Arquivo da tag: ARENA PANTANAL

Cuiabá registra 103 ocorrências durante a Copa do Mundo

Na Arena Pantanal, dentro e fora, foram 9 ocorrências. No Fan Fest 29 registros e na Rodoviária de Cuiabá 14

Portal Amazônia

Torcedores no Fifa Fan Fest de Cuiaba, Fifa Fan Fest de Cuiabá

CUIABÁ – As unidades da Polícia Judiciária Civil de atendimento ao turista, estrangeiro e nacional, localizadas no centro de Cuiabá, Arena Pantanal, Fan Fest e Rodoviária, registraram 103 ocorrências policiais, a maioria de menor potencial ofensivo no período de 12 a 25 de junho. Os dados são do Sistema de Registro de Ocorrências Policiais (SROP), extraídos pela Coordenadoria Geral de Estatísticas e Análise Criminal, da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp/MT).

Grande parte dos registros foi para furtos (33 boletins), extravio de documentos (29) e roubo (7). Ocorrências de uso de drogas, vias de fato, preservação de direito, moeda falsa, lesão corporal, dano e desacato também foram comunicadas.

A Delegacia do Turista, na Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha), foi a unidade que teve o maior número de registros, além de 154 atendimentos a turistas que procuraram a delegacia para informações e apoio no deslocamento na capital. Na Delegacia foram comunicados 51 ocorrências, sendo 21 furtos e 12 extravios de documentos e objetos.

Na Arena Pantanal, dentro e fora, foram 9 ocorrências. No Fan Fest 29 registros e na Rodoviária de Cuiabá 14.
Três turistas colombianos (duas mulheres e um homem) foram presos em flagrante pelo crime de furto. Uma das prisões ocorreu na manhã desta quinta-feira (26.06), no centro de Cuiabá. Um brasileira teve a bolsa furtada por um casal de turistas colombianos, mas somente a mulher infratora foi detida e levada ao plantão da Delegacia de Roubos e Furtos.

Também foram formalizados nove termos circunstanciados de ocorrências (TCO), para delitos com pena máxima de 2 anos de reclusão e/ou multa. O autores foram dois chilenos, um autuado por uso de drogas e outro por vias de fatos (briga); 1 TCO com representação mútua, de propaganda enganosa queixada por hóspedes venezuelanos contra o dono de um hotel em Cuiabá, que também alegou que os turistas saíram sem pagar a conta; outros 4 brasileiros, sendo dois por lesão corporal leve contra seguranças privados na Fan Fest, 1 por tumulto também no espaço de shows, e um por cambismo, no entorno da Arena Pantanal.

Um japonês respondeu TCO por desacato a um policial, durante jogo da seleção japonesa contra a Colômbia, no dia 24 de junho, e nas comemorações da vitória de 4 x 1 da seleção colombiana, um turista da Colômbia foi autuado por ato obsceno, desacato e resistência, na região de bares da Praça Popular.

Os turistas estrangeiros foram levados no mesmo dia ao Juizado Especial do Torcedor (JET) e lá definida a penalidade. Os brasileiros foram compromissados a comparecer em audiência no Juizado Especial Criminal de Cuiabá.

Para a Polícia Civil todos os delitos comunicados são considerados leves, típicos de ambientes com grandes aglomerações de pessoas e festejos. “São furtos de pequena monta comunicados em nossa Delegacia do Turista, que atuou não só nas atribuições de polícia judiciária, mas também exerceu papel social, virando referência para os turistas de diversas nacionalidades que estiveram aqui”, disse o delegado-geral Anderson Garcia, em coletiva na manhã desta quinta-feira (26), na Sesp/MT.

Copa em Cuiabá

A Copa em Cuiabá mobilizou 1.743 profissionais da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Corpo de Bombeiros, Politec, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Guarda Municipal, agentes da Secretaria Municipal de Transportes Urbanos (SMTU). Como força complementar e pontual também foram empregados 1.600 homens do Exército Brasileiro e 162 policiais militares da Força Nacional.

O secretário de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, avaliou positivamente o resultado do conjunto de ações integradas desenvolvidas pelos órgãos municipais, estaduais e federais nos dias de Copa em Cuiabá. “Estamos muito satisfeitos com o resultado até agora. Mas ainda temos trabalho até o final da Copa e vamos atuar em outras frentes, pois temos turistas aqui. Nosso balanço final é positivo pela missão que foi dada e cumprida”, destacou Bustamante.

 

Arena Pantanal recebe mais de 190 mil torcedores em dois meses

Estádio recebeu mais torcedores no jogo entre Bósnia e Nigéria, na Copa do Mundo, com 40.499 espectadores

Portal Amazônia

Bósnia enfrenta Nigéria na Arena Pantanal

CUIABÁ – A Arena Pantanal já recebeu mais de 190 mil espectadores, somando os jogos nacionais com os realizados pela Copa do Mundo.  E o estádio de Mato Grosso recebeu o maior público aconteceu durante a Copa do Mundo, na vitória da Nigéria por 1×0 sobre a seleção da Bósnia, com 40.499 espectadores presentes. Já na partida entre Cuiabá e Internacional-RS, pela segunda fase da Copa do Brasil, o estádio recebeu 21.385 torcedores. A informação é da Secretaria da Copa de Mato Grosso (Secopa-MT).

Com pouco mais de dois meses de atividade, a Arena já recebeu quatro jogos nacionais: Mixto x Santos e Cuiabá x Internacional-RS pela Copa do Brasil, Luverdense x Vasco pelo Campeonato Brasileiro Série B e Santos x Atlético-MG pela Série A. Além de mais três jogos internacionais pela Copa do Mundo: Chile x Austrália, Rússia x Coréia do Sul e Nigéria x Bósnia. Com todos esses jogos, a média de público do estádio chega a 27.630 torcedores por partida.

Campeonato Mato-grossense

Com uma média bem superior a todo o Campeonato Mato-grossense de 2014, a Arena surge como uma mola propulsora para os clubes de Mato Grosso.  O Luverdense, por exemplo, disputou em todo campeonato regional sete partidas como mandante e, somando todos esses jogos, o LEC conseguiu um público de 10.508. No entanto, em seu primeiro jogo como mandante na Arena Pantanal, o Verdão do Norte quase que dobrou este número, levando ao estádio 17.971 apaixonados por futebol.

Números completos:

Mixto 0×0 Santos – 17 mil
Luverdense 2×1 Vasco – 17.971
Cuiabá 1×1 Internacional-RS – 21.385
Santos 1×2 Atlético-MG – 18.683
Chile 3×1 Austrália – 40.275
Rússia 1×1 Coréia do Sul – 37.603
Nigéria 1×0 Bósnia – 40.499

Gols

A média de gols na Arena Pantanal também é muito boa. Com sete partidas disputadas no estádio, a média chega a 2,14 por partida, sendo que, ao todo, 15 gols foram marcados. Apenas na partida entre Mixto e Santos as redes não balançaram.

O responsável por estrear as redes do estádio foi o centroavante Reinaldo, do Luverdense. Com a experiência de ter jogado em clubes como Flamengo, São Paulo, Santos e Botafogo, coube ao atacante fazer o primeiro gol e marcar seu nome na história da Arena Pantanal.

 

Nigéria e Bósnia fazem duelo decisivo

Com um ponto, os nigerianos sonham com a segunda vaga do grupo, mas terão de superar a técnica e a velocidade da seleção da Bósnia

Diário de Cuiabá|Jonas Jozino

O torcedor que for a Arena Pantanal hoje, às 18h para ver Nigéria e Bósnia terá um bom atrativo: as duas equipes brigam pela segunda fase do grupo F, que tem a Argentina como líder e grande favorita a terminar na primeira colocação e que enfrenta o Irã, às 12 horas. A Nigéria vem de um empate sem gols com o fraco Irã e precisa mostrar serviço. Já a Bósnia fez um jogo difícil diante da Argentina onde perdeu por 2 a 1 nos minutos finais. A partida se não promete tecnicamente, promete pela necessidade de vitória para os dois times. 

Os dois primeiros jogos na Arena Pantanal apresentaram momentos bem diferentes. No primeiro, o Chile, uma das sensações desta Copa atropelou a Austrália por 3 a 1 e levou para as arquibancadas o brilho vermelho da camisa dos torcedores chilenos. A segunda partida não contou com este mesmo fascínio. Rússia e Coréia do Sul fizeram um jogo morno, onde o destaque acabou sendo o goleiro russo que tomou até aqui o maior frango da Copa. Para hoje a situação é bem diferente. Haverá, pelo menos correia, busca ao gol. 

Tanto Nigéria quanto Bósnia chegaram a Cuiabá no feriado de quinta-feira. Estão se ambientando ao clima cuiabano, que aliás, por estar ameno, vai favorecer as duas seleções. Ontem elas estiveram na Arena Pantanal para o tradicional treino de reconhecimento do gramado, as entrevistas coletivas e a expectativa do jogo. 

O técnico nigeriano Stephen Keshi está muito confiante para o jogo. Tanto que afirma categoricamente que vai vencer os europeus. “Sim, estamos confiantes. Eu sei o que eu conversei com meus jogadores e sei que vamos sair vencedores. A Bósnia é um adversário difícil, tem um ataque bom, mas eu tenho certeza de que vamos fazer um bom jogo e vencer”, disse o treinador das Super Águias.Caso os nigerianos saiam vencedores do confronto com os bósnios e não aconteça uma zebra no duelo entre Argentina e Irã, a Nigéria será vice-líder do Grupo F, com quatro pontos e, de quebra, eliminará a Bósnia da competição. 

Se os nigerianos falam em vitória a qualquer custo, otécnico da Bósnia, Safet Susic, afirmou que não vê um empate com a Nigéria como um resultado ruim. O treinador lembrou que não pode ir desesperadamente para o ataque contra a seleção africana. 

“A verdade é que se empatamos com a Nigéria não seria ruim, eu ficaria feliz. Não somos um time que joga para empatar sem gols, porém não podemos sair com tudo contra os nigerianos, que possuem uma defesa sólida e são perigosos no contra-ataque”, disse Susic, em sua coletiva de imprensa. 

Na análise do técnico bósnio, um empate levaria a decisão da vaga para a última partida, contra o Irã. 

“A derrota significa uma eliminação prematura, enquanto que um empate nos deixaria com uma boa chance de classificação”, afirmou Susic. 

Durante o treino de quinta-feira, o técnico Safef Susic testou uma formação mais ofensiva. Ele colocou Visca para fazer dupla de ataque com Dzeko, que ficou isolado no primeiro jogo. Lesionados, o capitão Spahic, e o meia Salihovic não treinaram e são dúvidas. No lugar, devem entrar Sunjic e Medunjanin. 

Do lado da Nigéria, o 0 a 0 com a frágil seleção do Irã colocou os africanos em situação delicada, pois agora enfrentarão rivais mais difíceis. “Nós não jogamos como esperávamos, mas temos que seguir em frente. Queria uma vitória, mas veio um empate. Nós temos que fazer melhor para conseguir uma vitória contra a Bósnia”, afirmou o técnico Stephan Keshi. O comandante da equipe africana deve entrar com o time completo para a partida. 

NIGÉRIA 

Enyeama; Ambrose, Omeruo, Oshaniwa e Yobo; Mikel, Onazi, Musa e Moses; Odemwingie e Emenike. Técnico: Stephen Keshi 

BÓSNIA-HERZEGÓVINA 

Begovic; Mujdza, Spahic, Bicakcic e Kolasinac; Besic, Pjanic, Lulic e Misimovic; Ibisevic e Dzeko. Técnico: Safet Susic 

Estádio: Arena Pantanal, em Cuiabá 

Horário: 18h 

Árbitro: Peter O’Leary (Nova Zelândia) 

Cuiabá amplia frota de veículos entre Fan Fest e Arena Pantanal

Linha sai do centro de Cuiabá, passa pela Fan Fest e parte direto para a Arena. Tarifa é de R$ 2,80

Portal Amazônia

Foto: Caro De Vita/Casa de Guimarães

CUIABÁ – O número de ônibus disponíveis para o trajeto entre a Fifa Fan Fest e a Arena Pantanal será ampliado de 14 para 24 veículos nesta terça-feira (17). Assim, os torcedores poderão assistir ao jogo Brasil x México, às 15h, na Fifa Fan Fest, e do local seguir de transporte coletivo até a Arena Pantanal, onde ocorrerá o duelo entre Coreia do Sul e Rússia, às 18h.

A linha que atende à demanda é a Especial E, que sai do centro de Cuiabá, passa pela Fan Fest e parte direto para a Arena. O valor é o mesmo praticado no transporte coletivo em Cuiabá, de R$ 2,80. Ela começa a ser operada a partir das 14h, e, segundo a Prefeitura de Cuiabá, o percurso Fifa Fan Fest via Arena Pantanal dura aproximadamente 10 minutos. No entanto, vale ressaltar que, além das linhas especiais, as linhas rotineiras operam normalmente, ganhando o reforço das linhas especiais em dias de jogos.

A informação sobre o aumento da frota foi repassada em coletiva esta tarde na Prefeitura da Cuiabá, na qual participaram o secretário de Trânsito e Transportes, Antenor Figueiredo, o diretor de transporte, Leopoldino Pereira, e o diretor de Trânsito, Michel Diniz.

Segundo a Prefeitura de Cuiabá, a operação de trânsito e transporte contará com 209 veículos atendendo aos espectadores em Cuiabá e Várzea Grande e 170 agentes distribuídos na execução do plano operacional.

Restrição

Além da alteração na frota da Linha Especial E, o Executivo Municipal também anunciou a proibição de estacionamento, a partir das 7h, nas ruas do entorno da Arena Pantanal (Traçaia, Ranulfo Paes de Barros, Oir Castilho e Agrícola Paes de Barros – em toda extensão).

E a partir das 12h começa a valer o bloqueio total, com a área de interdição abrangendo o perímetro circundado pela Miguel Sutil, Senador Metelo, São Sebastião e Jornalista Alves Oliveira. A operação será concluída duas horas depois do jogo.

 

‘Rojão dentro da arena é inadmissível’

Comitê Organizador Local da Copa do Mundo considerou grave a falha que permitiu a entrada de rojões dentro da Arena Pantanal, na sexta

Diário de Cuiabá

O COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo) classificou como falha inadmissível de segurança a entrada de fogos de artifício na partida entre Chile e Austrália, na sexta-feira à noite, em Cuiabá. 

Rojões foram estourados ao menos três vezes dentro da Arena Pantanal durante o jogo, vencido por 3 a 1 pela equipe sul-americana. 

“Foi inadmissível. Tanto o comportamento do torcedor como a nossa falha. Vamos reformar a segurança e melhorar a revista da torcida”, disse o porta-voz Saint-Clair Milesi, durante entrevista coletiva ontem. 

Segundo ele, há informações de que o torcedor que portava o rojão já foi identificado e a polícia está investigando o caso. A reportagem tentou confirmar esta informação com autoridades de Segurança Pública no Estado. Ninguém confirmou a identificação do torcedor. 

Os rojões começaram a ser estourados ainda no primeiro tempo, sempre vindo do lado da torcida chilena, que era maioria no estádio. Mas no terceiro gol, no final da partida, eles voltaram ainda com mais força. 

Os rojões não foram a única falha na segurança. Um torcedor brasileiro foi detido após lançar uma lata de cerveja em um steward, segurança privado que trabalha para a Fifa. O segurança ficou levemente ferido. 

O homem, cuja identidade não foi revelada, acabou detido momentaneamente. Levado ao Juizado Especial instalado dentro da arena, ele assinou um termo circunstanciado e vai responder processo por lesão corporal leve. Por ser um crime menor potencial ofensivo, o torcedor deverá pagar multa ou prestar serviços comunitários caso seja condenado. 

Ainda não se sabe como o torcedor teve acesso à lata. A bebida pode ter sido levada para dentro do estádio dentro de mochilas. Várias pessoas relataram à reportagem do Diário que a revista na entrada do estádio era falha. 

A reportagem do Diário flagrou, no segundo tempo de jogo, um torcedor chileno vendendo latinhas de cerveja Itaipava de 269 mililitros. Ele portava um suporte com capacidade para cerca de 20 latas. A Itaipava é produzida pela cervejaria Petrópolis, concorrente da Ambev, uma das patrocinadoras da Copa do Mundo.

Uma outra possível explicação pode estar em erros dentro da arena. Em razão da demora no atendimento nos bares, muitos atendentes deixaram de seguir a recomendação de colocar a cerveja dentro de recipientes plásticos. Na pressa, entregavam a lata diretamente ao torcedor. 

Entrar nos estádios da Copa com fogos de artifício é proibido. Ou seja, houve um erro de segurança na revista do torcedor. 

A falha aconteceu dois dias antes do maior desafio de segurança do Mundial até o momento. 

A Argentina estreia no domingo contra a Bósnia. Além de Messi, Higuaín e os outros astros da equipe bicampeã mundial, desembarcaram no Rio os temidos barra bravas, a facção mais violenta da torcida argentina. 

“Os torcedores têm que estar cientes de que esse é um jogo de Copa do Mundo, não é a mesma coisa de campeonatos nacionais. A revista da segurança tem que ser exata nesta partida”, completou Milesi. 

Com apenas 3 dias de Copa, Cuiabá já registrou um estupro e uma tentativa

DIÁRIO DA MANHÃ|LUDMILLA MOREIRA

Em um dos casos a vítima é americana e no outro, o acusado é chileno

Ontem (14) foram registradas duas ocorrências relacionadas a estupro em Cuiabá, capital mato-grossense. Uma estrangeira americana e uma brasileira são as vítimas. Segundo o jornal ‘O Estado de S. Paulo’, o assunto foi repercutido na mídia internacional. Um dos jornais que divulgou a notícia foi o americano ‘Daily News’.  

A cuiabana, de 22 anos, sofreu o estupro na garagem de uma empresa em um bairro chamado Santa Helena, e o suspeito é um chileno.  Segundo a moça, ela conheceu o rapaz em uma boate e ele se ofereceu para levá-la em casa. 

No caminho, ela foi atacada por ele, que começou a tirar a roupa da jovem. Quando ela tentou se esquivar, o homem teria começado a dar socos nela. Ela começou a gritar e vizinhos ouviram e acionaram a polícia, que registrou ocorrência na Delegacia do Turista. 

Os vizinhos conseguiram abrir a porta do veículo e encontraram o homem sem roupas em cima da jovem.  Ela estava com arranhões no rosto e no braço.  

A vítima americana contou à polícia que dormia com o namorado em uma casa de amigos e acordou com um homem tentando estuprá-la. O namorado ouviu os gritos e acordou. O crime aconteceu depois da partida entre Chile e Austrália, na última sexta-feira (13). O suspeito ainda não foi identificado e a embaixada dos Estados Unidos foi comunicada. O casal está sob cuidados da missão diplomática. 

Com informações do ‘R7’ e do ‘G1’.

 

A torcida prometeu e cumpriu. Apareceu em grande número, lotando a Arena Pantanal e ajudando o Chilea conquistar a primeira vitória

DIÁRIO DE CUIABÁ|JONAS JOZINO

A Arena Pantanal se transformou em chilena, uma onda vermelha, aos gritos de Chile. Era tudo o que a equipe chilena precisava para mostrar que é realmente uma das gratas surpresas desta Copa e derrotar bem a modesta Austrália. Desde às 12 horas era intensa a movimentação na Arena Pantanal, cheia de chilenos, que até rojões – algo proibido pela Fifa, soltaram antes, durante e após o jogo nas arquibancadas. 

O Chile até parecia que iria fazer como a Holanda e golear a Austrália. Em apenas dois minutos chegou a fazer 2 a 0. Parecia que estava fácil. Não foi, o time acabou se perdendo em campo, mostrando falhas e se não fosse a força da torcida a situação complicava. No final valeu o esforço para vencer por 3 a 1.

O hino cantando pelo grande número de chilenos nas arquibancadas da Arena Pantanal mesmo após o fim de sua execução no sistema de som mostraram que o país sul-americano se sentia em casa, e o time cumpriu isso com sua tática de ocupar totalmente o campo adversário, com três defensores atrás do meio-campo. 

Tocando a bola em busca de espaço, bastou empenho para o Chile abrir o placar. Ele veio de Aránguiz, meio-campista do Inter que recebeu de Alexis Sánchez e brigou pela bola na linha de fundo até girar pelo goleiro e cruzar para Vargas ajeitar e Sánchez estufar as redes aos 11 minutos. 

O Chile se sentiu completamente dono da partida. A Austrália errava até cobrança de lateral e não tinha mais do que lançamentos longos para explorar as velocidades de Oar e Leckie, mas ambos não tinham qualidade para fazer mais do que isolar bolas. 

Os sul-americanos, porém, se sentiram tão à vontade com o domínio que se acomodaram. Sánchez começou a dar dribles bonitos, porém ineficientes, Valdivia girava e só tocava de lado, Vidal se mexia sem mostrar a técnica que exibe na Juventus e Varga corria à toa. O maior erro, porém, ocorreu quando o goleiro Bravo vacilou em lançamento com o pé. 

O passe do goleiro, aos 34 minutos, só foi dominado por um australiano depois do meio-campo, mas o time verde e amarelo avançou com ela na raça, brigando até que Franjic, na ponta direita, cruzou com perfeição para Cahill cabecear no contrapé de Bravo, diminuindo o placar. 

O Chile se assustou ao perceber que o adversário poderia causa problemas e, aos 36, Bravo precisou salvar o Chile rebatendo finalização de Leckie dentro da área. Os comandados de Jorge Sampaoli, então, preferiram manter a posse de bola para evitar sustos e tentar reencontrar o futebol no intervalo. 

Mas não foi o que aconteceu. O time sul-americano voltou pior e não conseguiu mais dominar nem a posse de bola, mesmo com a torcida incentivando a equipe para motivá-la. Quem se animou, realmente, foi a Austrália, que tendeu que não deveria se menosprezar tanto e passou a marcar no seu campo de ataque. 

Beneficiando-se da tensão chilena, os australianos passaram a explorar a estatura de seus jogadores e Cahill era referência e dava trabalho. Aos cinco minutos, foi agarrado por Jara na grande área e o árbitro não deu pênalti. Dois minutos depois, balançou as redes, mas estava impedido. 

Atuando em cima do adversário, a Austrália ainda viu Bravo realizar duas grandes defesas seguidas em chutes de Bresciano, aos dez minutos. Na busca pelos três pontos, Sampaoli trocou os cansados Vidal e Valdivia para preencher seu meio-campo e, assim, garantiu a vitória afastando os australianos da área de Bravo. 

CHILE – 3 

Bravo; Isla, Medel, Jara e Mena; Diaz, Vidal (Gutiérrez), Aránguiz e Valdívia (Beausejour); Vargas (Pinilla) e Sanchez Técnico: Jorge Sampaoli 

AUSTRÁLIA -1 

Ryan; Franjic (McGowan), Davidson, Jedinak (Halloran) e Milligan; Spiranovic, Leckie, Oar e Cahill; Wilkinson e Bresciano (Troisi) Técnico: Ange Postecoglou

Local: Arena Pantanal, em Cuiabá (MT) 

Árbitro: Noumandiez Doue (CDM) 

Gols: Alexis Sanchéz, aos 11min., Valdivia, aos 13min. do 1°t, e Beausejour, aos 46min. do 2°t (Chile); Cahill, aos 34min. do 1°t (Austrália) 

Cartões amarelos: Cahill, Jedinak e Milligan (A); Aránguiz (C) 

Chegou a vez da bola rolar em Cuiabá

Apontada como possível sensação da Copa, o Chile terá o apoio de sua torcida, que invadiu Cuiabá, para derrotar a seleção australiana

Com uma grande torcida na Arena Pantanal, o Chile faz a sua estreia hoje na Copa do Mundo, diante da perigosa Austrália

JONAS JOZINO
Da Editoria

Chegou a vez de Cuiabá. Depois da festa de ontem em Itaquera, agora é a vez da Brazuca rolar na Arena Pantanal. Será às 18h, quando Chile e Austrália fazem suas estreias no Grupo B que também tem Espanha e Holanda, às 15h, no estádio Fonte Nova. 

Foram sete anos, desde o anúncio de que Cuiabá seria uma das sedes da Copa do Mundo, de espera para o torcedor mato-grossense ter o privilégio de ver de perto um jogo da Copa do Mundo. A cidade está repleta de Chilenos – o governo do Estado diz que aproximadamente 20 mil chegaram para acompanhar a seleção chilena que tem astros como Valdívia, que defende o Palmeiras e Mena, jogando no Santos. Enfim, a angustia, a espera chega ao fim. Hoje se verá uma das seleções apontadas como possível sensação da Copa, o Chile desfilando no gramado da nova Arena. 

E para ver este desfile ninguém menos do que a presidente do país, Michele Bachelet estará em Cuiabá. Ela desembarca hoje, por volta do meio dia no Aeroporto Marechal Rondon, almoça no Palácio Paiaguás com o governador Silval Barbosa (PMDB). Logo depois deve passar no hotel onde os chilenos estão concentrados para em seguida seguir para a Arena Pantanal. 

Se a seleção, que chegou no meio da tarde de ontem a Cuiabá e optou em não fazer nem mesmo um treino de reconhecimento, vai conhecer apenas hoje a Arena, a torcida chilena, vem comandando a festa. Ontem, muitos estiveram na Arena com batuques, apitos e coreografia. 

No jogo de hoje, o Chile quer mostrar o que apontam os especialistas, que é mesmo um time ofensivo e que pode ser a grande surpresa, até brigando pelo título. O adversário até que não é difícil, mas vai tentar impor respeito. A Austrália terá menos torcedores, que também estão agitando Cuiabá. 

Em partidas oficiais, os chilenos nunca perderam para os australianos: foram três vitórias dos sul-americanos e um empate. Comandada pelo argentino Jorge Sampaoli, discípulo do argentino Marcelo “El Loco” Bielsa, a equipe ficou em 3º lugar nas Eliminatórias e já mostrou que pode surpreender também as grandes seleções. 

Estrela do time, o atacante Alexis Sánchez, do Barcelona, joga ao lado de Valdivia, do Palmeiras, Aránguiz, do Internacional, Mena, do Santos, Vargas (ex-Grêmio), atualmente no Valencia, e Pinilla (ex-Vasco), do Cagliari. Outro destaque do Chile, o volante Vidal, da Juventus, passou por uma cirurgia no joelho direito em maio e é dúvida para o jogo contra os australianos. 

Com poucas chances no grupo, a Austrália costuma sofrer na mão das grandes equipes. No ano passado, chegou a tomar 12 gols em dois jogos. Perdeu duas vezes por 6 a 0: para o Brasil, em setembro, e para a França, em outubro. O vexame derrubou o técnico alemão Holger Osieck, responsável por conduzir a equipe nas Eliminatórias. 

No seu lugar, assumiu o greco-australiano Ange Postecoglu. Sob seu comando, o time australiano tem uma vitória, um empate e duas derrotas: venceu a Costa Rica por 1 a 0, empatou com a África do Sul em 1 a 1, e perdeu para o Equador, por 4 a 3, e para a Croácia por 1 a 0. 

Com muita força física, o time aposta nas jogadas aéreas. O destaque é o atacante Tim Cahil, que já defendeu o Everton, da Inglaterra, e atualmente joga no New York Red Bull, dos Estados Unidos. 

CHILE 

Bravo; Isla, Medel, González e Mena; Carmona, Díaz, Aruinguiz e Valdívia; Vargas e Alexis Sánchez. Técnico: Jorge Sampaoli. 

AUSTRÁLIA 

Ryan; Franjic, Wilkinson, Spiranovic, Davidson; Jedinak, Milligan; Leckie, Bresciano, Oar; Cahill. 

Técnico: Ange Postecoglu 

Estádio: Arena Pantanal, em Cuiabá 

Horário: 18h 

Árbitro: Noumandiez Doue (Costa do Marfim) 

Celebridades e chefes de estado acompanham jogos da Copa na Amazônia

Príncipes, astros da música e presidentes. Saiba quem estará nos jogos na Amazônia, em Manaus e Cuiabá

Foto: Omar Freire/Agência Minas

MANAUS – A sete dias do início da Copa do Mundo de Futebol, o Palácio de Planalto divulgou nesta quinta-feira (5) a lista dos 21 chefes de estado que confirmaram presença na Copa. Nas oito partidas realizadas na Amazônia – quatro em Manaus e quatro em Cuiabá – a lista de celebridades e autoridades públicas rivaliza com os nomes cotados para a cerimônia de abertura, dia 12.

A presidente do Chile, Michelle Bachelet, estará em Cuiabá para acompanhar a seleção de seu país jogar contra a Austrália, no dia 13 de junho, na Arena Pantanal. Cinco dias depois, quem estará na área VIP de outro estádio da região, a Arena da Amazônia, é o primeiro-ministro da Croácia, Zorán Milanovic. Ele verá o jogo de Croácia x Camarões, dia 18, em Manaus.

A capital do Amazonas está cotada para receber, ainda, dois astros da música internacional: o ex-Beatle Paul McCartney e o líder dos Rolling Stones, Mick Jagger. Há rumores que ambos tenham reserva no hotel Tropical, um dos mais luxuosos da cidade.

Jagger é conhecido por acompanhar a seleção inglesa ao redor do mundo. A Inglaterra joga contra a Itália, em Manaus, dia 14. O ex-Beatle também teria ingressos para ver a mesma partida.

Manaus estava na mira de outro representante da Terra da Rainha. Mais precisamente o neto da Rainha, o príncipe Harry. A possibilidade do irmão mais novo do príncipe do Reino Unido, William (marido de Kate Middleton), visitar Manaus causou frenesi nas mídias sociais. Mas a hipótese foi descartada com um comunicado divulgado pela Embaixada Britânica no Brasil.

A visita de Harry ao Brasil restringe-se a Brasília, Belo Horizonte e São Paulo. Ele chega dia 23 de junho, data em que Brasil e Camarões enfrentam-se no estádio Mané Garrincha. Harry também estará no jogo entre Costa Rica e Inglaterra que acontece em Belo Horizonte, no Mineirão.

 

A arena de Cuiabá é uma das seis que terá o privilégio de oferecer tecnologia avançada para os torcedores durante os jogos

Diário de Cuiabá|Jonas Jozino

Apenas seis dos 12 estádios que receberão jogos da Copa do Mundo disporão de rede Wi-Fi para que os torcedores possam conectar-se à internet. E a Arena Pantanal neste grupo, um privilégio para poucos e que vai ser útil para o torcedor mato-grossense. O Sinditelebrasil (Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal), confirmou ontem as seis sedes que terão Wi-Fi e confirmou a inclusão de Cuiabá no programa. 

O sistema Wi-Fi, que servirá para reforçar a possibilidade de acesso à internet nas arquibancadas e descongestionar as redes das empresas de telefonia que oferecem conexão 2G, 3G ou 4G, só estará disponível nas cidades de Brasília, Porto Alegre, Salvador, Rio de Janeiro, Manaus e Cuiabá, onde o torcedor terá mais facilidade para usar o celular, postando textos e, principalmente fotos em suas páginas pessoais durante todo os jogos. 

Sedes mais expressivas e que terão jogos de seleções muito mais tradicionais não conseguiram se preparar para esta tecnologia como Cuiabá, que conta com 800 mil habitantes. Estão fora da tecnologia o Itaquerão, em São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Curitiba e Natal. Nestes estádios os torcedores terão mais dificuldades para publicar fotos nas redes sociais ou para enviar vídeos e mensagens uma vez que dependerão da conexão oferecida comercialmente pelas operadoras. 

“Todos os estádios são locais de grandíssima concentração de tráfego de dados”, explicou Eduardo Levy, presidente-executivo do Sinditelebrasil. 

Segundo Levy, o problema com a instalação da rede Wi-Fi se deveu à dificuldades nas negociações entre as empresas de telecomunicações e os administradores dos estádios, que não conseguiram chegar a um acordo sobre o preço do aluguel do espaço que as operadoras necessitam para seus equipamentos. 

“O que não fizemos, não foi porque não quiséssemos. Foi porque não pudemos, não tivemos acesso”, comentou Levy. 

Embora nem todos tenham rede Wi-Fi, os 12 estádios disporão de um total de 3.724 antenas de telefonia celular, que atenderão os serviços de voz e dados com as tecnologias 2G, 3G e 4G, com o mesmo sistema de última geração empregado nos Jogos Olímpicos de Londres. 

Toda esta infraestrutura possibilitará, por exemplo, que no período de uma hora se completem em cada estádio cerca de 300 mil chamadas de voz simultâneas, com uma duração média de 2,4 minutos cada uma. 

As redes das operadoras também permitirão cerca de 24 mil conexões de dados ao mesmo tempo no período de uma hora, capacidade que possibilita o envio de uma foto de 0,55 MB em 2,5 segundos. 

O número de antenas móveis e Wi-Fi instaladas é diferente em cada sede e, portanto, também o é a capacidade das conexões. 

Na Maracanã, por exemplo, a infraestrutura permitirá até 48 mil conexões simultâneas à internet, além de 515 mil chamadas de voz no período de uma hora, para um público de até 75 mil pessoas.