Primavera grega foi esmagada ‘não por tanques, mas pelos bancos’, diz Varoufakis

Conservadores gregos do Nova Democracia não conseguiram formar governo; será a vez da dissidência do Syriza tentar obter maioria

24/08/2015

Do Opera Mundi

Ex-ministro de Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis | Foto: Reprodução

O ex-ministro de Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis afirmou, neste domingo (23), que a “primavera” grega, representada pela chegada do partido de esquerda Syriza ao poder no começo do ano, foi “esmagada” “não por tanques, mas pelos bancos” e questionou: “para que enviar tropas se podem enviar a troika [Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI] cada mês?”.

As declarações foram feitas durante discurso na Festa da Rosa de Fragny, organizada pela ala à esquerda do PS (Partido Socialista Francês), da qual participa para apresentar sua proposta para a criação de “uma rede europeia de progressistas” que, segundo ele, pretende democratizar a União Europeia.

E considerou que o novo resgate, acordado no último 13 de julho, “foi uma enorme bofetada na democracia europeia. A história julgará com muito rigor o que ocorreu neste dia e em particular a nossos líderes que persistem com essa farsa”.

Varoufakis disse também que o ministro alemão de Finanças, Wolfgang Schäuble, insistia que eleições não podem obrigar a uma mudança de política. “Se as eleições não podem mudar nada, teria que ter escrito isso nos tratados da União Europeia”, ironizou ao acrescentar que propusera a inclusão de uma cláusula dizendo que “a democracia é suspensa”.

Para ele, é preciso “relançar o diálogo e restabelecer o que se perdeu completamente, a democracia”.

Com relação a uma possível participação nas eleições que serão realizadas provavelmente dentro de um mês no país, ressaltou que não será candidato pelo Syriza que “está adotando a doutrina irracional”.

Eleições

A respeito das eleições, que terão que ser convocadas após a renúncia do premiê Alexis Tsipras, os conservadores gregos Nova Democracia esgotaram, neste domingo, o mandato para formar um governo.

O mandato será entregue agora pelo presidente grego, Prokopis Pavlopoulos, ao novo ator no cenário político grego e terceira força do país, ao Unidade Popular, o partido nascido da divisão do Syriza e liderado pelo ex-ministro da Energia Panayotis Lafazanis.

Para conseguir formar um Executivo são necessários, pelo menos, 120 deputados, algo que só pode ser conseguido com o apoio do Syriza.

Segundo os jornais gregos, a eleição deve ocorrer em 20 de setembro, mas data ainda terá que ser confirmada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s