Arquivo da categoria: Feminismo

Europa dá passo importante no combate à violência contra mulheres

A cada dia, no continente europeu, 12 mulheres morrem, vítimas de violência e maus tratos.

A cada dia, no continente europeu, 12 mulheres morrem, vítimas de violência e maus tratos.

Facebook

Na Europa, a cada dia, mulheres são vítimas de inúmeras formas de violência. Elas são assediadas, estupradas, mutiladas, esterilizadas, forçadas pelas famílias a se casar com quem não querem, além de serem vítimas de abusos físicos e psicológicos. Para limitar essas violações hediondas, entra em vigor nesta sexta-feira (1°), a Convenção do Conselho da Europa para Prevenção e o Combate à Violência contra as Mulheres.

Por Leticia Fonseca, correspondente da RFI Brasil em Bruxelas
 

Infelizmente, a violência contra as mulheres, incluindo as meninas, constitui uma das violações dos direitos humanos mais praticadas no mundo. Parece que não bastou a revolução feminina ter marcado o século passado. A violência contra as mulheres continua, e com índices alarmantes. Apesar da entrada da mulher no mercado de trabalho, da descoberta dos métodos contraceptivos, enfim, de todas as lutas emancipatórias, a falta de igualdade entre homens e mulheres, por incrível que pareça, ainda é bastante presente na Europa.

Segundo estatísticas do Conselho da Europa, no ano passado, 121 mulheres foram assassinadas por seus companheiros na França, 134 na Itália, 143 na Grã-Bretanha, e pelo menos 214 na Turquia. O que os países signatários dessa Convenção se comprometeram foi passar a considerar como delitos ou crimes esses atos de violência e processar os acusados criminalmente. Esses governos também deram garantias de criar estruturas que acolham e forneçam ajuda material e psicológica às mulheres maltratadas. Um grupo independente de especialistas será criado para acompanhar de que maneira os países estão cumprindo essas normas.

Países que assinaram a Convenção

É bom lembrar que o Conselho da Europa é uma organização internacional, sediada em Estrasburgo, na França, que defende os direitos humanos e a democracia no continente. Ele foi criado logo após a Segunda Guerra Mundial e hoje é constituído por 47 países, 28 dos quais fazem parte da União Europeia.

Essa nova Convenção de Combate à Violência contra as Mulheres já foi ratificada por 14 países, outros 22 assinaram e estão a caminho da ratificação. Esses governos terão que modificar as legislações nacionais com as alterações necessárias para que estes crimes sejam julgados. Onze países ainda não se posicionaram sobre a questão.

Silêncio fatal

Segundo as Nações Unidas, uma em cada três mulheres no mundo são ou serão vítimas de violência. E muitas dessas vítimas têm medo ou sentem vergonha de buscar ajuda. Os dados do Conselho da Europa demonstram que, a cada dia, doze mulheres morrem de maus tratos e violência no continente europeu.

A principal causa das mortes é a violência doméstica, que inclui agressão física, abuso sexual, violação, além das ameaças. O pior nessa guerra dos sexos é o pacto de silêncio entre agressor e agredida. Nos episódios mais trágicos, essas vítimas silenciosas pagam com suas próprias vidas.

A violência doméstica representa 28% dos homicídios voluntários na Europa. Segundo a Convenção que entra em vigor a partir desta sexta-feira, religião, tradições ou conceitos como a honra não podem servir como desculpa para nenhum tipo de violência.

Homens também são vítimas

Mas a violência contra as mulheres não é apenas a doméstica, cometida por seus parceiros. A entrada em vigor dessa Convenção deve ajudar a diminuir os casamentos forçados, as mutilações genitais femininas, o aborto e as esterilizações, também presentes nos países europeus. O assédio moral e/ou sexual e a violência psicológica no trabalho, por exemplo, poderão ser denunciados como crimes à polícia. E isso pode ajudar a deter esse tipo de comportamento.

É importante salientar que essa Convenção não se aplica apenas às mulheres. Ela é válida também para os homens, vítimas de assédios, uniões ou esterilizações forçadas, entre outros casos. Pela primeira vez na história da Europa, a questão da violência contra mulheres deixa de ser considerada como uma questão privada. A partir desta nova Convenção, os Estados terão obrigação de prevenir a violência, proteger as vítimas , assim como julgar os agressores.

Anúncios

Beyoncé é a celebridade mais poderosa do mundo

 
A cantora pop Beyoncé conquistou a primeira posição no ranking da Forbes

 A cantora pop Beyoncé conquistou a primeira posição no ranking da Forbes

Beyoncé foi eleita a celebridade mais poderosa do mundo em 2014 pela revista norte-americana “Forbes”, que divulgou seu ranking no começo da semana. A lista conta ainda como famosos como Oprah Winfrey, Rihanna e Gisele Bündchen, a única brasileira na lista.
Beyoncé conquistou a posição por conta de sua turnê “The Mrs Carter Tour” e por seus acordos comerciais, de acordo com a publicação. “O maior ano da carreira de Queen B veio como cortesia de uma turnê enorme. A cantora superstar fez 95 show, com uma média de US$ 2, 4 milhões por cidade, de acordo com o Pollstar. Ela ainda lançou seu álbum mais inovador. Entitulado simplesmente Beyoncé”, o disco fez sucesso no iTunes com quase nenhuma publicidade. E o single ‘Drunk In Love’ vendeu mais de um milhão de cópias”, relatava o texto.
A “Forbes” ainda citou os outros empreendimentos da artista, como a grife House of Dereon, e estimou que os ganhos dela no último ano foram de US$ 115 milhões.Neste ano, Beyoncé já havia sido apontada como uma das personalidades mais influentes do mundo pela “Time”. Marido da artista, e seu parceiro na recém-lançada turnê “On The Run”, Jay-Z também aparece na lista, em sexto lugar, com rendimentos de US$ 60 milhões no último ano.
Em segundo lugar no ranking, logo atrás de Beyoncé, está o astro do basquete LeBron James, citado por conta de seus acordos milionários com marcas como Nike, McDonald’s, Coca-Cola e Upper Deck. O produtor e rapper Dr. Dre ficou em terceiro lugar, com ganhos de US$ 620 milhões no último anos. Em quarto e quinto lugares, estão as poderosas apresentadoras Oprah Winfrey e Ellen DeGeneres.
Fechando os dez mais poderosos, estão o lutador Floyd Mayweather Jr, em sétimo, as cantoras Rihanna e Katy Perry, em oitavo e nono, e o ator Robert Downey Jr, em décimo.
A modelo Gisele Bündchen é a única brasileira na lista da “Forbes”. Segundo a publicação, ela recebeu US$ 47 milhões no último ano, sendo pelo oitavo ano seguido a modelo mais bem paga do mundo, e não sai de casa por menos que US$ 128 mil por dia.
Outros sul-americanos presentes no ranking são o jogador de futebol argentino Lionel Messi e a atriz colombiana Sofia Vergara. Os dois aparecem antes de Gisele, no 45º e no 54º lugar, respectivamente.