% estavam em Manso fazendo manobras arriscadas, sendo pilotada por pessoas não habilitadas e/ou alcoolizadas, com documentação irregular ou seus ocupantes sem colete salva-vidas.

No ano passado, de um total de 2.980 abordagens feitas em rios e lagos mato-grossense, 370 de transformaram em multas pelas mais diversas irregularidades. Os dados foram divulgados ontem, durante a visita do contra-almirante Petrônio Augusto Siqueira de Aguiar, comandante-geral da Marinha em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Este ano, até a primeira quinzena deste mês, a Marinha registrou três mortes, 14 apreensões e a aplicou 976 multas. Para todos os acidentes com vítimas, informa o delegado Fluvial no Estado, capitão-de-corveta Alessandro Amilton Maia Nonato, é instaurado um inquérito.

O contra-almirante Petrônio e o delegado Nonato anunciaram para setembro a instalação de um serviço permanente de fiscalização do tráfego aquaviário no lago de Manso. Antes disso, além do monitoramento nos finais de semana e feriados, acontecerá uma grande operação conjunta da Marinha e órgãos da segurança pública estadual. A previsão é de que ocorra no mês de junho.

Petrônio disse que a Marinha não trabalha com o objetivo de multar ou apreender embarcações, mas de educar os condutores e passageiros, mostrando que, para segurança deles, existem exigências legais que precisam ser obedecidas.

“Somos o Detran dos rios e lagos, portanto, se a habilitação é obrigatória para dirigir carro, também é obrigatória para pilotar barcos, jet-ski e outras”, disse. O mesmo se aplica, lembrou, ao uso do colete salva-vidas, comparado ao cinto de segurança obrigatório para o condutor e passageiro de carros.

Em Mato Grosso, a Marinha tem 12 mil embarcações registradas e 18.700 pessoas habilitadas. Apesar do número de habilitados ser bem superior ao de lanchas, barcos e jet-ski, a falta da carteira de piloto representa 25% das notificações.

Mas essa realidade, acredita o capitão Notato, está mudando. Só neste ano a Marinha expediu 600 habilitações. Para obter o documento é necessário conhecer a legislação que regula o tráfego aquaviário, fazer uma prova na Agência Fluvial e, claro, ser aprovado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s