As origens da polícia (parte 2)

Passa Palavra

Categoria: Destaques

A rua é o campo de provas para boa parte da política dos trabalhadores, e a classe dominante sabe disso muito bem. Por isso eles colocam a polícia na rua como um contrapeso quando a classe trabalhadora mostra sua força. Por David Whitehouse

A primeira parte do artigo pode ser lida aqui.

Vou começar com o tema geral da luta de classes em torno da utilização do espaço público. É uma questão muito relevante para os trabalhadores e os pobres. Os espaços abertos são importantes para os trabalhadores:

– para trabalhar
– para diversão e entretenimento
– para viver, se você não tem uma casa
… e para a política

Theft-199x300Em primeiro lugar, o trabalho. Enquanto prósperos comerciantes podem controlar espaços fechados, aqueles sem meios são vendedores ambulantes. Os comerciantes assentados os viam como concorrentes e chamavam a polícia para expulsá-los.

Os vendedores de rua também são ótimos fornecedores de mercadorias roubadas, pela sua mobilidade e anonimato. Não foram apenas os batedores de carteira e ladrões que fizeram uso dos vendedores de rua desta maneira. Os servos e os escravos da classe média também roubaram seus mestres e passaram os bens para os vendedores locais. (Aliás, em Nova York havia escravidão até 1827). O roubo da riqueza das confortáveis casas da cidade é outra razão pela qual a burguesia exigia a ação contra vendedores ambulantes.

A rua também era o lugar onde os trabalhadores passavam seu tempo livre, porque suas casas não eram confortáveis. Era o lugar onde se desenvolvia a amizade e se podia encontrar diversão gratuita e, dependendo da época e do lugar, podia fazer contato com a dissidência política ou religiosa. O historiador marxista E. P. Thompson resumiu tudo isso quando escreveu que a polícia do século XIX era:

“[…] Imparcial, tentando retirar das ruas com equanimidade a traficantes de rua, mendigos, prostitutas, artistas de rua, piquetes, crianças que jogavam futebol e oradores socialistas. O pretexto foi muitas vezes uma denúncia de interrupção do comércio recebida de um comerciante”.

Em ambos os lados do Atlântico, a maioria das detenções estava relacionada a delitos sem vítimas, ou crimes contra a ordem pública. Outro historiador marxista, Sidney Harring destaca: “A definição criminológica de ‘delitos de ordem pública’ é perigosamente próxima da descrição dada pelo historiador das ‘atividades da classe trabalhadora em seu tempo livre’.”

A vida ao ar livre era (e é) especialmente importante para a política da classe trabalhadora. Os políticos do sistema e os empresários podem se reunir em locais e tomar decisões que têm grandes consequências porque estão no comando de burocracias e forças de trabalho. Mas quando os trabalhadores se reúnem e tomam decisões sobre como mudar as coisas, normalmente não tem muito impacto a menos que possam reunir seguidores na rua, seja para uma greve ou uma manifestação. A rua é o campo de provas para boa parte da política dos trabalhadores, e a classe dominante sabe disso muito bem. Por isso eles colocam a polícia na rua como um contrapeso quando a classe trabalhadora mostra sua força.

Podemos ver agora a relação entre as duas principais formas de atividade policial, as patrulhas de rotina e o controle de multidões. A patrulha de rua acostuma a polícia a usar a violência e a ameaça de violência. Isto os prepara para a repressão em grande escala, que é necessária quando os trabalhadores e os oprimidos se levantam em grupos maiores. Não é apenas uma questão de pegar prática com armas e táticas. O trabalho da patrulha de rua é crucial para criar um estado de espírito na polícia que a faça assimilar que sua violência é para um bem maior.

O trabalho de rua também permite aos oficiais descobrir quais policiais ficam mais confortáveis em causar danos, atribuindo a estes as linhas de frente quando há enfrentamentos. Ao mesmo tempo, o “bom policial” com o qual nos cruzamos desempenha um papel fundamental de “relações públicas” para encobrir o trabalho brutal que tem de ser feito pelos “maus policiais”. O trabalho de rua também é útil em períodos de agitação política, porque a polícia já esteve nos bairros tentando identificar os líderes e os radicais.

*

Vamos voltar agora na narrativa histórica para falar de Nova York.

Começarei com um par de perguntas sobre as tradições das massas antes da revolução. Durante o período colonial, podiam ocorrer, por vezes, tumultos, mas muitas vezes se formalizavam de modo que a elite colonial poderia aprovar ou pelo menos tolerar. Havia algumas festas que caíam na categoria de “distúrbios”, onde as relações sociais se invertiam e os estratos baixos podiam fazer como se estivessem acima. Para as classes subordinadas era uma maneira de liberar a pressão, satirizando seus amos, mas ao mesmo tempo reconhecendo o direito da elite de comandar em todos os outros dias do ano. Esta tradição de desordem simbólica era especialmente perceptível em torno do Natal e nas vésperas do Ano Novo. Mesmo os escravos eram autorizados a participar.

Havia também a comemoração do Dia do Papa, durante o qual os membros da maioria protestante desfilavam com efígies, incluindo uma de Papa, queimando todas elas ao final. Era uma pequena provocação sectária, sempre em um bom ambiente, aprovada pelos patrícios da cidade. O Dia do Papa nunca acabou em violência contra os católicos, porque eram apenas algumas centenas em Nova York, e não havia nenhuma igreja católica antes da revolução.

1024px-1769_PopesDay_Boston

Essas tradições eram muito barulhentos e até mesmo tumultuosas, mas tendiam a reforçar a ligação entre as classes mais baixas e a elite, e não a quebrar esse vínculo.

Esses estratos baixos também estão ligados à elite pela supervisão pessoal constante. Isso afetava aos escravos e aos servos domésticos, é claro, mas os aprendizes e artesãos assalariados também moravam na própria casa do mestre. Por conseguinte, os grupos de subordinados não andavam pela rua a qualquer hora. Na verdade, houve por um tempo um decreto colonial que dizia que os trabalhadores só podiam estar nas ruas para ir e voltar do trabalho.

Esta situação colocava os marinheiros e diaristas como elementos mais conflitivos, sem vigilância. Mas os marinheiros passavam a maior parte do tempo perto do porto e os diaristas, ou seja, os trabalhadores assalariados, ainda não constituíam um grupo muito numeroso.

Nestas circunstâncias, em que a maioria das pessoas já estava vigiada durante o dia, não era necessária uma força policial regular. Houve uma vigilância noturna, a fim de combater o vandalismo, prendendo qualquer pessoa negra que não pudesse provar que não era um escravo. Esta vigilância não era profissional. Todos tinham o seu trabalho durante o dia, girando neste trabalho temporariamente, por isso não patrulhavam de forma regular, e todo mundo odiava essa tarefa. Os ricos pagavam substitutos e se livravam da tarefa.

Durante o dia exerciam um pequeno número de policiais, mas não patrulhavam. Eram oficiais de justiça que executavam ordens judiciais, tais como intimações e notificações de detenção. Eles não exerciam trabalho de detetive. No XVIII e no século XIX o sistema foi baseado em informantes civis para os quais se prometia uma parte da multa que o infrator tivesse que pagar.

*

464462043O período revolucionário mudou muitas coisas com respeito ao papel das massas e a relação entre as classes. Na década de 1760, juntamente com a agitação contra a Lei do Selo, a elite de comerciantes e proprietários apoiou novas formas de mobilização popular. Ocorreram novas manifestações e motins poderosos que usaram as tradições, de forma evidente no uso de efígies. Em vez de queimar o Papa, se queimava o governador ou o Rei George.

Não tenho tempo para entrar em detalhes sobre o que eles fizeram, mas é importante ressaltar a composição classista dessas massas. Podiam estar presentes membros da elite, mas seu corpo principal era composto por trabalhadores qualificados, conhecidos coletivamente como mecânicos. O que significa que um mestre poderia estar na manifestação juntamente com seus assalariados e aprendizes. As pessoas de maior nível social tendiam a contemplar o mestre artesão como o tenente capaz de mobilizar o resto dos mecânicos.

À medida que o conflito com a Inglaterra se intensificava, os mecânicos se radicalizavam e se organizavam de forma independente da elite colonial. Houve atrito entre a mecânica e a elite, mas nunca se chegou a uma ruptura completa.

E, naturalmente, quando os britânicos foram derrotados e as elites estabeleceram seu próprio governo, já havia ocorrido muitas agitações de rua. Continuaram se dando rebeliões e distúrbios nos recém-independentes Estados Unidos, mas foram tomando novas formas, em parte porque o desenvolvimento econômico estava quebrando a própria unidade dos mecânicos.

*

Voltaremos agora àqueles desenvolvimentos que se seguiram à revolução, alterações que produziram uma nova classe trabalhadora, saída de um amontoado de elementos sociais conflitantes.

Começaremos com os trabalhadores qualificados. Mesmo antes da revolução, a divisão entre mestres e assalariados tinham se agudizado. Para entender isso, temos de olhar mais de perto a persistente influência do sistema de guildas (corporações); formalmente as corporações não existiam nos Estados Unidos, mas algumas das suas tradições seguiam vivas entre esses trabalhadores.

slide0030_image078As velhas guildas eram essencialmente cartéis, sindicatos de trabalhadores que tinham o monopólio em um ofício particular que lhes permitia dirigir o mercado. Eles podiam estabelecer preços obrigatórios para os seus bens e até mesmo decidir com antecedência o tamanho do mercado.

O mercado dirigido permitia certa estabilidade de relações entre os trabalhadores do mesmo ramo. Um mestre adquiria um aprendiz como um servente a prazo fixo, em troca da promessa a seus pais de ensinar-lhe um ofício e proporcionar-lhe alojamento e alimentação por sete anos. Os aprendizes se graduavam para ser oficiais assalariados, mas muitas vezes continuavam a trabalhar para o mesmo mestre, uma vez que não houvesse espaço para que eles pudessem se tornar mestres. Os assalariados recebiam seus salários correspondentes com contratos de longo prazo. Isto significava que recebiam o pagamento apesar das variações sazonais na carga de trabalho. Mesmo sem a estrutura formal das corporações, muitas de suas relações habituais seguiam funcionando ainda no período pré-revolucionário.

Entre 1750 e 1850, no entanto, esta estrutura corporativa nos ofícios entrou em colapso, devido ao fato de que a relação externa (o controle do mercado pelo artesão) também estava se quebrando. O comércio procedente de outras cidades ou de ultramar minava a capacidade do mestre de estabelecer preços, de tal modo que as oficinas tiveram que competir, de uma maneira que hoje nos é muito familiar.

A concorrência levou os mestres a se parecerem cada vez mais com os empresários, buscando inovações que economizassem trabalho e tratando a seus trabalhadores como assalariados à sua disposição. As empresas se tornaram maiores e mais impessoais, parecidas com as fábricas, com dezenas de funcionários.

Nas primeiras décadas do século XIX os trabalhadores não só estavam perdendo seus contratos de longo prazo, mas também seu alojamento nas instalações dos mestres. Os aprendizes tomaram isso como uma experiência libertadora, como jovens que escapavam da autoridade de seus pais e de seus mestres. Livres para ir e vir como quisessem, podiam se encontrar com mulheres jovens e criar a sua própria vida social com seus pares. As mulheres trabalhadoras estavam empregadas principalmente no serviço doméstico de vários tipos, a menos que fossem prostitutas.

A vida ao ar livre se transformava, à medida que estes jovens se misturavam com outras camadas da população, incluindo a classe operária crescente.

Esta mistura não era sempre pacífica. Imigração católica irlandesa começou a se expandir depois de 1800. Até 1829, havia cerca de 25.000 católicos na cidade, um em cada oito pessoas. Os irlandeses estavam segregados por bairros, muitas vezes vivendo junto dos negros, que eram agora 5% da população. Em 1799 os protestantes queimaram uma imagem de St. Patrick, e os irlandeses responderam. Estas batalhas se repetiram nos anos seguintes, e estava claro para os irlandeses que os guardas e vigias eram contra eles.

Assim, antes mesmo da existência de forças policiais modernas, os legisladores estavam levando a cabo uma discriminação racial. As elites cidadãs notaram a falta de respeito dos irlandeses para com os guardas, a sua franca combatividade, e responderam aumentando o número de guardas e orientando melhor suas patrulhas. Isto foi acompanhado por um aumento da atenção da polícia para com os africanos, que viviam nas mesmas zonas e muitas vezes tiveram a mesma atitude em face das autoridades.

DNew_York_Draft_Riots_-_Harpers_-_beating

Mas na base das divisões raciais e sectárias estava a concorrência econômica, já que os trabalhadores irlandeses eram geralmente menos qualificados e ganhavam salários mais baixos do que os trabalhadores técnicos. Ao mesmo tempo, os mestres estavam tentando des-qualificar os trabalhos nas oficinas. Desse modo, os aprendizes anglo-americanos passaram a formar parte de um verdadeiro mercado de trabalho depois de perder seus contratos de longo prazo. Quando isso aconteceu, eles descobriram que estavam apenas uma etapa acima dos imigrantes irlandeses na escala salarial. Os trabalhadores negros, que estavam envolvidos no serviço doméstico ou trabalhavam como operários, por sua vez estavam um ou dois passos abaixo dos irlandeses.

Ao mesmo tempo, a velha fração não qualificada de assalariados, que trabalhava nas docas e na construção, crescia com o aumento do comércio e da construção após a Revolução.

Em resumo, a população foi aumentando rapidamente. Nova Iorque tinha 60.000 habitantes em 1800, em 1820 havia dobrado de tamanho. Em 1830, New York tinha mais de 200.000 habitantes, e 312.000 em 1840.

Este é um texto editado de uma palestra dada pelo autor em Chicago no final de Junho de 2012, para a Conferência anual Socialista. Publicado em http://libcom.org/history/origins-police-david-whitehouse. Tradução de Pablo Polese.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s