Casa flutuante ajuda a monitorar boto-vermelho no Amazonas

Além de pesquisas, casa servirá como base para o turismo sustentável. Visitante vai nadar com os botos e aprender sobre as ameaças

MANAUS – Uma espécie de casa sobre as águas será o ponto para pesquisas e atividades turísticas de interação com os botos da Amazônia. A plataforma flutuante ‘Amigo do Boto-vermelho’ está localizada na comunidade ribeirinha São Thomé, município de Iranduba (a 80 quilômetros de Manaus) e é uma iniciativa da Associação Amigos do Peixe-boi (Ampa) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI). O local será inaugurado na próxima terça-feira (2).


Foto: Acervo/Ampa

Para o diretor executivo da Ampa, Jone Silva, a construção da plataforma é uma estratégia de conservação para o boto-vermelho (Inia geoffrensis) que sofre uma grande pressão pela ocupação humana. “E, nos últimos anos, vem sendo caçado indiscriminadamente para ser utilizado como isca na pesca de um peixe chamado piracatinga que no Brasil é comercializado com o nome de douradinha”, disse.

Ainda de acordo com o diretor, com a inauguração do flutuante pretende-se sensibilizar o maior número de pessoas, proporcionando uma experiência única de conhecer e nadar com os botos da Amazônia e ainda ter a oportunidade de aprender sobre as ameaças que estes animais sofrem.

A plataforma integra o projeto Ecoturismo Amigo do boto-vermelho da Amazônia, idealizado pela Ampa e financiado pela Oi Futuro. O projeto tem como objetivo promover o turismo sustentável, melhorar a renda da comunidade ribeirinha, reabilitar e fomentar o bem-estar de crianças portadoras de necessidades especiais, além de contribuir com a conservação ambiental, por meio da implantação de uma estrutura flutuante receptiva.

Sobre o flutuante

O “Flutuante Amigo do Boto-vermelho” foi construído com madeira manejada extraída de Reservas de Desenvolvimento Sustentável da região do baixo rio Negro e é equipado com um sistema de tratamento de efluentes. Todo o resíduo gerado no banheiro do flutuante passa por um processo de purificação e a água retorna ao rio com características muito similares à natural.

Além disso, o flutuante adota o sistema de coleta de lixo e destinação adequada dos resíduos coletados. Equipado com painéis solares, possui autonomia para produzir e armazenar sua própria energia elétrica.

Turismo de observação

O turismo de observação de animais em vida livre vem crescendo e o Amazonas é o sétimo destino nessa área no mundo. O turismo com os botos, nos rios amazônicos, já ocorre há mais de uma década, mas a atividade não é feita de forma sistematizada.

O boto-vermelho é um mamífero aquático endêmico da região amazônica e está classificado como dados insuficientes pela Unidade Internacional de Conservação da Natureza (IUCN) e aparece no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Com uma biologia totalmente adaptada para se deslocar na floresta alagada, é um animal dócil e muito curioso. Tem uma distribuição ampla nos rios da Amazônia brasileira, boliviana, colombiana, equatoriana e venezuelana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s