‘The Guardian’: O fim do capitalismo já começou

“Sem nos darmos conta, estamos entrando na era pós-capitalista”, diz Paul Mason

Jornal do Brasil

Para Paul Mason, “No coração da nova mudança o que se vê é a tecnologia da informação, novas formas de trabalho e da partilha da economia. Os antigos caminhos vão levar um longo tempo para desaparecer, mas é hora de ser utópico”.

O jornalista britânico, editor de economia do Channel 4, da BBC e colunista do jornal The Guardian, Paul Mason lançou no final de julho um livro no qual reflete sobre o fim do capitalismo como o conhecemos. O Pós-Capitalismo, termo que também dá título ao livro, seria uma sociedade sem mercado, onde as pessoas trabalhariam menos, e em que matérias-primas, energia e alimentos não seriam abundantes.

De acordo com o autor, a marcha das bandeiras vermelhas com canções do Syriza durante a crise grega, mais a expectativa de que os bancos seriam nacionalizados, reavivou brevemente um sonho do século 20: a destruição forçada do mercado a partir de cima. Durante grande parte do século 20 foi assim que a esquerda concebeu a primeira fase de uma economia para além do capitalismo. A força será aplicada pela classe trabalhadora, seja nas urnas ou nas barricadas. A alavanca seria o estado. A oportunidade viria através de frequentes episódios de colapso econômico.

Artigo publicado no 'The Guardian': 'O fim do capitalismo já começou'
Artigo publicado no ‘The Guardian’: ‘O fim do capitalismo já começou’

Em vez disso, nos últimos 25 anos tem sido o projeto da esquerda que entrou em colapso. O mercado destruiu o plano; individualismo foi substituído coletivismo e pela solidariedade; a força de trabalho extremamente expandida do mundo se parece com um “proletariado”, mas já não pensa ou se comporta como antes.

Se você passou por tudo isso, e não gostou do capitalismo, foi traumático. Mas, no processo de tecnologia criou uma nova rota para além, que os remanescentes da velha esquerda – e todas as outras forças influenciadas por ela – terão de abraçar ou morrer. O capitalismo, ao que parece, não será abolido por técnicas de marcha forçada. Ele vai ser abolido através da criação de algo mais dinâmico que existe, em primeiro lugar, quase invisível dentro do velho sistema, mas que irá rompê-lo, remodelando a economia em torno de novos valores e comportamentos. Eu chamo isso de pós-capitalismo.

Para Masom, Tal como aconteceu com o fim do feudalismo há 500 anos, a substituição do capitalismo pelo pós-capitalismo será acelerado por choques externos e moldado pelo surgimento de um novo tipo de ser humano. E ele já começou.

Segundo o economista, o pós-capitalismo é possível por causa de três grandes mudanças que a tecnologia da informação trouxe nos últimos 25 anos. Primeiro, reduziu a necessidade de trabalho, aparou as arestas entre trabalho e tempo livre e afrouxou a relação entre trabalho e salários. A próxima onda de automação, atualmente num impasse, porque a nossa infraestrutura social não pode arcar com as consequências, vai diminuir a enorme quantidade de trabalho necessário – não apenas para subsistir, mas para proporcionar uma vida digna para todos.

Em segundo lugar, a informação está corroendo a capacidade do mercado para formar preços corretamente. Isso é porque os mercados são baseados em escassez enquanto a informação é abundante. O mecanismo de defesa do sistema é formar monopólios – as empresas gigantes de tecnologia – em uma escala não vista nos últimos 200 anos, mas eles não podem durar. Através da construção de modelos de negócios e partes das avaliações baseadas na captura e privatização de todas as informações socialmente produzidas, essas empresas estão construindo um edifício corporativo frágil em desacordo com a necessidade mais básica da humanidade, que é a utilização de idéias livremente.

Em terceiro lugar, estamos vendo o surgimento espontâneo da produção colaborativa: bens, serviços e organizações estão aparecendo que já não respondem aos ditames do mercado e da hierarquia gerencial. O maior produto de informação no mundo – Wikipedia – é feito por voluntários gratuitamente, abolindo o negócio enciclopédia e privando a indústria da publicidade de cerca de US $ 3 bilhões por ano em receitas.

Na opinião de Mason, quase despercebida, nos nichos e reentrâncias do sistema de mercado, trechos inteiros da vida econômica estão começando a mover-se para um ritmo diferente. Moedas paralelas, bancos, cooperativas de tempo e espaços auto-geridos têm proliferado, mal notados pelos economistas, e muitas vezes como um resultado direto da quebra das estruturas antigas na crise pós-2008.

Para o economista, você só encontra esta nova economia, se você olhar duro para isso. Na Grécia, quando uma ONG de base mapeava cooperativas do país – de alimentos, produtores alternativos, moedas paralelas e sistemas de câmbio locais – encontraram mais de 70 projetos substanciais e centenas de iniciativas menores que variavam de suporte de boleias a jardins de infância gratuitos. Para economia  principal tais coisas parecem ruins para se qualificar como atividade econômica – mas esse é o ponto. Eles existem no comércio, hesitante e de forma ineficiente, na moeda do pós-capitalismo: tempo livre, a atividade de rede e material livre. Parece uma coisa escassa e não oficial e até mesmo perigosa a partir da qual se constitui uma alternativa inteira para um sistema global, mas assim como o dinheiro e o crédito na idade de Edward III.

Novas formas de propriedade, novas formas de concessão de empréstimos, novos contratos legais: um negócio de subcultura inteira emergiu nos últimos 10 anos, o que a mídia apelidou de “economia compartilhada”. Chavões tais como os “commons” e “peer-produção” são jogados ao redor, mas poucos se preocuparam em perguntar o que isso significa para o  desenvolvimento e para o próprio capitalismo.

Em seu livro, ele acredita que há uma rota de fuga – mas somente se estes projetos a nível micro são nutridos, promovidos e protegidos por uma mudança fundamental feita pelos governos. E esta deve ser conduzida por uma mudança em nosso pensamento – sobre tecnologia, propriedade e trabalho. De modo que, quando criamos os elementos do novo sistema, podemos dizer a nós mesmos e para os outros: “Este não é mais simplesmente o meu mecanismo de sobrevivência, meu buraco do parafuso do mundo neoliberal; esta é uma nova forma de viver no processo de formação”.

Segundo a análise de Mason, a crise de 2008 reduziu 13% da produção global e 20% do comércio global. O crescimento mundial tornou-se negativo – em uma escala em que qualquer coisa abaixo de mais de 3% é contado como uma recessão. Produziu, no oeste, uma fase de depressão mais do que em 1929-33, e mesmo agora, em meio a uma recuperação pálida, deixou economistas aterrorizados com a perspectiva de estagnação de longo prazo. Os tremores secundários na Europa estão rasgando o continente distante.

As soluções têm sido austeridade monetária excessiva. Mas isso não está funcionando. Nos países mais atingidos, o sistema de pensões foi destruído, a idade de aposentadoria está subiu para 70, e a educação está sendo privatizada de modo que os formandos enfrentam agora uma vida de alto custo. Os serviços estão sendo desmantelados e projetos de infraestrutura colocados em espera.

Segundo Mason, mesmo agora, muitas pessoas não conseguem compreender o verdadeiro significado da palavra “austeridade”. Austeridade não é de oito anos de cortes de gastos, como no Reino Unido, ou mesmo a catástrofe social infligida à Grécia. Isso significa dirigir os salários, salários sociais e padrões de vida na Europa para baixo ao longo de décadas até se depararem com os da classe média na China e na Índia no caminho para cima.

Enquanto isso, na ausência de qualquer modelo alternativo, as condições para uma nova crise estão sendo montadas. Os salários reais caíram ou permaneceram estagnados no Japão, a sul da zona euro, nos EUA e no Reino Unido. A sombra do sistema bancário foi remontada, e é agora maior do que era em 2008. As novas regras exigem que os bancos segurem mais reservas que foram diluídas ou atrasadas. Enquanto isso, a lavagem de dinheiro é livre, e o dinheiro se concentra em 1% dos mais ricos

O neoliberalismo, então, se transformou em um sistema programado para provocar falhas catastróficas recorrentes. Pior do que isso, ele quebrou o padrão do capitalismo industrial em que uma crise econômica estimula novas formas de inovação tecnológica que beneficiam todo mundo.

Isso é porque o neoliberalismo foi o primeiro modelo econômico em 200 anos a retomar as bases da supressão dos salários e quebrando o poder social e resistência da classe trabalhadora. Se formos analisar os períodos de descolagem estudados pelos teóricos de ciclo longo – a década de 1850 na Europa, os anos 1900 e 1950 em todo o mundo – foi a força de trabalho organizado, que forçou os empresários e as empresas a parar de tentar reviver modelos de negócios ultrapassados através do corte de salários, e de inovar seu caminho para uma nova forma de capitalismo.

O resultado é que, em cada subida, encontramos uma síntese de automação, salários mais altos e consumo de maior valor. Hoje não há nenhuma pressão da força de trabalho e da tecnologia no centro dessa onda de inovação não exige a criação de gastos de maior consumo, ou o re-emprego da força de trabalho na idade de novos empregos. A informação é uma máquina para moer o preço das coisas mais baixas e reduzindo o tempo de trabalho necessário para manter a vida no planeta.

Para ele, como resultado, grande parte da classe empresarial torna-se neo-luditas (membro de organizações trabalhadoras na Inglaterra do século 19 que se opunham a revolução industrial e destruíam máquinas que na opinião deles estavam acabando com o seu meio de sustento). Confrontado com a possibilidade de criar laboratórios de gene-sequenciamento, eles ao invés de abrirem contratos de cafés, bares, unhas e empresas de limpeza: o sistema bancário, o sistema de planejamento e tardio neoliberal recompensa cultura acima de tudo, e não o criador de baixo valor, de longas horas empregos.

A inovação está acontecendo, mas não tem, até agora, acionado a quinta longa ascensão do capitalismo de que a teoria de ciclo longo deveria esperar. As razões encontram-se na natureza específica da tecnologia da informação.

Segundo ele, estamos cercados e não apenas por máquinas inteligentes, mas por uma nova camada da realidade centrada em informações. Considere um avião de passageiros: um computador que voa; ele foi projetado, testado e “virtualmente fabricado” milhões de vezes; ele está disparando de volta a informação em tempo real aos seus fabricantes. A bordo são pessoas olhando de soslaio para telas conectadas, em alguns países por sorte, para a internet.

Visto a partir do solo é o mesmo pássaro de metal branco como na era James Bond. Mas agora é tanto uma máquina inteligente e um nó em uma rede. Ele tem um conteúdo de informação e está adicionando “valor da informação”, bem como valor físico para o mundo. Em um voo de negócios lotado, quando todo mundo está olhando para Excel ou Powerpoint, a cabine de passageiros é melhor entendida como uma fábrica de informações.

O autor faz a indagação: Mas o que é toda essa informação que vale a pena? Você não vai encontrar uma resposta nas contas: a propriedade intelectual está avaliada em normas de contabilidade modernas por adivinhação. Um estudo do Instituto SAS em 2013 descobriu que, a fim de colocar um valor em dados, nem o custo da recolha, nem o valor de mercado ou o rendimento futuro do que poderiam ser adequadamente calculados. Só através de uma forma de contabilidade que incluiu benefícios não-econômicos e riscos, poderia empresas realmente explicar aos seus acionistas que seus dados eram realmente valiam a pena. Algo está quebrado na lógica que usamos para valorizar a coisa mais importante no mundo moderno.

Na opinão do economista e escritor, o grande avanço tecnológico do início do século 21 é composto não só de novos objetos e processos, mas de antigos feitos inteligentes. O conteúdo dos produtos do conhecimento é cada vez mais valioso do que as coisas físicas que são usadas para produzi-los. Mas é um valor medido como utilidade, não trocado ou valor patrimonial. Na década de 1990 os economistas e técnicos começaram a ter o mesmo pensamento ao mesmo tempo: que este novo papel para a informação estava criando um novo “terceiro” tipo, do capitalismo – como diferente de capitalismo industrial como o capitalismo industrial era para o comerciante e escravo do capitalismo dos séculos 17 e 18. Mas eles têm se esforçado para descrever a dinâmica do novo capitalismo “cognitivo”. E por uma razão. Sua dinâmica é profundamente não-capitalista.

Durante e logo após a Segunda Guerra Mundial, os economistas viram informações simplesmente como um “bem público”. O governo dos EUA ainda decretou que nenhum lucro deve ser feito de patentes, apenas a partir do próprio processo de produção. Então nós começamos a entender a propriedade intelectual. Em 1962, Kenneth Arrow, o guru da economia principal, disse que, em uma economia de mercado livre a fim de inventar coisas é criar direitos de propriedade intelectual. Ele observou: “precisamente na medida em que é bem-sucedido há uma subutilização da informação.”

Você pode observar a verdade desta em todos os modelos de e-business já construído: monopolizar e proteger dados, capturar os dados sociais livres gerados pela interação do usuário, empurrar forças comerciais em áreas de produção de dados que eram não-comercial antes, mina os dados existentes para o valor preditivo – garantindo, sempre e em todos os lugares ninguém mais a empresa pode utilizar os resultados.

Segundo ele, se reafirmamos o princípio de seta em sentido inverso, as suas implicações revolucionárias são óbvias: se uma economia livre de mercado com propriedade intelectual leva à “subutilização da informação”, em seguida, uma economia baseada na plena utilização da informação não pode tolerar o livre mercado ou de propriedade intelectual absoluta de direitos. Os modelos de negócios de todos os nossos gigantes digitais modernos são projetados para prevenir a abundância de informação.

No entanto, a informação é abundante. Bens de informação são livremente replicáveis. Uma vez que uma coisa é feita, ela pode ser copiada/colada infinitamente. A faixa de música ou o banco de dados gigante que você usa para construir um avião tem um custo de produção; mas seu custo de reprodução cai para zero. Portanto, se o mecanismo normal de preços do capitalismo prevalece ao longo do tempo, seu preço irá cair para zero, também.

Para os últimos 25 anos a economia vem lutando com esse problema: todos os recursos de economia do grosso da população de uma condição de escassez, mas a força mais dinâmica no nosso mundo moderno é abundante e, como diria o hippy gênio Stewart Brand, “uma vez colocado, quer ser livre”.

Ele destaca que há, a par do mundo de informação e vigilância criado por corporações e governos, uma dinâmica diferente crescendo em torno da informação monopolizada: a informação como um bem social, livre no ponto de uso, incapaz de ser propriedade ou explorados por preços. Eu pesquisei as tentativas feitas por economistas e gurus de negócios para construir uma estrutura para compreender a dinâmica de uma economia baseada na abundante, informações socialmente realizada. Mas na verdade foi imaginado por um economista do século 19 na era do telégrafo e do motor a vapor. O nome dele? Karl Marx.

A cena é Kentish Town, Londres, em fevereiro de 1858, por volta de 4h. Marx é um homem procurado na Alemanha e tem um trabalho duro de rabiscar o pensamento-experiências e notas. Quando eles finalmente começaram a ver o que Marx estava escrevendo naquela noite, os intelectuais de esquerda da década de 1960 admitiram que “desafiaram cada interpretação séria de Marx ainda na concepção”. As anotações são chamadas de “O Fragmento sobre Máquinas”.

No “Fragmento” Marx imagina uma economia em que o principal papel das máquinas é produzir, e o principal papel das pessoas é supervisioná-las. Para ele ficou claro que, em tal economia, a principal força produtiva seria a da informação. O poder produtivo de tais máquinas como a automatizada máquina de algodão-spinning, o telégrafo e a locomotiva a vapor não dependem da quantidade de trabalho que levou para produzi-los, mas sobre o estado do conhecimento social. Organização e conhecimento, em outras palavras, deram a maior contribuição para o poder produtivo do que o trabalho de fazer e operar as máquinas.

Dado que o marxismo era tornar-se – uma teoria da exploração baseada no roubo do tempo de trabalho – esta é uma afirmação revolucionária. Ele sugere que, uma vez que o conhecimento se torna uma força produtiva em seu próprio direito, superando o trabalho real gasto na criação de uma máquina, a grande questão não se torna a dos “salários contra lucros”, mas quem controla, o que Marx chamou de “poder do conhecimento”.

Para Mason, em uma economia em que as máquinas fazem a maioria do trabalho, a natureza do conhecimento trancado dentro das máquinas deve, escreve ele, ser “social”. Em um experimento de pensamento no fim da tarde, Marx imaginou o ponto final dessa trajetória: a criação de uma “máquina ideal”, que dura para sempre e não custa nada. Uma máquina que poderia ser construída por nada seria, segundo ele, não acrescenta valor em tudo para o processo de produção e rapidamente, ao longo de vários períodos contabilísticos, reduzir os custos de preços, lucros e trabalhistas de tudo o que tocava.

Depois de entender que a informação é física, e que o software é uma máquina, e que o armazenamento, largura de banda e poder de processamento estão em colapso no preço a taxas exponenciais, o valor do pensamento de Marx se torna claro. Estamos rodeados por máquinas que custam nada e poderia, se eles quisessem, durar para sempre.

O economista ressalta que nessas reflexões, não publicadas até meados do século 20, Marx imaginou informações chegadas ao ser armazenadas e compartilhadas em algo chamado um “intelecto geral” – que era a mente de todo mundo na Terra conectados por conhecimento social, na qual todos os benefícios de upgrade seriam de todos . Em suma, ele tinha imaginado algo próximo a economia da informação em que vivemos. E, escreveu ele, sua existência iria “explodir o alto capitalismo”.

Com o terreno alterado, o caminho antigo para além do capitalismo imaginado pela esquerda do século 20 é perdido.

De acordo com ele, um caminho diferente abriu. Produção colaborativa, utilizando tecnologia de rede para produzir bens e serviços que só funcionam quando são livres, ou compartilhados, define a rota para além do sistema de mercado. Ele vai precisar do estado para criar o quadro – da mesma forma que criou o enquadramento para o trabalho nas fábricas, as moedas de som e de livre comércio no início do século 19. O setor pós-capitalista é provável que coexista com o sector de mercado por décadas, mas a grande mudança está acontecendo.

As redes restauraram a “granularidade” ao projeto pós-capitalista. Ou seja, eles podem ser a base de um sistema de não-mercado que se replica, que não precisa ser criado de novo todas as manhãs na tela do computador de um comissário.

A transição vai envolver o Estado, o mercado e a produção colaborativa para além do mercado. Mas para que isso aconteça, todo o projeto de esquerda, de grupos de protesto para os partidos social-democratas e liberais do grosso da população, terá de ser reconfigurado. Na verdade, uma vez que as pessoas entendam a lógica da transição pós-capitalista, tais ideias não serão mais a propriedade de esquerda – mas de um movimento muito mais amplo, para o qual vamos precisar de novos rótulos.

Quem pode fazer isso acontecer? No antigo projeto de esquerda foi a classe trabalhadora industrial. Mais de 200 anos atrás, o jornalista radical John Thelwall advertiu os homens que construíram as fábricas inglesas que eles haviam criado uma forma nova e perigosa de democracia: “Cada grande oficina e oficina é uma espécie de sociedade política, que nenhum ato do parlamento pode silenciar, e não dispersa o magistrado”

Mason concluiu que hoje toda a sociedade é uma fábrica. Todos nós participamos na criação e recriação das marcas, normas e instituições que nos cercam. Ao mesmo tempo, as redes de comunicação vitais para o trabalho todos os dias e lucro estão zumbindo com conhecimento compartilhado e descontentamento. Hoje é a rede – como a oficina de 200 anos atrás – que “não pode silenciar ou dispersar”.

É verdade que os estados podem encerrar Facebook, Twitter, até mesmo toda a internet e rede móvel em tempos de crise, paralisando a economia no processo. E eles podem armazenar e monitorar cada kilobyte de informações que produzimos. Mas eles não podem impor novamente o hierárquico, orientando a propaganda e a sociedade ignorante de 50 anos, exceto – como na China, a Coreia do Norte ou o Irã – por estar fora de partes fundamentais da vida moderna. Seria, como sociólogo Manuel Castells coloca, como a tentativa de-eletrificar um país.

Com a criação de milhões de pessoas em rede, financeiramente exploradas, mas com toda a inteligência humana a um polegar-furto de distância, o info-capitalismo criou um novo agente de mudança na história: o ser humano educado e conectado.

Este será mais do que apenas uma transição econômica. Há, é claro, as tarefas paralelas e urgentes de descarbonizar o mundo e lidar com timebombs demográficas e fiscais. Mas eu estou concentrando-me na transição econômica desencadeada por informações, porque, até agora, tem sido marginalizada. Peer-to-peer tornou-se rotulado como um nicho obsessão por visionários, enquanto os “big boys” da economia de esquerda continuam criticando a austeridade.

Na verdade, no terreno em lugares como a Grécia, a resistência à austeridade e à criação de “redes que você não pode optar em” – como um ativista colocou para mim – andam de mãos dadas. Acima de tudo, o pós-capitalismo como um conceito está sobre as novas formas de comportamento humano que a economia convencional dificilmente reconhece como relevante.

O escritor indaga como podemos visualizar a transição à frente? O único paralelo coerente que temos é a substituição do feudalismo pelo capitalismo – e graças ao trabalho de epidemiologistas, geneticistas e analistas de dados, sabemos muito mais sobre essa transição do que fizemos há 50 anos, quando foi “propriedade” das  ciências sociais. A primeira coisa que temos de reconhecer é: diferentes modos de produção são estruturados em torno de coisas diferentes. O feudalismo era um sistema econômico estruturado por costumes e leis sobre a “obrigação”. O capitalismo foi estruturado por algo puramente econômica: o mercado. Podemos prever, a partir desta, que o pós-capitalismo – cuja pré-condição é abundância – não será simplesmente uma forma modificada de uma sociedade de mercado complexo. Mas só podemos começar a compreender em uma visão positiva que vai ser assim.

Mason diz não quer dizer que isso é uma maneira de evitar a pergunta: nos parâmetros econômicos gerais de uma sociedade pós, por exemplo, o ano de 2075, pode ser delineado? Mas se tal sociedade está estruturada em torno da libertação humana, não da economia, coisas imprevisíveis vão começar a moldá-la.

Por exemplo, a coisa mais óbvia a Shakespeare, escrita em 1600, foi que o mercado tinha convocado novos tipos de comportamento e moralidade. Por analogia, a mais óbvia coisa “econômica” para o Shakespeare de 2075 será a reviravolta total na relações de gênero, ou sexualidade, ou de saúde. Talvez não vá mesmo ser qualquer dramaturgo: talvez a própria natureza dos meios de comunicação que usamos para contar histórias vai mudar – da mesma forma que mudou em Londres elisabetana, quando os primeiros teatros públicos foram construídos.

Pense na diferença entre, digamos, Horatio em Hamlet e um personagem, como Daniel Doyce em Little Dorrit, de Dickens. Ambos carregam consigo uma obsessão característica de sua idade – Horatio está obcecado com a filosofia humanista; Doyce está obcecado com a patente de sua invenção. Não pode haver personagem como Doyce em Shakespeare; ele poderia, na melhor das hipóteses, obter um pequeno papel como uma figura cômica da classe trabalhadora. No entanto, no momento em que Dickens descreveu Doyce, a maioria de seus leitores conheciam alguém como ele. Assim como Shakespeare não poderia ter imaginado Doyce, por isso, também não pode imaginar o tipo de sociedade de seres humanos que irá produzir, uma vez que, a economia não é mais central para a vida. Mas podemos ver as suas formas pré-figurativas na vida dos jovens de todo o mundo, quebrando barreiras do século 20 em torno da sexualidade, trabalho, criatividade e auto.

O economista explica que o modelo feudal da agricultura colidia, em primeiro lugar, com os limites ambientais e, em seguida, com um choque externo maciço – a Peste Negra. Depois disso, houve um choque demográfico: muito poucos trabalhadores para a terra, que elevou seus salários e fez o antigo sistema feudal obrigação impossível de aplicar. A escassez de trabalho forçado também é inovação tecnológica. As novas tecnologias que sustentaram a ascensão do capitalismo mercantil foram os que estimularam o comércio (de impressão e contabilidade), a criação de riqueza comerciáveis (mineração, a bússola e navios rápidos) e produtividade (matemática e o método científico).

Presente durante todo o processo era algo que parece incidental ao antigo sistema – dinheiro e de crédito – mas que foi realmente destinado a se tornar a base do novo sistema. No feudalismo, muitas leis e costumes foram realmente moldadas em torno, ignorando dinheiro; crédito foi, em alta feudalismo, visto como pecaminoso. Então, quando o dinheiro e o crédito estourarem através das fronteiras para criar um sistema de mercado, ele é sentida como uma revolução. Então, o que deu ao novo sistema sua energia foi a descoberta de uma fonte quase ilimitada de riqueza livre nas Américas.

A combinação de todos esses fatores levou um conjunto de pessoas que tinham sido marginalizados sob o feudalismo – humanistas, cientistas, artesãos, advogados, pregadores radicais e dramaturgos boêmios, como Shakespeare – e colocá-los na cabeça de uma transformação social. Em momentos-chave, embora timidamente no início, o estado parou de impedir a mudança para promovê-lo.

Hoje, a coisa que está corroendo o capitalismo, mal racionalizada pela economia principal, é a informação. A maioria das leis relativas à informação define o direito das empresas de armazená-la e ao direito dos Estados de acessá-la, independentemente de os direitos humanos dos cidadãos. O equivalente da imprensa e do método científico é a tecnologia da informação e suas repercussões negativas sobre todas as outras tecnologias, da genética aos cuidados de saúde à agricultura ao cinema, onde ele está reduzindo rapidamente os custos.

Segundo Mason, o equivalente moderno da longa estagnação do fim do feudalismo é a paralisação da terceira revolução industrial, onde em vez de rapidamente automatizar trabalho fora da existência, estamos reduzidos a criar o que chama David Graeber “de empregos de merda” com salários baixos. E muitas economias estão estagnadas.

Qual é o equivalente da nova fonte de riqueza livre? Não é exatamente a riqueza: são as “externalidades” – o material livre e bem-estar gerado pela interação em rede. É o aumento da produção de mercado, de informações, de redes de pares e as empresas não gerenciadas. Sobre a internet, o economista francês Yann Moulier-Boutang diz, é “tanto no navio e no mar” quando se trata de o equivalente moderno da descoberta do novo mundo. Na verdade, ele é o navio, a bússola, o oceano e o ouro.

Os choques externos dos dias modernos são claros: esgotamento da energia, alterações climáticas, o envelhecimento da população e migração. Eles estão alterando a dinâmica do capitalismo e tornando-o inviável no longo prazo. Eles ainda não tiveram o mesmo impacto que a Peste Negra – mas, como vimos em Nova Orleans em 2005, ele não leva a peste bubônica para destruir a ordem social e infraestrutura funcional em uma sociedade complexa e financeiramente empobrecida.

Depois de entender a transição, desta forma, a necessidade não é para um supercomputed Plano Quinquenal – mas um projeto, cujo objetivo deverá ser o de expandir essas tecnologias, modelos de negócio e comportamentos que se dissolvem as forças do mercado, socializam o conhecimento, erradicam a necessidade para o trabalho e empurram a economia para a abundância. Eu chamo-lhe Project Zero – porque os seus objetivos são um sistema de energia carbono-zero; a produção de máquinas, produtos e serviços com zero custos marginais; e a redução do tempo de trabalho necessário o mais próximo possível de zero.

Para ele, a maioria dos esquerdistas do século 20 acreditava que eles não têm o luxo de uma transição gestão: era um artigo de fé para eles que nada do sistema vindo poderia existir dentro do velho – embora a classe trabalhadora sempre tentasse criar uma vida alternativa dentro e “apesar de” o capitalismo. Como resultado, uma vez que a possibilidade de uma transição de estilo soviético desapareceu, a esquerda moderna ficou preocupada simplesmente com coisas opostas: a privatização dos cuidados de saúde, as leis anti-sindicais, fracking – a lista é longa.

Se eu estiver certo, o foco lógico para suportes de pós-capitalismo é construir alternativas dentro do sistema; usar o poder governamental de uma forma radical e perturbadora; e dirigir todas as ações para a transição – não a defesa de elementos aleatórios do sistema antigo. Nós temos que aprender o que é urgente e o que é importante, e que às vezes eles não coincidem.

O poder da imaginação se tornará crítica. Em uma sociedade de informação, nenhum pensamento, debate ou sonho é desperdiçado – seja concebido em um acampamento, prisão ou o espaço de tabela de futebol de uma empresa startup.

Como com a fabricação virtual, na transição para o pós-capitalismo o trabalho realizado na fase de projeto pode reduzir erros na fase de implementação. E o design do mundo pós-capitalista como com o software, pode ser modular. Diferentes pessoas podem trabalhar com ele em lugares diferentes, em diferentes velocidades, com relativa autonomia do outro. Se eu pudesse convocar uma coisa à existência de graça seria uma instituição global que modelou o capitalismo corretamente: um modelo de código aberto de toda a economia; oficial, cinza e preto. Cada experimento executado através poderia enriquecê-lo; seria open source e com tantos pontos de dados como os modelos climáticos mais complexos.

Ele destaca que a principal contradição hoje é entre a possibilidade de liberdade, bens abundantes e informações; e um sistema de monopólios, bancos e governos tentando manter as coisas privadas, escassas e comerciais. Tudo se resume à luta entre a rede e a hierarquia: entre as velhas formas de sociedade moldadas em torno de capitalismo e novas formas de sociedade que prefiguram o que vem a seguir.

É utópico acreditar que estamos à beira de uma evolução para além do capitalismo? Vivemos em um mundo em que homens e mulheres homossexuais podem se casar, e em que a contracepção, no espaço de 50 anos, fez a média das mulheres da classe trabalhadora mais livre do que a libertina mais louca da era Bloomsbury. Por que, então, é tão difícil imaginar encontrar a liberdade econômica?

São as elites – tomadas do seu mundo escuro – cujo projeto parece tão desesperado quanto o das seitas milenaristas do século 19. A democracia de esquadrões de choque, políticos corruptos, jornais controlados pelo magnata e o estado de vigilância parece tão falso e frágil como a Alemanha Oriental há 30 anos.

Todas as leituras de história humana têm que permitir a possibilidade de um resultado negativo. Ele nos persegue no filme de zumbi, o filme-catástrofe, no deserto pós-apocalíptico de filmes como The Road ou Elysium. Mas por que não deveríamos formar uma imagem da vida ideal, construída a partir de informação abundante, o trabalho não-hierárquico e da dissociação do trabalho de salários?

Mason diz que milhões de pessoas estão começando a perceber que foi vendido um sonho em desacordo com o que a realidade pode entregar. A resposta deles é a raiva – e retiro para formas nacionais do capitalismo que só pode destruir o mundo à parte. Observando estes surgem a partir do pró-Grexit esquerda facções no Syriza para o Front National e o isolacionismo do direito americano tem sido como assistir os pesadelos que tivemos durante a crise do Lehman Brothers se tornar realidade.

Precisamos mais do que apenas um monte de sonhos utópicos e projetos horizontais de pequena escala. Precisamos de um projeto baseado na razão, provas e projetos testáveis, que corta com o grão de história e é sustentável pelo planeta. E precisamos começar com ele.

*Postcapitalism, Paul Mason  foi publicado pela editora Allen Lane, em 30 de julho. Veja o artigo aqui

Anúncios

Uma consideração sobre “‘The Guardian’: O fim do capitalismo já começou”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s