MPF coletou dados de Cunha e ex-deputada, informa Câmara

Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil

A diretoria do Centro de Informática (Cemin) da Câmara dos Deputados informou, em nota, que o Ministério Público Federal (MPF), em diligência, teve acesso a dados de parlamentares e servidores, mas foram coletadas informações apenas do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e da ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ). Em maio, o MPF fez uma diligência com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a nota, assinada pelo diretor Guilherme Brügger D’Amato, “durante a diligência do Ministério Público Federal, autorizada pela Supremo Tribunal Federal, foram restaurados e disponibilizados, a partir de cópia de segurança, dados de login (data, hora e máquina) de todos os usuários – deputados, servidores, secretários parlamentares, CNEs, terceirizados e estagiários – na rede de computadores da Câmara dos Deputados. Em seguida, foi realizada uma pesquisa em todos esses dados, para extrair somente os registros dos deputados Eduardo Cunha e Solange Almeida”.

Conforme o diretor, a diligência foi conduzida pelo MPF e feita por servidores da Casa, em equipamentos da Câmara, e seguiu os “estritos limites da ordem judicial”. “O resultado do processamento, que continha apenas os dados solicitados, foi gravado em mídia (CD), observando o devido sigilo. Foram feitas três cópias da mídia, tendo duas sido entregues à equipe de diligência e outra anexada ao processo administrativo instaurado na Câmara”, disse o diretor.

O documento do Cemin é uma resposta ao pedido de informação feito por Cunha, que afirmou que os 513 deputados tiveram os dados vasculhados pelo MPF.

“O documento [nota do centro] fala por si só”, afirmou o peemedebista ao chegar à Câmara na manhã de hoje. “Eu não disse que entregaram os dados. Disse que tiveram acesso a todos. Eu não posso saber o que levaram, porque não posso participar desse processo de busca que houv em relação a mim. Eu não poderia ter a informação sobre o que levaram. A observação que fiz foi que eles tiveram acesso a tudo”, disse Cunha.

No último dia 13, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que a diligência foi legale serviu para a coleta de provas sobre a autoria de dois requerimentos apresentados em 2011 pela ex-deputada Solange Almeida à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Casa. A procuradoria investiga se foi Cunha quem pediu a ex-deputada a apresentação dos requerimentos, cujo objetivo seria retaliar empresas investigadas na Operação Lava Jato que teriam interrompido o pagamento de propina em contratos da Petrobras, direcionados a Cunha.

Edição: Carolina Pimentel
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s