Importância do pai na criação dos filhos é destaque em seminário na Câmara

Michèlle Canes – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

A maior participação do pai na criação e no cuidado com os filhos tem influência tanto na vida da criança quanto na da mulher e do próprio homem. É o que mostra o relatório Situação da Paternidade no Mundo, feito pelo Instituto Promundo. O doumento reúne vários dados globais sobre o tema da participação masculina. Lançado este mês na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, a pesquisa foi apresentada nessa terça-feira (30) no Brasil durante o 3º Seminário Internacional Marco Legal da Primeira Infância, na Câmara dos Deputados.

Segundo o relatório, 80% dos homens no mundo serão pais biológicos e praticamente, em algum momento da vida, terão alguma conexão com uma criança. O diretor executivo internacional da organização não governamental (ONG), Gary Barker, ressaltou que a participação masculina resulta em maior equidade de gênero e na possibilidade de as mulheres participarem mais do mercado de trabalho.

O estudo mostra ainda que a presença do pai durante a gravidez e após o nascimento do filho incentiva as mulheres a buscar os serviços de saúde materna e neonatal. Com relação às crianças, a ONG diz que os reflexos vêm no desenvolvimento. “Todos os indicadores que a gente olha em termos de desenvolvimento infantil melhoram quando tem um segundo cuidador além da mãe”, acrescenta Barker.

Com relação à legislação brasileira, o estudo revela que entre os obstáculos para um maior envolvimento estão questões jurídicas e legais. Uma delas é a licença-paternidade que, para os homens, atualmente, é cinco dias. Segundo a pesquisa, das 27 unidades da Federação, 13 já ampliaram a licença. Em São Paulo é garantido um mês para os funcionários públicos. Em outros sete estados, a licença é 15 dias. Há ainda localidades que permitem o afastamento por oito ou sete dias.

“Os cinco dias de licença-paternidade comparados com os quatro meses de licença-maternidade não refletem o desejo de uma igualdade plena entre pais e mães. O ideal seria aumentar a licença-paternidade e igualar para quatro meses”, diz o relatório.

O diretor da ONG defende que é preciso avançar, principalmente dentro do sistema educacional, da primeira infância, quebrando essas normas de quem cuida. “Precisamos também de políticas dentro do sistema de saúde. Eu diria já existir uma luz interessante no Brasil, o Programa Saúde do Homem, do Ministério da Saúde.”

O documento traz também recomendações para o país. Entre as medidas estão, por exemplo, a criação de um grupo de trabalho no Congresso Nacional para tratar da regulamentação e ampliação da licença-paternidade. Outro ponto abordado pelo estudo trata do desrespeito à Lei do Acompanhante. Ela estabelece um acompanhante para a mulher durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. O relatório sugere que sejam feitas campanhas para conscientizar profissionais da saúde e também a população sobre a legislação.

Departamento de Estado dos EUA vai divulgar e-mails de Hillary Clinton

Da Agência Lusa

O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou que vai divulgar 3 mil páginas com mensagens de correio eletrônico da ex-secretária de Estado Hillary Clinton, depois da ordem de um juiz federal. Os documentos vão ficar disponíveis no site do Departamento de Estado na internet.

A correspondência eletrónica de Hillary Clinton tem sido motivo de discussão desde que admitiu, em março, que usou uma conta privada para toda a sua correspondência eletrônica enquanto era secretária de Estado, entre 2009 e 2013.

Os rivais republicanos acusam Hillary Clinton, candidata às eleições presidenciais de 2016, de ter usado uma conta privada para manter a correspondência fora dos registros oficiais.

Ela argumentou que no fim de 2014 enviou 55 mil páginas impressas, correspondentes a 30 mil mensagens, a agentes da administração que vão arquivar a informação e disponibilizá-la ao público, como requerido por lei.

Chacina deixa seis pessoas mortas na periferia de São Paulo

Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto

Seis pessoas foram mortas a tiros durante uma chacina no Jardim São Luís, na periferia da zona sul da capital paulista. De acordo com a Polícia Militar (PM), os crimes ocorreram às 4h de hoje (1º), na Rua Maria José de Carvalho.

A PM informou que recebeu uma ligação informando sobre as mortes. Ao chegar ao local, os policiais encontraram três corpos estendidos na calçada e três corpos dentro de um bar. Ainda não há informações sobre o que possa ter motivado a chacina. Ninguém foi preso. O caso foi registrado no 92º Distrito Policial – Parque Santo Antônio.

Coreia do Sul não registra casos de coronavírus pelo quarto dia consecutivo

Da Agência Lusa

A Coreia do Sul mantém-se hoje (1º), pelo quarto dia consecutivo, sem o registro de novos casos de contágio da Síndrome Respiratória do Oriente Médio Médio (Mers), um sinal de que o surto da doença perde força.

O país notificou, desde a primeira ocorrência em 20 de maio deste ano, um total de 182 casos de Mers, com 33 mortes.

O Ministério da Saúde sul-coreano, que confirmou que o número de casos permanece inalterado desde domingo (28), revelou que 40 pacientes continuam sob tratamento, dos quais 12 em estado grave.

O número de pessoas que continuam em quarentena, a fim de prevenir a propagação do coronavírus, diminuiu ligeiramente para 2.451.

A Coreia do Sul é, depois da Arábia Saudita, o segundo país com o maior número de casos.

A Mers é considerada uma “prima”, mais mortal, mas menos contagiosa, do vírus responsável pela Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) que, em 2008, fez cerca de 800 mortos em todo o mundo.

Operação Vício investiga fraudes em contratos envolvendo a Casa da Moeda

Da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger

O Ministério da Fazenda informou há pouco, por meio de nota, que a Polícia Federal, com o apoio da Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda, cumpre hoje (1º) 23 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, em dependências da Receita Federal e da Casa da Moeda, na sede da empresa Sicpa Brasil Indústria de Tintas e Sistemas Ltda e em residências e escritórios de investigados.

“As diligências ocorrem no bojo da Operação Vícios, da Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros e Desvio de Recursos Públicos do Rio de Janeiro, que há quase dois anos vem investigando fraudes em um contrato de prestação de serviços cujo faturamento nos últimos seis anos ultrapassou a cifra de R$ 6 bilhões”, informou o Ministério da Fazenda.

A investigação teve origem após denúncia da presidência da Casa da Moeda sobre a suspeita de que empregados da entidade tentaram direcionar procedimento licitatório para a recontratação da empresa Sicpa. De acordo com a nota, o contrato investigado tem por objeto o Sistema de Controle da Produção de Bebidas, denominado Sicobe, que prevê a instalação, nas linhas de produção de bebidas frias (cervejas, refrigerantes, sucos, águas minerais e outras), de equipamentos contadores de produção, bem como de sistema para o controle, registro, gravação e transmissão dos quantitativos à Receita Federal, para fins de tributação.

Existem ainda evidências de que o novo processo licitatório para o Sicobe, feito entre 2014 e 2015, também foi fraudado para beneficiar a mesma empresa. A contratação do sistema de controle da produção de cigarros, anterior ao Sicobe, também será investigada para averiguar se houve fraude semelhante.

Segundo o Ministério da Fazenda, existem indícios de que cerca de R$ 100 milhões tenham sido pagos em propina para servidores da Receita Federal e empregados da Casa da Moeda, razão pela qual já foram instauradas sindicâncias patrimoniais, no âmbito da Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda, para avaliar seu possível enriquecimento ilícito.

Além dos mandados de busca e apreensão, a Justiça Federal decretou o sequestro de bens dos principais envolvidos na investigação, além de quebras de sigilos fiscais e bancários.

Participam da operação cerca de 70 policiais Federais e 12 servidores da Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda. A investigação conta também com o apoio da Auditoria Interna da Casa da Moeda e do Ministério.

A investigação foi batizada de Operação Vícios, não somente pelos vícios observados nos processos de contratação da empresa investigada, mas também em alusão ao poder viciante das bebidas e cigarros, ambos relacionados aos contratos sob investigação.

Número de refugiados que cruzaram o Mediterrâneo no primeiro semestre é recorde

Da Agência Lusa

Um recorde de 137 mil pessoas atravessou o Mediterrâneo no primeiro semestre do ano, a maioria fugia de guerras, conflitos e perseguições, revelou hoje (1º) o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). O número revela aumento de 83% em relação aos primeiros seis meses de 2014. “A Europa depara com uma crise de refugiados, que chegam por via marítima, de proporção histórica”, alerta o Acnur.

A situação deve piorar ainda mais no verão, quando normalmente se registra aumento das viagens clandestinas no Mediterrâneo. Em 2014, por exemplo, o número de migrantes passou de 75 mil no final de junho para 219 mil em dezembro, segundo o Acnur.

À mercê das redes de tráfico, a maior parte dos migrantes faz a travessia perigosa em barcos e condições precárias. “A maior parte dos que chegam por via marítima à Europa é refugiada e procura proteção contra guerra e perseguições”, disse o alto comissário da agência, António Guterres.

Um terço dos homens, mulheres e crianças que alcançaram as costas da Grécia ou da Itália desde o início do ano é oriundo da Síria, palco de uma guerra civil desde 2011. As pessoas que fogem da violência contínua no Afeganistão e do repressivo regime da Eritreia representam 12% do total, segundo os dados do Acnur. A Somália, a Nigéria, o Iraque e o Sudão são outras das principais proveniências dos migrantes.

Segundo o Acnur, no primeiro semestre do ano 1.867 pessoas morreram ao tentar cruzar o Mediterrâneo, das quais 1.308 somente no mês de abril.

No final da semana passada, em resposta à crise, os chefes de Estado e de Governo dos 28 países da União Europeia (UE) aprovaram repartir entre si 60 mil refugiados nos próximos dois anos. No entanto, aceitaram que o acolhimento desses refugiados seja feito com base em cotas voluntárias e não em cotas obrigatórias com número de pessoas predefinido.

O método de repartição dos migrantes vai ser discutido e decidido este mês. “Com uma boa política, apoiada por uma resposta operacional efetiva, é possível salvar mais vidas no mar”, observou o chefe do Acnur.

Condutores de vans escolares protestam em SP contra exigência da cadeirinha

Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil Edição: Valéria Aguiar

Condutores de vans escolares fizeram hoje (1º) uma carreata por São Paulo para protestar contra a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que exige o uso de cadeirinhas para crianças de até 7 anos e meio em transporte escolar. As carreatas partiram de vários pontos da cidade com destino à Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), as vans chegaram a congestionar o trânsito na Radial Leste (zona leste), nas avenidas Interlagos (zona sul) e Paulista (centro). Por volta das 9h, cerca de 5 mil vans, de acordo com as lideranças do protesto, estacionaram nas proximidades do Pacaembu.

Jorge Formiga, um dos líderes da Associação Regional de Transporte Escolar de São Paulo (Artesul), disse que não existem casos registrados de acidentes em vans escolares. Ele defende que os veículos atuais já são seguros para o transporte das crianças. “Nossos carros são transformados para transportar crianças. Nossos bancos são menores, o que permite a acomodação apropriada dos menores.”

Caso a obrigatoriedade da cadeirinha passe a valer, explica Formiga, o aumento de custo terá de ser repassado aos pais. “A cadeirinha vai reduzir por volta de 40% da capacidade de transporte, o que diminui o número de crianças em cada van. Esta medida contribuirá para subir o valor da mensalidade.”

A resolução do Contran foi publicada no último dia 17 e entra em vigor no início de 2016. A decisão não se aplica ao transporte coletivo, de aluguel, transporte autônomo de passageiro, como táxis, e aos demais veículos com peso bruto total superior a 3,5 toneladas. Para veículos de passeio, a regra vale desde 2010.

Alguns pais, como o motorista Edson de Souza Lima, de 35 anos, que tem um filho de 7 anos, aprovaram a decisão. “Eu apoio a medida, pois vai trazer mais segurança para as crianças. Como são várias crianças dentro da perua, vai ser uma segurança a mais, pois elas ficarão sentadinhas na cadeira.”

A Agência Brasil entrou em contato com o Contran, que ainda não se manifestou.

Ataques do Estado Islâmico matam 36 soldados e civis no Egito

Da Agência Lusa Edição: Graça Adjuto

Pelo menos 36 soldados e civis egípcios e 38 jihadistas do Estado Islâmico morreram hoje (1º) em ataques no Sinai, no Leste do Egito, anunciaram as autoridades do Cairo.

De acordo com as autoridades de segurança e de saúde egípcias, os jihadistas do Estado Islâmico atacaram vários postos de controle militares. Em seguida, houve confronto com o Exército e a polícia no norte da Península do Sinai.

Governo Dilma é considerado ruim ou péssimo por 68% da população, diz CNI-Ibope

Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

O governo Dilma Rousseff foi considerado ruim ou péssimo para 68% da população, em junho, quatro pontos percentuais acima dos 64% registrados em março, de acordo com a pesquisa CNI-Ibope, divulgada hoje (1º), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

De acordo com o levantamento, o percentual de pessoas que consideram o governo ótimo ou bom caiu de 12% para 9% no mesmo período. Para 21%, o governo da presidenta é avaliado como regular.

Segundo a pesquisa, 83% desaprovam e 15% aprovam a maneira de a presidenta governar. Na pesquisa anterior, referente a março, esses percentuais estavam em 78% e 19%, respectivamente. De acordo com a pesquisa, 78% dos brasileiros não confiam na presidenta, enquanto 20% confiam. Em março, esses índices estavam em 74% e 24%, respectivamente.

A pesquisa foi feita entre os dias 18 e 21 de junho a partir de 2002 entrevistas feitas em 141 municípios. A margem de erro é 2 pontos percentuais.