Metalúrgicos da Mercedes-Benz encerram greve após montadora suspender demissões

Marli Moreira – Repórter da Agência Brasil

Uma semana depois de iniciar greve por tempo indeterminado, os metalúrgicos da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, decidiram interromper a paralisação após acordo que suspendeu o corte de 1,5 mil trabalhadores. As dispensas começariam já a partir de amanhã (1º).

Na negociação, foi oficializada a adesão dos empregados ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Este foi o primeiro acordo do gênero em uma montadora. Os cerca de dez mil trabalhadores da unidade terão redução de 20% na jornada de trabalho, também a partir de amanhã (1º) e até 31 de maio do próximo ano, além de deminuição de 10% nos salários.Em contrapartida, haverá complementação dos valores com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Ainda como parte das regras do PPE, os trabalhadores terão estabilidade no emprego por um ano.

“Foi uma negociação dura que chegou a um resultado final positivo depois do esforço conjunto dos trabalhadores, do Sindicato e também da empresa. Revertemos as demissões com o PPE, que é o programa certo para dar conta da situação de crise atual”, afirmou, por meio de nota, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques.

Em nota, a Mercede-Benz informou que o acordo é uma solução “ para gerenciar a elevada ociosidade na fábrica, enquanto não há crescimento econômico”. O comunicado destacou ter ocorrido consenso para que, no próximo ano, haja reposição salarial com base em apenas 50% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO da empresa na América Latina, Philipp Schiemer, o acordo “representa um fôlego para a empresa e para os colaboradores, diante de uma forte crise econômica no país”. O executivo afirmou que o país precisa criar medidas para resgatar a confiança dos investidores, de modo a retomar o crescimento econômico.

De acordo com a nota, antes de decidir pelas demissões, a empresa recorreu a todas as alternativas possíveis, entre elas banco de horas, semanas curtas, férias, folgas coletivas, licenças remuneradas e várias oportunidades de desligamento voluntário – PDV e layoffs(suspensão do contrato de trabalho) de julho de 2014 a setembro de 2015.

Edição: Armando Cardoso
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s