Arquivo da tag: arena da amazônia

Vasco e Oeste estão no primeiro jogo da Arena da Amazônia depois da Copa

Diretor-técnico da Fundação Vila Olímpica confirma partida para 16 de setembro, com 40 mil ingressos

Portal Amazonia

MANAUS – A Arena da Amazônia não pertence a nenhum clube, mas pode-se dizer que uma equipe já é da casa. E não é um time amazonense. Após disputar uma partida e tentar a realização de outras duas no estádio de Manaus que recebeu a Copa, o Vasco já acertou outro compromisso para a capital amazonense. O time carioca enfrenta o Oeste no dia 16 de setembro, pela Série B do Campeonato Brasileiro de Futebol, na Arena da Amazônia. O jogo foi confirmada à reportagem do Portal Amazônia pelo diretor-técnico da Fundação Vila Olímpica (FVO) – órgão responsável pela administração do estádio -, Ariovaldo Malizia.

Vasco vai jogar a primeira partida da Arena da Amazônia pós-Copa do Mundo

“Já está fechado. A Federação Amazonense [de Futebol] entrou com um ofício na semana passada solicitando a data e nós acordamos. Além desse jogo nós também já fechamos outros eventos musicais e também religiosos”, destacou. Segundo Malizia, o duelo entre Vasco e Oeste terá capacidade máxima de público: 40 mil pessoas.

Entretanto, o discurso do dirigente da Vila Olímpica vai contra o diretor de competições da Federação Amazonense de Futebol (FAF), Ivan Guimarães, que não confirmou a realização do duelo. “Isso ainda está sendo verificado. Falta bastante tempo para isso. Nós fizemos a solicitação da data, mas a garantia do evento ainda não tem. As pessoas que querem promover o jogo pediram a data e estamos aguardando eles [Fundação Vila Olímpica] confirmarem para então iniciar a negociação com os clubes”.

Notificado da ressalva do representante da FAF, Malizia fez questão de ratificar a confirmação de Oeste e Vasco na Arena da Amazônia. “O processo já está na minha mão. Amanhã ele já vai ser encaminhado para o setor encarregado de encaminhar o ofício para a federação. Mas o jogo já está confirmado. Tem todas as nossas garantias”.

Vasco na Arena da Amazônia

O Vasco disputou um dos seis eventos-testes da Arena da Amazônia antes da Copa do Mundo. No dia 3 de abril, os cariocas empataram sem gols com o Resende. A partida reuniu mais de 40 mil torcedores – público superior a três dos quatro jogos da Copa em Manaus. À época, o duelo gerou polêmica devido à renda da partida. A maioria da torcida na Arena da Amazônia foi vascaína, mas pelo regulamento, o dinheiro ficou com o time mandante – no caso, o Resende.

A situação deve se repetir. Isto porque o Oeste é o mandante da partida. A tendência é que o clube paulista ‘venda’ o mando de campo para a empresa responsável por trazer o jogo para Manaus e receba um valor fixo da renda. No site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) o duelo entre Oeste e Vasco ainda está marcado para o Estádio Municipal dos Amaros, em Itápolis (SP).

Antes de acertar o jogo contra o Oeste em Manaus, o Vasco tentou a realização de outros dois jogos na Arena da Amazônia. O primeiro foi ainda antes da Copa, contra o Sampaio Corrêa, no dia 20 de maio. Com o veto do estádio amazonense, a partida aconteceu em Teresina, no Piauí. A outra partida em questão foi contra o Santa Cruz, no dia 15 de julho. Entretanto, a Arena novamente foi vetada depois da retirada das estruturas provisórias para a Copa do Mundo. O jogo foi transferido para a Arena Pantanal, em Cuiabá, e vencido pelo time carioca por 4 a 1.

Ivete Sangalo

O primeiro evento na Arena da Amazônia pós-Copa do Mundo será o show da cantora baiana Ivete Sangalo, no dia 22 de agosto. Entre os outros eventos solicitados para acontecerem na Arena da Amazônia estão o show da banda Jota Quest, no dia 4 de setembro; o festival ‘Louvarei 2014′, com data prevista para 12 de setembro; Samba Manaus, previsto para 10 e 11 de outubro; e o show de uma das maiores bandas de rock internacional, Guns n’ Roses, com data solicitada para 5 de novembro.

 

Estudo vai definir futuro da Arena da Amazônia

Expectativa é solucionar impasse e viabilizar projetos para estádio que recebeu quatro jogos da Copa

Logo

MANAUS – O destino da Arena da Amazônia – Vivaldo Lima será definido no mês de agosto. Segundo a Unidade Gestora do Projeto Copa (UGP Copa) há um estudo sendo elaborado pela empresa Ernest Young que definirá o melhor modelo de cessão onerosa do estádio. O estudo custou cerca de R$ 1 milhão aos cofres públicos do Amazonas.

Enquanto o estudo não sai, especulações surgem em torno da utilização do complexo multiuso. Dentre elas, está a realização de jogos do campeonato nacional, shows musicais nacionais e internacionais, também eventos culturais e ecumênicos são cogitados. A expectativa é que o estádio continue dando lucros tanto para o governo do Estado quanto para os clubes e incentivando o futebol amazonense.

Arena da Amazônia em dia de jogo na Copa do Mundo. Foto: Izabel Santos/Portal Amazônia

Arena da Amazônia voltou a ser gerida pela Fundação Vila Olímpica (FVO) logo após o término da primeira fase da Copa da Fifa. De acordo com o coordenador da UGP Copa, Evandro Melo, a Arena da Amazônia é um espaço multiuso e não será usado apenas para o futebol, mas também para eventos não esportivos como shows, convenções e concertos. “Os primeiros jogos na Arena da Amazônia renderam um faturamento excelente aos clubes locais e levaram muitos torcedores ao estádio”, disse.

Museu do Esporte

Em dois meses, Arena da Amazônia rendeu mais de R$ 700 mil ao governo do Amazonas e R$ 1,2 milhão a clubes locais. A sugestão do presidente do Conselho Regional de Administração do Amazonas (CRA-AM), José Carlos de Sá Colares, é transformar a Arena da Amazônia em um complexo cultural, aos moldes dos Povos da Amazônia e dos estádios do Real Madri e Barcelona, com um Museu do Esporte (a história do esporte), lojas de artesanato, praça de alimentação, visitas monitoradas e um centro de capacitação com aulas de informática e idiomas. “É importante destacar que o complexo seria uma parceria com empresas privadas (lojas e restaurantes) que pagariam pelo espaço ocupado. Assim como seria pago o ingresso para a visitação do complexo”, destacou.

Outra sugestão do administrador é investir na locação da Arena para grandes eventos como shows nacionais e internacionais. Mesmo sem o modelo de gestão definido, a UGP-Copa enxerga muito potencial na Arena da Amazônia e está otimista. Segundo a assessoria de imprensa da entidade, a Arena da Amazônia é um espaço multiuso e não será usada apenas para o futebol, mas também para eventos como shows, feiras e concertos.

Porém, para o diretor técnico da Federação Amazonense de Futebol (FAF), Ivan Guimarães, a realidade do futebol amazonense não condiz com um estádio como o construído para a Copa. “O Estado conta apenas com um time, o Princesa do Solimões, competindo no Campeonato Brasileiro deste ano, na série D”, observou.

Inauguração da Colina

Após a reforma que deixou o Estádio ismael Benigno no ‘padrão FiFA’, o governo do Amazonas, através da Secretaria de Estado da Juventude Esporte e Lazer (Sejel-AM), confirmou a inauguração do estádio da Colina com o clássico ‘galo preto’, partida entre São Raimundo e Sul-América, na próxima quinta-feira (3), a partir das 19h. Na ocasião, o coordenador estadual da Unidade Gestora do Projeto Copa (UGP Copa), Evandro Melo, estará presente. O ingresso para a partida que marca como o primeiro jogo no estádio será 1 kg de alimento não perecível.

Clássico ‘galo preto’ entre São Raimundo e Sul América marca a inauguração do Estádio da Colina – ismael Benigno. O Estádio Carlos Zamith, que fica no bairro Coroado, zona Leste da cidade, foi entregue em maio pelo governador do Amazonas, José Melo.

Construído para ser um dos Campos Oficiais de Treinamento (COT) para as seleções que disputam a Copa do Mundo 2014 em Manaus, o estádio tem capacidade para 5 mil pessoas. A obra custou cerca de R$ 15 milhões e, segundo o governador, ficará como um dos legados da Copa para o futebol local. “Essa, sim, é uma herança importante da Copa, olhando a nossa juventude. Aqui pode ser a usina formadora daquilo que sonhamos para o futebol amazonense. Aqui, vamos poder treinar os jovens talentos que vão formar os times principais”, observou Melo.

O governador, ressaltou que o estádio do Coroado junto com o Estádio da Colina, do bairro de São Raimundo, zona Oeste da cidade, que também foi reconstruído pelo governo do Amazonas para servir de COT, serão utilizados para as partidas de futebol do Campeonato Amazonense. “Serão utilizados para as partidas de público pequeno, que não poderão ser disputada na Arena da Amazônia, onde os custos operacionais são mais altos”, ponderou.

Legado da Copa 

O presidente do Nacional Futebol Clube, Mário Cortez, time que mais jogou até agora na Arena da Amazônia está muito otimista com o resultado dos jogos. “Nosso faturamento até agora superou os R$ 800 mil e isto é maravilhoso, corresponde a 5% de toda nossa arrecadação do ano passado inteiro”, afirmou Cortez.

Os eventos na Arena Vivaldo Lima movimentaram R$ 5,5 milhões e renderam ao Estado, por meio da FVO, cerca de R$ 740 mil. Juntos, os times Nacional, Princesa do Solimões e Fast Club faturaram R$ 1,2 milhão. Ainda segundo o gestor da UGP Copa, já há agenda de shows pós-Copa e dos R$ 740 mil, da renda do jogo inaugural da Arena da Amazônia, mais de R$ 248 mil foram repassados para instituições de caridade por meio do Fundo de Promoção Social (FPS).

 

Copa do Mundo: ribeirinhos do Amazonas relatam dificuldades e amor para assistir jogos

Comunidades às margens do rio Negro torcem pelo Brasil, mas ribeirinhos idolatram estrangeiros

Portal Amazônia

MANAUS – Manaus recebeu quatro jogos durante a Copa do Mundo de Futebol. Entretanto, na região do Baixo Rio Negro, o futebol é parte integrante da vida dos ribeirinhos e a confiança no hexacampeonato mundial do Brasil é grande. Percebe-se ainda que o fenômeno da ‘globalização do futebol’ também invadiu as comunidades. Neste sábado (28), o Brasil entra em campo contra o Chile e os torcedores da comunidade estarão reunidos. Conheça a vida desses ribeirinhos:

Futebol mobiliza centenas de pessoas nas comunidades ribeirinhas, principalmente nos campeonatos locais. Foto: Acervo/FAS

Globalização do futebol

Na comunidade Tumbira, localizada à margem direita do Rio Negro, um jovem caminha com a camisa 7 da seleção de Portugal – número do craque Cristiano Ronaldo. Este é apenas um dos indícios de que o fenômeno da ‘globalização do futebol’ também atingiu as comunidades ribeirinhas do Amazonas. Ao serem perguntados sobre seus ídolos do futebol, a maioria dos jovens cita jogadores de outros países, especialmente o argentino Messi e o próprio Cristiano Ronaldo. Nem mesmo o badalado Neymar supera os dois craques estrangeiros em popularidade na região.

O menino que vestia a camisa de ‘CR7′ é Giovanni Garrido, de 16 anos. Apesar da idolatria pelo craque português, o jovem garante que sua torcida estará com a seleção brasileira. “Aqui a maioria das pessoas assistem juntas, eu gosto de chamar a galera pra assistir os jogos aqui em casa. Lembro muito de 2002 quando o Brasil foi campeão, na época do Ronaldo”, recordou.

Português Cristiano Ronaldo é ídolo entre os jovens ribeirinhos. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

Sem nunca ter ido a um estádio de futebol na vida, Giovanni define como um ‘sonho’ a possibilidade de assistir a um jogo na Arena da Amazônia. “Ainda não assisti nenhum jogo no estádio, mas tenho vontade. Conheço a Arena por fotos. Seria uma emoção muito grande ir lá. Principalmente pra quem está acostumado só em assistir pela TV, então seria muito emocionante”.

Paixão pelo futebol

Vitor Garrido, também de 16 anos, concilia a paixão pelo futebol com o seu trabalho de marceneiro. Fanático pelo esporte bretão, o ribeirinho disputa torneios de futebol organizados pelas próprias comunidades e que são muito populares no Baixo Rio Negro. O jovem relembra a última Copa do Mundo, na qual o Brasil foi eliminado para a Holanda nas quartas de final. “A Copa de 2010 foi muito triste, mas eu tenho certeza que dessa vez o Brasil vai ganhar”.

Vitor Garrido trabalha como marceneiro e nutre paixão pelo futebol. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

Vitor também afirma que a comunidade se mobiliza para acompanhar a seleção brasileira. “Quando o Brasil ganha, é festa que não tem hora pra acabar. O pessoal solta foguetes, é uma grande festa”, contou.

Ainda na comunidade Tumbira, Roberto Mendonça é dono do principal ‘ponto de encontro’ dos torcedores da região em jogos de futebol, a Pousada Garrido. “Como futebol é uma paixão do brasileiro, todo mundo aqui se concentra numa sala grande, escolhe a maior televisão que tem na comunidade e a gente acompanha”. Perguntado se a maior televisão da comunidade seria a sua, Roberto não titubeou. “Com certeza. Colocolo em frente a pousada para a galera vibrar”, brincou.

Passado e presente

Na comunidade Santa Helena do Inglês, também à margem direita do rio Negro, Pedro Vidal faz parte do passado e do presente da torcida pela seleção brasileira. Ao mesmo tempo em que varre um pátio aparentemente abandonado sem tirar o sorriso do rosto, o ribeirinho exibe com orgulho a camisa do Brasil que veste. “A gente está no País da Copa e por isso eu vesti essa camisa, porque eu amo”.

Pedro Vidal exibe camisa da seleção brasileira. Seu time do coração é o Santa Helena, clube da comunidade. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

Um dos fundadores de sua comunidade e apaixonado por futebol desde os 13 anos, Pedro acompanhava os jogos da seleção na infância pelo ‘radinho’ de pilha. “Só em 82 que a gente conseguiu comprar uma TV preta e branca”, relembrou. O que era um privilégio de poucos àquela época, hoje é uma realidade. Toda a comunidade atualmente é abastecida pelo programa ‘Luz para Todos’, do Governo Federal, que leva energia elétrica para a população do meio rural – desta forma, hoje em dia todos os moradores assistem aos jogos pela televisão.

Fã de Pelé, Garrincha e Romário, Pedro confia que a Copa de 2014 será de Neymar. “Na seleção atual a gente tá com uma boa esperança que essa é a vez do Neymar. Ele é um cara novo, e quando a pessoa tem vocação para o futebol, ela vai evoluindo a cada ano e mudando o seu estilo de jogo para melhor”.

Um dos times de futebol ribeirinhos do Baixo Rio Negro. Foto: Acervo/FAS

Ao contrário dos outros moradores de Santa Helena do Inglês, Pedro já teve oportunidade de assistir a um jogo da seleção brasileira in loco, ainda no antigo estádio Vivaldo Lima. “Quando eu era jovem eu sempre assistia jogos em Manaus. Cheguei a ver a seleção brasileira jogando lá, se eu não me engano em 1970. Foi na época do Tostão, ele até fez um gol contra a seleção amazonense”. Ele também nutre o sonho de conhecer a nova Arena da Amazônia. “Eu fui no Vivaldo Lima assistir vários jogos. Agora na Arena [da Amazônia] eu ainda não fui, mas tenho certeza que ainda vou. Tá muito bonita, nota dez”.

Assim como no Tumbira, a comunidade do Santa Helena do Inglês também ganhou um ‘ponto de encontro’ para torcer pelo Brasil na Copa: a Pousada Vista Rio Negro, inaugurada em maio. “Como a gente vai ter agora a pousada, geralmente em dia de jogo da Copa a gente se reúne e assiste, fica tomando uma cervejinha, assistindo pela TV”, conta o dono do estabelecimento e líder da comunidade, Nélson Mendonça.

Pousada do Garrido, na comunidade Tumbira, vai receber turistas franceses e alemães durante a Copa. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

 

Direto dos Estados Unidos, amazonense e estadunidense torcem pela seleção brasileira

Do estado de Utah (EUA), Caroline e marido acompanham os jogos da seleção. Casal se conheceu durante ‘missão’

Portal Amazônia

RIO BRANCO – Apesar de morarem nos Estados Unidos, no estado de Utah, o jovem casal Caroline e Colby Pearson torcem para a seleção brasileira durante a Copa do Mundo de 2014. Natural do Amazonas, Caroline conta que está orgulhosa ao ver Manaus ser uma das cidades sedes dos jogos do Mundial. “Fiquei empolgada com o primeiro jogo na Arena da Amazônia, gostei da receptividade que vi”, conta Pearson.

Manauara diz que irá acompanhar todos os jogos da seleção. Foto: Arquivo pessoal

De acordo com a jovem, o clima de Copa do Mundo no País em que reside está ameno e só as pessoas que conhecem a seleção brasileira estão realmente animados com o campeonato. “Aqui eles preferem o futebol americano”, explica.  Mas a jovem garante que a empolgação do marido é diferente. “O Colby está super empolgado com a Copa e os jogos. Está assistindo todos sempre que possível”, revela.

Caroline e Colby prontos para enviar boas energias para a seleção brasileira. Foto: Arquivo pessoal

Apostas

A torcedora diz carregar consigo o gosto pelo futebol e que não abre mão de torcer com a camisa da seleção. Sobre sua aposta, caso o Brasil não ganhe a taça do mundo, Caroline não pensa duas vezes, “minha aposta será a Argentina”, garante. Caroline ainda explica que alguns amigos se reúnem para ver o jogo, mas que é quase impossível encontrar com eles por conta do trabalho e da distância. “Conheço alguns amigos que estão se reunindo, mas nós dois trabalhamos e fica meio inviável  ir ao encontro deles”, esclarece.

Amazonas e Utah

Carol e Colby estão casados há 9 meses. O casal se conheceu em 2012 em uma das missões que a Igreja Mórmon, congregação que frequentam, realiza. Nesse encontro eles trocarem contato de e-mail e endereços (únicos meios de comunicação permitidos na missão). Após o término da viagem, que durou um ano, Carol voltou para o Amazonas e Colby para Utah. Depois de longas conversas, o sentimento brotou. “Nós começamos a conversar por skype todos os dias e mandar cartas um para o outro, até que ele decidiu ir para Manaus, por 20 dias, para me visitar. Depois noivamos”, relembra Carol. Após uma longa burocracia para conseguir o visto de noiva ser aprovado, Carol mudou-se para os Estados Unidos e em agosto de 2013 eles se casaram. O casal vive junto desde então.

Casal se conheceu em 'missão' e está junto há 9 meses. Foto: Arquivo pessoal

 

TAGS

RIO BRANCO – Apesar de morarem nos Estados Unidos, no estado de Utah, o jovem casal Caroline e Colby Pearson torcem para a seleção brasileira durante a Copa do Mundo de 2014. Natural do Amazonas, Caroline conta que está orgulhosa ao ver Manaus ser uma das cidades sedes dos jogos do Mundial. “Fiquei empolgada com o primeiro jogo na Arena da Amazônia, gostei da receptividade que vi”, conta Pearson.

Manauara diz que irá acompanhar todos os jogos da seleção. Foto: Arquivo pessoal

De acordo com a jovem, o clima de Copa do Mundo no País em que reside está ameno e só as pessoas que conhecem a seleção brasileira estão realmente animados com o campeonato. “Aqui eles preferem o futebol americano”, explica.  Mas a jovem garante que a empolgação do marido é diferente. “O Colby está super empolgado com a Copa e os jogos. Está assistindo todos sempre que possível”, revela.

Caroline e Colby prontos para enviar boas energias para a seleção brasileira. Foto: Arquivo pessoal

Apostas

A torcedora diz carregar consigo o gosto pelo futebol e que não abre mão de torcer com a camisa da seleção. Sobre sua aposta, caso o Brasil não ganhe a taça do mundo, Caroline não pensa duas vezes, “minha aposta será a Argentina”, garante. Caroline ainda explica que alguns amigos se reúnem para ver o jogo, mas que é quase impossível encontrar com eles por conta do trabalho e da distância. “Conheço alguns amigos que estão se reunindo, mas nós dois trabalhamos e fica meio inviável  ir ao encontro deles”, esclarece.

Amazonas e Utah

Carol e Colby estão casados há 9 meses. O casal se conheceu em 2012 em uma das missões que a Igreja Mórmon, congregação que frequentam, realiza. Nesse encontro eles trocarem contato de e-mail e endereços (únicos meios de comunicação permitidos na missão). Após o término da viagem, que durou um ano, Carol voltou para o Amazonas e Colby para Utah. Depois de longas conversas, o sentimento brotou. “Nós começamos a conversar por skype todos os dias e mandar cartas um para o outro, até que ele decidiu ir para Manaus, por 20 dias, para me visitar. Depois noivamos”, relembra Carol. Após uma longa burocracia para conseguir o visto de noiva ser aprovado, Carol mudou-se para os Estados Unidos e em agosto de 2013 eles se casaram. O casal vive junto desde então.

Casal se conheceu em 'missão' e está junto há 9 meses. Foto: Arquivo pessoal

 

Dobra número de ônibus especiais para transporte de torcedores à Arena da Amazônia

Transporte especial é somente para portadores de ingresso para jogos no estádio de Manaus na Copa

Portal Amazônia

Transporte especial é somente para portadores de ingressos para jogos na Arena da Amazônia. Foto: Marinho Ramos/Semcom-Manaus

MANAUS – Diante do aumento da demanda de passageiros das linhas especiais registrada em Manaus no último jogo da Copa do Mundo de Futebol, a Prefeitura vai acrescentar mais ônibus à frota destas linhas para o jogo entre Estados Unidos e Portugal, neste domingo (22). O reforço será maior nas rotas que saem do Teatro Amazonas, Centro e Avenida André Araújo (bairro Aleixo), que irão operar com o dobro da frota do último jogo. São as rotas que tiveram maior procura na partida entre Croácia e Camarões.

De acordo com levantamento parcial feito pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), houve um aumento de 15% na quantidade de passageiros transportados nas linhas especiais, do primeiro para o segundo jogo na Arena da Amazônia. A média no intervalo de saída dos ônibus ficou em 15 minutos.

As linhas começam a funcionar às 14h e param às 18h. A partir de 19h30 os ônibus ficarão posicionados nos locais onde ocorreu desembarque, nas proximidades da Arena, para aguardar os torcedores que irão retornar aos pontos iniciais após o jogo.

A tarifa é a mesma praticada nas linhas regulares (R$ 2,75), porém é obrigatório apresentar ingresso da partida do dia.

Acessibilidade
Dez micro-ônibus adaptados estarão disponíveis para levar torcedores com mobilidade reduzida até a Avenida Constantino Nery. O serviço é para idosos, obesos e pessoas com deficiência. É permitido um acompanhante para cada pessoa. Os micro-ônibus terão dois pontos de embarque, um na esquina das avenidas Djalma Batista e Pedro Teixeira e outro no estacionamento da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), na Avenida Mário Ypiranga Monteiro.

Aeroporto

Quem estiver no aeroporto terá duas opções de linhas de ônibus para chegar à Arena da Amazônia. A linha especial 332 e a linha normal 306. Ambas passarão pela Avenida Djalma Batista. A linha 306 seguirá ao Centro e a linha 332 retornará ao Aeroporto Internacional Eduardo Gomes a partir da Avenida Djalma Batista.

Táxi
Com interdição das vias do entorno do estádio de futebol de Manaus na Copa, foram determinados pontos de táxi em alguns pontos fora do perímetro de restrição. Os principais pontos estão nos seguintes locais:
Terminal Rodoviário Huascar Angelim – Avenida Mário Ypiranga Monteiro
Conjunto Eldorado;
Praça de Alimentação do Conjunto Dom Pedro;
Praça de Alimentação do Conjunto Kíssia.

Transporte especial para a Arena da Amazônia só funciona em dias de jogos. Foto: Marinho Ramos/Semcom-Manaus

Mudanças no retorno

Haverá mudanças no embarque para o ponto inicial do itinerário após o término da partida deste domingo. Até o segundo jogo, o desembarque e o embarque próximo a Arena era feito em um mesmo local. Agora as rotas 01-Povos da Amazônia/ Distrito/Arena, 02–Sefaz/ Aleixo/ Arena e 03–Eduardo Ribeiro/Arena ao chegarem ao estádio irão desembarcar na avenida Constantino Nery, mas no retorno o embarque será feito no sentido bairro/ Centro, da Djalma Batista, a partir do semáforo localizado em frente ao Conjunto Eldorado. A mudança é para agilizar a saída dos ônibus na hora da dispersão dos torcedores.

Confira quais são as linhas especiais que irão funcionar neste domingo:

Rota 1: Povos da Amazônia/ Distrito/ Arena
Embarque: Centro Cultural Povos da Amazônia (Bola da Suframa)
Desembarque: Avenida Constantino Nery (oposto ao Edifício Empire Center)
Embarque retorno: Avenida Djalma Batista (a partir do Conjunto Eldorado)

Rota 2: Sefaz/ Aleixo/ Arena
Embarque: Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) – Avenida André Araújo, Aleixo
Desembarque: Avenida Constantino Nery (oposto ao Edifício Empire Center)
Embarque retorno: Avenida Djalma Batista (a partir do Conjunto Eldorado)

Rota 3: Eduardo Ribeiro/ Arena
Embarque: Largo São Sebastião – Avenida Eduardo Ribeiro, Centro
Desembarque: Avenida Constantino Nery (oposto ao Edifício Empire Center)
Embarque retorno: Avenida Djalma Batista (a partir do Conjunto Eldorado)

Rota 4: Ponta Negra/ Arena
Embarque: Calçadão do Complexo Turístico Ponta Negra (oposto ao Condomínio Residencial Aruba) com parada no aeroporto
Desembarque: Avenida Djalma Batista (oposto a Universidade do Estado do Amazonas)
Embarque retorno: mesmo local do desembarque

Rota 7: T3/ Cidade Nova/ Arena
Embarque: Terminal de Integração Cidade Nova (T3) – Avenida Noel Nutels, Cidade Nova 1
Desembarque: Avenida Djalma Batista (oposto à Universidade do Estado do Amazonas – UEA)
Embarque retorno: mesmo local do desembarque

Rota 8: T5/ V8/ Arena
Embarque: Terminal de Integração São José (T5) – Avenida Autaz Mirim, São José
Desembarque: Avenida Darcy Vargas (oposto ao Amazonas Shopping Center)
Embarque retorno: mesmo local do desembarque

 

Esta quarta-feira tem a Espanha lutando pela reabilitação

A Tribuna on-line

Nesta quarta-feira teremos jogos que vão decidir a classificação para a outra fase da Copa. Você já se programou para essas partidas? Confira a agenda do dia e acompanhe o placar de A Tribuna On-line:
 

Austrália x Holanda – 13 horas- Beira-Rio (RS)

Espanha x Chile- 16 horas- Maracanã (RJ)

Camarões x Croácia- 19 horas- Arena da Amazônia (AM)

Público internacional marca estreia da Arena da Amazônia na Copa

Brasileiros, londrinos, italianos, colombianos, americanos e portugueses assistiram a disputa entre Itália e Inglaterra

Turistas ingleses na Arena da Amazônia

MANAUS – O jogo de estreia da Arena da Amazônia na Copa do Mundo levou pessoas de todas as nacionalidades para o estádio. Brasileiros, londrinos, italianos, colombianos, americanos e portugueses ocuparam as arquibancadas e assistiram a disputa entre Itália e Inglaterra.

Colombianos na Arena da Amazônia. Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

A amazonense, Fabiana Vidal, decidiu assistir ao jogo e homenageou o time inglês com um look vermelho. “É a história da nossa cidade, então poderei dizer que estive dentro da Arena na Copa. É uma emoção impar”, destacou.

Com as cores do Brasil e Itália no rosto, Viviane Fernandes, também chegou cedo para não pegar fila na arena. “Estou homenageando o meu país e a Itália, pois, quando o time brasileiro não joga, eu torço por eles”, contou.

O estudante de jornalismo Hector Muniz, optou em usar a camisa do Nacional Futebol Clube. Muniz achou que essa seria a melhor peça para entrar na Arena da Amazônia. “Somos da Amazônia é importante valorizara terra e os clubes daqui. É um momento histórico para o esporte amazonense, então vim nos representando”, afirmou.

ingleses na arena

O casal Douglas e Thaize Tooper, seguravam a bandeira da Inglaterra com os dizeres: ‘Obrigado Brasil’. Ela brasileira e ele londrino, o casal se apaixonou pelo Amazonas. “É a primeira vez que venho no Amazonas e adorei”, disse Thaize. Já Douglas falou as únicas palavras que sabia em português. “Cerveja estupidamente gelada e Obrigado”.

Animado, o italiano, Remo Laizo, nem se importou com a fila na entrada da Arena. Ele e os amigos cantavam sem parar o hino Italiano. “Manaus é um lugar incrível, as pessoas deveriam ter a chance de visitar a cidade e conhecer as maravilhas que ela oferece. Espero que a Itália tenha o prazer de ganhar o jogo e nos faça celebrar aqui”, revelou.

 

Público aprova estrutura da Arena da Amazônia no primeiro jogo da Copa

Partida terminou com a vitória da Itália sobre a Inglaterra; estádio deixou boa impressão aos turistas

Portal Amazônia

MANAUS – Amazonenses e turistas acompanharam, neste sábado (14), o primeiro jogo da Copa do Mundo na Arena da Amazônia. A partida terminou com a vitória da com dois da Itália sobre a Inglaterra. Na saída do estádio, alguns comemoraram e outros lamentaram, mas aprovaram a estrutura do local.

O amazonense Douglas Soares, elogiou a organização do evento. “Não houve briga, nem confusão. Chegamos aqui cedo e esperamos o início do jogo”, disse. Sobre o desempenho dos times, Soares acredita que faltou esforço. “O calor estava suportável, então eles poderiam se esforçar mais”, contou. Agora, o jovem espera os próximos jogos na Arena, onde já tem lugar reservado. “Assistirei aos próximos jogos no estádio. É uma oportunidade única”, revelou.

Torcedores italianos celebram vitória sobre Inglaterra. Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

Os italianos festejaram a vitória cantando o hino do País. “Adorei tudo”, revelou a italiana Camila Gimenez. Ela e os amigos aterrizaram em Manaus na manhã deste sábado (14) e pretendem explorar os pontos turísticos da cidade. “Agora queremos celebrar, vamos conhecer alguns lugares de Manaus, um lugar tão acolhedor”, disse.

Do outro lado, o londrino Barry Claths, seguia mais tranquilo. “Estou decepcionado com o desempenho da Inglaterra. O clima era o mesmo para as duas equipes, isso não é desculpa para a derrota”, falou. Claths ficará na capital até a próxima terça-feira (17) e pretende visitar aldeias indígenas da região.

Douglas Soares acompanhará mais três jogos na Arena da Amazônia. Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

O paraense Renato Gimaque deixou a rivalidade entre amazonenses e paraenses de lado e aprovou a Arena da Amazônia para os outros jogos da copa. “A estrutura está ótima e gostei do embate entre os times da Europa. Essa história que o calor afetou os jogadores é história de europeu. As dificuldades existem, mas o povo amazonense conseguirá mostrar o melhor lado da cidade”, comentou o jovem.

 

Primeiro jogo na Arena da Amazônia acontece neste sábado. Cerca de 1,2 mil policiais estarão no estádio

Portal da Amazônia

MANAUS – “Não há possibilidade para ataque terrorista“, afirmou o secretario de segurança pública do Amazonas (SSP-AM), coronel Paulo Roberto Vital durante coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira (13). O encontro serviu para mostrar a preparação dos órgãos de segurança para o primeiro jogo da Copa do Mundo em Manaus neste sábado (14), que terá o embate entre Inglaterra e Itália.

Segundo Vital, uma pesquisa realizada pela Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) revelou que a possibilidade de ação terrorista na capital do Amazonas é zero. “O Brasil não é alvo de terrorismo. Receberemos apenas seleções que representam os países vítima dessas tragédias, mas não existe risco”, enfatizou.

Arena da Amazônia recebe primeiro jogo da Copa do Mundo. Foto:  Chico Batata/Agecom

Vital também parabenizou o comportamento dos amazonenses durante o Fifa Fan Fest. “Recebemos elogios dos consulados da Inglaterra e Itália, pelo comportamento da população. Mostramos através da alegria, calor humano, solidariedade e hospitalidade uma visão totalmente diferente que eles imaginavam. E está na hora de colocar em ação todos os planejamentos feitos nesses quatro anos”, destacou.

A ação envolve o efetivo da Polícia Militar, Polícia Civil, Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) e Manaustrans. “O nosso plano dará certo, pois teremos a participação das três esferas do poder, sendo eles os órgãos federais, estaduais e municipais”, disse Vital.

Números

De acordo com o coronel da PM, Almir David, cinco mil homens estarão à disposição da corporação. Durante o jogo entre a Inglaterra e Itália, cerca de 1,2 mil policiais farão a segurança no entorno da Arena da Amazônia. “Para a segurança dentro do estádio a própria Fifa contratou os seguranças, mas teremos um efetivo lá também. Além de 60 viaturas nas ruas adjacentes para qualquer tipo de ocorrência”, revelou.

Representantes dos órgãos de segurança reunidos no Povos da Amazônia. Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

Segurança nos rios

A operação continuará na água com 12 lanchas do Batalhão Ambiental. Outros lugares que receberão atenção extra são os pontos turísticos de Manaus e o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Ao todo, 60 agentes da Polícia Turística do Amazonas atenderão exclusivamente aos estrangeiros.

O Corpo de Bombeiros contará com 250 oficiais especializados. A corporação terá viaturas de resgate e de combate a incêndio, ambulâncias, motocicletas, quadriciclos e lancha, jet ski e um helicóptero para transporte de vítimas.

A partir das 6h deste sábado (14), o Detran em parceria com o Manaustrans fecharão algumas ruas próximas da Arena da Amazônia. Os veículos que estiverem estacionados sem credenciamento serão retirados devido a ordem da Fifa. Ás 12h, todas as vias de acesso ao estádio serão fechadas para a entrada do público.

 

Itália e Inglaterra treinam na Arena da Amazônia para jogo em Manaus

Ingleses e italianos evitam polêmica com o estado do gramado da Arena. Jogo é neste sábado, às 18h

MANAUS – As seleções da Itália e da Inglaterra treinaram nesta sexta-feira (13) na Arena da Amazônia, em Manaus, para o duelo que acontece neste sábado (14) pela Copa do Mundo de FutebolA delegação italiana desembarcou em Manaus durante a tarde, enquanto osingleses encontram-se no Amazonas desde a última quinta-feira (12).

Steven Gerrard, capitão da Inglaterra, e Roy Hodgson, treinador da seleção inglesa

A imprensa pôde acompanhar apenas os 15 primeiros minutos dos dois treinamentos. Durante este período, ingleses e italianos treinaram apenas a parte física. Com relação a Inglaterra, apenas um jogador não participou da atividade: o meio-campista Alex Oxlade-Chamberlain, com uma lesão do joelho, está fora da estreia contra os italianos. O atacante Danny Welbeck, que também se recupera de uma lesão, participou normalmente da atividade e deve jogar.

Após o treinamento, o técnico Roy Hodgson e o capitão da seleção inglesa, Steven Gerrard, participaram de uma entrevista coletiva. Ambos evitaram entrar em polêmica com relação aogramado da Arena da Amazônia, que foi bastante criticado pela imprensa internacional por um possível mau estado. Gerrard também minimizou a preocupação com o calor em Manaus.

Seleção da Itália treina na Arena da Amazônia para jogo contra a Inglaterra

Pelo lado da Itália, o único desfalque é o lateral-direito De Sciglio. O jogador sofreu uma contratura muscular na coxa esquerda na última quinta-feira (11) e está vetado para o jogo contra os ingleses. Após o treinamento, o técnico Cesare Prandelli e o meio-campista Antonio Candreva concederam entrevista coletiva. O treinador italiano classificou o estado do gramado da Arena como “bom, não excepcional”. Itália e Inglaterra se enfrentam na Arena da Amazônia neste sábado (14), às 18h.

 

noticias gerais e, especificamente, do bairro do Brás, principalmente do comércio