Ministério Público pede anulação das 798 demissões na GM de São José dos Campos

A empresa anunciou as demissões por telegrama, contrariando a jurisprudência que a obriga a negociar com o sindicato antes de realizar cortes em massa.

Brasil de Fato | Victor Tineo, de São Paulo (SP)

Trabalhadores foram avisados das demissões por cartas

O Ministério Público do Trabalho pediu a anulação das 798 demissões realizadas pela General Motors, durante audiência de reconciliação, na segunda-feira (17). A GM recusou o pedido do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos de cancelar as demissões e nova audiência foi marcara para a próxima sexta-feira (21).

Contrariando a jurisprudência que obriga a empresa a negociar com o sindicato da categoria antes de realizar demissões em massa, a empresa enviou por telegrama todas as 798 demissões, sem qualquer acordo ou contato com o sindicato. Para tentar reconciliação com grevistas, a montadora ofereceu um salário-base para os trabalhadores demitidos, mas o sindicato recusou a proposta.

A greve dos metalúrgicos da GM chega a 8 dias e não tem previsão de acabar. O secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos aponta que a entidade não vai recuar “As empresas lucraram milhões durante esses últimos 12 anos, com incentivos fiscais do governo, mas agora que a crise aperta tentam jogar nas costas dos trabalhadores, agora a gente tem que ir pra cima”.

“A audiência de hoje foi um passo positivo em nossa luta para que as demissões sejam anuladas”, afirma o presidente do Sindicato, Antônio Ferreira de Barros, o Macapá.

Audiência pública

A demissão em massa realizada pela GM será tema de audiência pública, na Assembleia Legislativa de São Paulo, nesta quarta-feia (19), às 19h.

Para o debate foram convidados representantes da General Motors, da Prefeitura de São José dos Campos e da Comissão de Atividades Econômicas da Assembleia Legislativa. A audiência será no Plenário Teotônio Vilela.

O sindicato aponta que manterá a mesma postura durante a audiência. “O sindicato vai manter a posição em favor dos trabalhadores e contra as demissões”, afirma Renato.

Questionado sobre a situação da crise, Renato acredita que uma medida provisória para proteger o trabalhador é necessária. “O governo federal tem que propor uma medida provisória que garanta a estabilidade dos trabalhadores, para que eles não saiam prejudicados”

Outros casos

Na cidade de Taubaté (SP), operários da Volkswagen estão em greve pela demissão de 50 funcionários nesta segunda-feira (17). A empresa se defende afirmando que, com o atual cenário do mercado, a fábrica precisou de novas medidas para continuar competitiva.

De acordo com o sindicato, a montadora alega que há excesso de trabalhadores na planta, queda na produção e que a fábrica quer fazer um reajuste salarial, prejudicial aos trabalhadores.

A greve não tem previsão para o fim e só acabará, segundo o sindicato, com a reversão de todas as demissões que ocorreram na segunda-feira (17).

No mesmo dia, a fabricante chinesa Chery anunciou férias coletivas para funcionários da fábrica de Jacareí (SP). O sindicato indica que 300 pessoas são atingidas pela decisão, segundo informações do portal G1.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s