Estudantes acusados de iniciar protestos em Hong Kong se declaram inocentes

Da Agência Lusa
epa04437797 Hong Kong police officers stand guard as pro-democracy protesters take a rest during the mass civil disobedience campaign Occupy Central, in Mong Kok, Hong Kong, China, 09 October 2014. Hong Kong's Chie
Protestantes pró-democracia ocuparam por mais de dois meses as ruas de Mong Kok, em Hong Kong, na ChinaMast Irham/Agência Lusa

Três líderes estudantis declararam-se hoje não culpados das acusações sobre o protesto de 26 de setembro do ano passado, em Hong Kong, que marcou o início da ocupação das ruas da cidade durante mais de dois meses.

As acusações são sobre a ações do dia 26 de setembro de 2014, quando alguns manifestantes concentrados junto à sede do Governo de Hong Kong, saltaram as grades metálicas e entraram na denominada Praça Cívica.

O líder do movimento estudantil Scholarim, Joshua Wong, de 18 anos, foi acusado na semana passada, em conjunto com Nathan Law, 22 anos, e Alex Chow, 25 anos, da Federação de Estudantes, em uma decisão que ativistas descrevem como “perseguição política”.

Sobre os três líderes recaem acusações de reunião ilegal e incitação para participar em reunião ilegal. O caso foi adiado para 30 de outubro.

Os três líderes estudantis já tinham sido acusados de obstrução à polícia em um protesto anterior, em junho do ano passado, cujo julgamento foi adiado para 26 de outubro.

Os estudantes estavam entre as dezenas de pessoas que, em junho do ano passado, se concentraram do lado de fora do Gabinete de Ligação do Governo Central Chinês em Hong Kong para se oporem a um Livro Branco, no qual a China reafirmou o seu controle sobre a região especial chinesa. Uma cópia do documento foi queimada nesse protesto.

A proposta que esteve na origem do movimento Occupy Central dava, pela primeira vez, oportunidade a todos residentes de Hong Kong de votarem em 2017 nas eleições para o chefe do Executivo, mas sob a condição de que todos os candidatos – dois ou três no máximo – fossem pré-selecionados por um comitê em conjunto com Pequim.

O plano de reforma política proposto pelo governo de Hong Kong e apoiado pelas autoridades de Pequim foi derrotado pelo Conselho Legislativo da região em junho deste ano.

Edição: Graça Adjuto
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s