Arquivo da tag: Corinthians

Mano Menezes quer Corinthians concentrado em campo

Estadão Conteúdo

N/A

Mano Menezes pede concentração dos jogadores neste domingo

Apesar de todo o clima de festa e de euforia por parte da torcida com a primeira partida oficial no Itaquerão, o técnico Mano Menezes exige concentração total no jogo contra o Figueirense, neste domingo, às 16 horas, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Acima de tudo, o treinador exige os três pontos – com oito em quatro jogos, o Corinthians figura na parte de cima da tabela de classificação.

“Temos que saber atender a expectativa (do torcedor) de forma positiva, separar uma coisa da outra porque as armadilhas estão colocadas”, afirmou Mano Menezes. “Não é a primeira vez que você enfrenta outra equipe com possibilidade maiores e condição favoráveis mas que lá dentro do campo você deixou escapar (a vitória)”.

O atacante peruano Paolo Guerrero pensa como o treinador e fala em ter calma para decidir o jogo. “Temos que ficar tranquilos, sem pensar no que vai fazer o primeiro gol, somos um grupo e temos que estar concentrados porque vai ser um jogo difícil”, afirmou.

Mano Menezes realizou dois treinos no Itaquerão para que os jogadores se ambientem ao novo campo. Em um dos treinos, o técnico testou Renato Augusto como titular. Petros deixou o time. Jadson retorna à equipe depois de ficar de fora do clássico contra o São Paulo, no último domingo, por questões contratuais.

Com Renato Augusto e Jadson, o time ganha em poder de criação, sem perder força no meio de campo. No ataque, Romarinho é o parceiro de Guerrero. Na última quarta-feira, os dois meias participaram do amistoso na Arena da Baixada, em Curitiba, contra o Atlético Paranaense, quando o Corinthians venceu por 2 a 1.

Depois da América e do Mundo, Corinthians enterra provocações e inaugura casa própria

Depois da América e do Mundo, Corinthians enterra provocações e inaugura casa própria – Notícias Futebol – MSN Esportes// =i:!0)&&(t(r)?n=i:!0)}var i=n.isArray;n.extend({isNumber:t,isString:r,isObject:function(n){return typeof n==”object”&&n!==null},isDefined:function(n){return typeof n!=”undefined”},isArray:function(n,r){return i(n)&&(t(r)?n.length>=r:!0)}})})(jQuery),function(n){n.scpTrack||(n.scpTrack={getTrack:function(){var t=n.track||window.Msn&&Msn.track;return!t&&window.require&&window.require([“track”],function(n){t=n}),t},enabled:function(){var n=this.getTrack();return n&&n.trackInfo},inventory:””,add:function(n){this.inventory+=n+”;”},getUrl:function(){var t,r,f,i,u,n;if(!this.enabled())return””;for(r=this.getTrack(),f=r.recipients.length,i=0;i0){t=u.opts;break}}return t&&(n=r.trackInfo.generateUrl(t.base,t.common,t.commonMap,{evt:”extload”,js:”1″},{}),n&&this.inventory&&(n=n.concat(“&sfl=”,this.inventory))),n},fireAndForget:function(n){if(n){var t=new Image;t.onload=t.onerror=function(){t.onload=t.onerror=null},t.src=n.replace(/&/gi,”&”)}}},n(window).load(function(){var i=n.scpTrack,t;i.enabled()&&(t=i.getUrl(),t&&i.fireAndForget(t))}))}(jQuery),function(n){function a(i,a,y){var w,p;h(i,1)&&(w=this[i])?v(a)?u(a,this):v(w)&&(n.isArray(a)?u(w,this,a):n.isDefined(a)||u(w,this)):h(y)?(p=o[y],p?p.push(new t(i,a,this)):(o[y]=[new t(i,a,this)],n.ajax({url:y,dataType:”script”,cache:1,success:function(){p=o[y];for(var t,n=0;t=p[n];++n)l(t)}}))):h(i,1)&&(r.push(new t(i,a,this)),s||(s=e.setTimeout(c,f.timeout)))}function u(r,u,f){if(u.selector&&u.size()==0){i.push(new t(r,f,u));return}u.selector&&n.isArray(f)&&f[0].asyncp&&(u=u.filter(y),i.push(new t(r,f,u.end()))),f?r.apply(u,f):r.apply(u)}function y(){var t=n(this);return t.data(“asyncfilter”)?0:(t.data(“asyncfilter”,1),1)}function p(){var e=i,t,f,r;for(i=[],r=0;t=e[r];++r)f=n(t.callee.selector,t.callee.context),u(t.func,f,t.action)}function c(){var i=r,t,n;for(r=[],n=0;t=i[n];++n)l(t);s=r.length==0?0:e.setTimeout(c,f.timeout)}function l(n){a.call(n.callee,n.func,n.action)}function t(n,t,i){this.func=n,this.action=t,this.callee=i}var f={timeout:50},o={},r=[],i=[],s,h=n.isString,v=n.isFunction,e=window;n.async=n.fn.async=e.async=a,n.async.defaults=f,n.async.delayed=p}(jQuery);(function($){$.async(0,0,$.jsUrl);})(jQuery);document.write(“.cogr .co{display:none}.cogr .cof .co{display:block}”),function(){String.prototype.format=function(){for(var t=this,n=0;n<arguments.length;++n)t=t.replace(new RegExp("\\{"+n+"\\}","g"),arguments[n]);return t},String.prototype.findKey=function(n,t,i){var e,u,r,f;t=t||"|",i=i||":",e=null,u=this.split(t);if(u)for(r=0;r<u.length;r++){f=u[r].split(i);if(f[0]==n){e=f[1];break}}return e}}(),function(n){function t(t){var s=n.extend(!0,{},i,t),c=window,e,u,l,f,a,r,h,o;if(!n.isArray(s.silverlightVersions,1))return 0;u=0;try{l=c.navigator,f=l.plugins;if(f&&f.length)e=f["Silverlight Plug-In"],e&&(u=/^\d+\.\d+/.exec(e.description)[0]),e=0;else if(c.ActiveXObject){a=new ActiveXObject("AgControl.AgControl");if(a){u=1,r=n("”)[0],r.codeType=s.silverlightMimeType;if(typeof r.IsVersionSupported!=”undefined”)for(o=0;h=s.silverlightVersions[o];++o)if(r.IsVersionSupported(h)){u=h;break}r=0}}}catch(v){}return u}var i={silverlightVersions:[“5.0″,”4.0″,”3.0″,”2.0″],silverlightMimeType:”application/x-silverlight-2”};n.silverlight=t,n.silverlight.version=t(),n.silverlight.defaults=i}(jQuery),function(){String.prototype.getCookie=function(){var t=new RegExp(“\\b”+this+”\\s*=\\s*([^;]*)”,”i”),n=t.exec(document.cookie);return n&&n.length>1?n[1]:””}}(),function(){String.prototype.setCookie=function(n,t,i,r,u){var f=[this,”=”,n],e;t&&(e=new Date,e.setTime(e.getTime()+t*864e5),f.push(“;expires=”),f.push(e.toUTCString())),i&&(f.push(“;domain=”),f.push(i)),r&&(f.push(“;path=”),f.push(r)),u&&f.push(“;secure”),document.cookie=f.join(“”)},String.prototype.delCookie=function(){document.cookie=this+”=; expires=Fri, 31 Dec 1999 23:59:59 GMT;”}}(),function(n){n.fireAndForget=function(n){if(n){var t=new Image;t.onload=t.onerror=function(){t.onload=t.onerror=null},t.src=n.replace(/&/gi,”&”)}}}(jQuery);(function(n){function i(i,r,u,f,e){function c(n){o.bind(n,function(){o.unbind(n,arguments.callee),h()})}function h(){function o(){if(!e.disabled){var n=window;n.async(“dapMgr”,function(){n.dapMgr.enableACB(f,l),n.dapMgr.renderAd(f,i,r,u),n.dapMgr.clearAdElements=function(t){var r=document.getElementById(t.divid),u,i;if(!r)return;if(!t.qs||t.qs.length==0)return;for(u=r.childNodes.length-1;u>=0;u–){i=r.childNodes[u];if(i)if(n._dapUtils.is_ff&&i.id==t.ifrmid){if(i.contentDocument.body)while(i.contentDocument.body.firstChild)i.contentDocument.body.removeChild(i.contentDocument.body.firstChild);i.id=null,i.name=null,i.style.display=”none”,i=null}else i.nodeName!=”IFRAME”||n._dapUtils.is_ie5_5||i.contentWindow.document.location.replace(“about:blank”),r.removeChild(i),n._dapUtils.is_ie5up?i.removeNode(!0):i=null}},n.dapMgr.trackEvent=function(){for(var t,i=0;i+new Date);}}function s(i){if(i&&i.target&&i.button!=2){var u=n(i.target),r=u.filter(“*[href]:first”);r.length||(r=u.closest(“*[href]”)),r.length&&!t.trackInfo.exceptionList.contains(i.type,r[0].id)&&t.trackEvent(i,r[0])}}function o(n){t.trackEvent(n)}var u=n.extend(!0,{},e,i);return t.recipients=[],t.trackInfo=new r(u.trackInfoOpts),t.register=function(){return t.recipients=t.recipients.concat(Array.prototype.slice.call(arguments)),t},t.trackEvent=function(n,i,r,u,e,o,s){t.trackInfo.event=n,t.trackInfo.createReport(i,r,u,e,o,s)&&f(“getEventTrackingUrl”,!0)},t.trackPage=function(){t.getCookie(“trackingCookie”)!==null?t.getCookie(“trackingCookie”)===”autoredirect”&&t.resetCookie(“trackingCookie”):f(“getPageViewTrackingUrl”,!1)},t.setCookie=function(n,t,i){var u,r;i?(r=new Date,r.setTime(r.getTime()+i*864e5),u=”; expires=”+r.toGMTString()):u=””,document.cookie=n+”=”+t+u+”; path=/”},t.resetCookie=function(n){t.setCookie(n,””,-1)},t.getCookie=function(n){for(var u=n+”=”,r=document.cookie.split(“;”),t,i=0;i<r.length;i++){t=r[i];while(t.charAt(0)===" ")t=t.substring(1,t.length);if(t.indexOf(u)===0)return t.substring(u.length,t.length)}return null},n.fn.trackForms=function(){return this.each(function(){var t=n(this);t=t.is("form")?t:n("form",t),t.bind("submit",o)})},n(document).bind(u.evtType,s).bind("impr",t.trackEvent),n(window).bind("load unload",t.trackEvent),n(function(){n("body").trackForms()}),t}function r(t){function b(t,i){var f={},u,e,r;if(t&&i)for(u in t)e=t[u],r=i[e],n.isDefined(r)&&(f[u]=n.isFunction(r)?r():r);return f}function p(t,i,r){var s,u,o,f;for(r||(r=-1),s=n(t).children(),o=0;r<0&&(u=s[o]);++o){if(u==i)return-r;f=n(u),f.attr("id")||(f.attr("href")&&!f.attr(e.notrack)&&–r,r=p(u,i,r))}return r}function k(n){var t=/\bGT1=(\d+)/i.exec(n);return t?t[1]:""}function w(){if(n.isNumber(u.innerWidth))c=u.innerWidth,h=u.innerHeight;else{var t=i.documentElement;t&&t.clientWidth?(c=t.clientWidth,h=t.clientHeight):t.offsetWidth&&(c=t.offsetWidth,h=t.offsetHeight)}}var v=screen,o=r.prototype,e=n.extend(!0,{},t),h,c,y,s,a,l;o.sitePage=e.sitePage,e.userStatic=n.extend({createUUID:function(){for(var n=[],r="0123456789ABCDEF",i,t=0;t<32;t++)n[t]=r.substr(Math.floor(Math.random()*16),1);return n[12]="4",n[16]=r.substr(n[16]&3|8,1),i=n.join("")},resetRequestId:function(){e.userStatic.requestId=e.userStatic.createUUID()}},e.userStatic),e.userStatic.requestId&&e.userStatic.requestId!==""||e.userStatic.resetRequestId(),o.userStatic=e.userStatic,s=-1,o.client=n.extend({screenResolution:function(){return v.width+"x"+v.height},clientId:function(){if(!l){var n=e.MUIDCookie.getCookie();l=n?n:e.userStatic.requestId}return l},colorDepth:v.colorDepth,cookieSupport:function(){return i.cookie?"Y":"N"},height:function(){return h||w(),h},width:function(){return c||w(),c},isIE:function(){return n.isDefined(y)||(y=n.isDefined(u.ActiveXObject)),y},connectionType:function(){return e.defaultConnectionType},pageUrl:f.href,referrer:function(){return i.referrerOverride||i.referrer},sample:function(){var i,n,t;return s==-1&&(i=e.smpCookie.getCookie(),s=parseInt(i),s=isNaN(s)?Math.floor(Math.random()*100):s%100,n=location.hostname.match(/([^.]+\.[^.]*)$/),t=n?n[0]:"",e.smpCookie.setCookie(s,e.smpExp,t)),s},timezone:function(){var i,r,n,t;return a||(i=new Date,r=new Date,r.setMonth(i.getMonth()+6),n=Math.round(i.getTimezoneOffset()/60)*-1,t=Math.round(r.getTimezoneOffset()/60)*-1,a=ni;i++){r=o.exceptionList[n][i];if(r===t)return!0}return!1},add:function(n,t){n===null||t===null||o.exceptionList.contains(n,t)||(o.exceptionList[n][o.exceptionList[n].length]=t)}},o.exceptionList),o.createReport=function(t,i,r,u,f,o){var s,a=this,h,b,c,w,d,v,y,l;!t&&a.event&&a.event.target&&(t=a.event.target);if(t&&!n(t).attr(e.notrack)){h=n(t),s={destinationUrl:i,campaignId:””,contentElement:f,contentModule:u,headline:r,sourceIndex:t.sourceIndex?t.sourceIndex:””,nodeName:t.nodeName},i||(b=t.href||t.action,s.destinationUrl=h.attr(e.piiurl)||b||””);if(!r){r=h.attr(e.piitxt);if(!r)if(h.filter(“form”).length)r=e.defaultFormHeadline;else try{r=h.text()||h.attr(“alt”)||n(“[alt]”,h).attr(“alt”)}catch(g){r=””}s.headline=r}s.campaignId=o||k(s.destinationUrl),c=h.parents(“[id]”);if(!s.contentModule){for(w=[],v=0;d=c[v];++v){y=d.id;if(y==e.wrapperId)break;w.splice(0,0,y)}s.contentModule=w.join(e.cmSeparator),s.contentModule||(s.contentModule=e.defaultModule)}s.contentElement||(l=0,h.attr(“id”)?l=1:c.length&&(l=p(c[0],t,-1)),s.contentElement=l)}return a.report=s,s},o.report={},o.incrementEventNumber=function(){this.userDynamic.eventNumber++},o.isSampled=function(n){return!(o.client.sample()>n)},o.generateUrl=function(t,i,r,u,f){var h=””,s=n.extend(!0,{},u,i),e,c,o;f=n.extend(!0,{},r,f);if(f)for(e in f)this[e]&&(c=b(f[e],this[e]),s=n.extend(!0,{},c,s));return o=n.param(s),o.length>0&&(h=t+o),h}}var i=document,u=window,f=u.location,e={evtType:”click”,spinTimeout:150,trackInfoOpts:{notrack:”notrack”,cmSeparator:”>”,defaultModule:”body”,defaultFormHeadline:”[form submit]”,piitxt:”piitxt”,piiurl:”piiurl”,wrapperId:”wrapper”,defaultConnectionType:”LAN”,smpCookie:”Sample”,smpExp:182,MUIDCookie:”MUID”,event:{},sitePage:{},userStatic:{}}};n.track=t,r.prototype.client={},r.prototype.userDynamic={isHomePage:function(){var t=i.documentElement,u=0,r=”behaviorAdded”;if(n.isDefined(t.addBehavior)&&(n(i).data(r)==”1″||t.addBehavior(“#default#homePage”)&&n(i).data(r,”1″)))try{u=t.isHomePage(f.href)?”Y”:”N”}catch(e){}return u},anid:function(){return”ANON”.getCookie()},timeStamp:function(){return+new Date},eventNumber:0},t.trackInfo=r})(jQuery),function(n){function i(n,i){var o=i.split(t.itemSeparator),s=n.split(t.itemSeparator),e=[],h,r,f,u;for(h in s){r=s[h].split(t.keyvalueSeparator);for(f in o){u=o[f].split(t.keyvalueSeparator);if(u[0]==r[0]){r[1]=u[1];break}}e.push(r.join(t.keyvalueSeparator))}return e.join(t.itemSeparator)}var t={cookieName:”stvs”,crossSessionCookieName:”stvx”,itemSeparator:”,”,keyvalueSeparator:”:”};n.fn.stickyTabDefaults=t,n.track&&n.track.trackInfo&&n.track.trackInfo.prototype.userDynamic&&(n.track.trackInfo.prototype.userDynamic.defaultSlotTrees=function(){var f=t.cookieName.getCookie()||””,e=t.crossSessionCookieName.getCookie()||””,r=[],u;return e&&r.push(e),f&&(r.length&&r.push(t.itemSeparator),r.push(f)),u=n.track.trackInfo.userStatic.defaultSlotTrees||””,i(u,r.join(“”))})}(jQuery),function(n){if(n.track&&n.track.trackInfo){var i=n.track.trackInfo.prototype.client,t=-1;if(i){function r(){return t==-1&&(t=n.silverlight&&n.silverlight.version?n.silverlight.version:””),t}i.silverlightVersion=r,i.silverlightEnabled=function(){return Number(r()>0)}}}}(jQuery),function(n){var t,i,f,u,r;if(n.track&&n.track.trackInfo){t=n.track.trackInfo.prototype,i=t.client;if(i){function e(){return t.userStatic&&t.userStatic.userGroup}i=n.extend(i,{flightKey:function(){if(!f){var n=e();f=n&&n.substring(0,n.indexOf(“:”))||”default”}return f},groupAssignment:function(){if(!u){var n=e();u=n&&parseInt(n.substring(n.indexOf(“:”)+1))?”S”:”P”}return u},optKey:function(){return r||(r=t.userStatic.optKey||”default”),r}})}}}(jQuery);(function(n){var t={base:””,samplingRate:100,eventAlias:{submit:”click”,mouseenter:”click”,mouseleave:”click”}};n.track.genericTracking=function(i){var u=this,r=u.opts=n.extend(!0,{},t,i);u.getEventTrackingUrl=function(t,i){var o=””,u,f,e;return t.isSampled(r.samplingRate)&&(i=i?i:t.event.type,u=r[i],!n.isDefined(u)&&n.isDefined(r.eventAlias[i])&&(u=r[r.eventAlias[i]]),n.isDefined(u)&&(f=u.condition,(!n.isDefined(f)||n.isNumber(f)&&f||n.isFunction(n[f])&&n[f].call())&&(e=r.base+(u.url?u.url:””),o=t.generateUrl(e,r.common,r.commonMap,u.param,u.paramMap)))),o},u.getPageViewTrackingUrl=function(n){return u.getEventTrackingUrl(n,”impr”)}}})(jQuery);(function(n){function i(){var n=[t.getDate(),”/”,t.getMonth(),”/”,t.getFullYear(),” “,t.getHours(),”:”,t.getMinutes(),”:”,t.getSeconds(),” “,t.getDay(),” “,t.getTimezoneOffset()];return n.join(“”)}var t=new Date,r={base:””,linkTrack:1,samplingRate:100,common:{v:”Y”,j:”1.3″},commonMap:{client:{c:”colorDepth”}},page:{v1:t.getMonth()+1+”/”+t.getFullYear(),v2:t.getMonth()+1+”/”+t.getDate()+”/”+t.getFullYear(),t:i()},pageMap:{sitePage:{c3:”pageVersion”}},link:{t:i(),ndh:1,pidt:1,pe:”lnk_o”},linkMap:{sitePage:{c38:”pageVersion”}},eventList:[“click”,”mouseenter”,”mouseleave”,”submit”]};n.track.omniTracking=function(t){var u=this,i=u.opts=n.extend(!0,{},r,t);u.getEventTrackingUrl=function(t){var e=””,r,f,u;return t.isSampled(i.samplingRate)&&(r=t.event?t.event.type:””,i.linkTrack&&n.inArray(r,i.eventList)!=-1&&(f=n.extend(!0,{},i.link,{c11:r==”mouseenter”||r==”mouseleave”?”hover”:r,events:”events4″}),u=t.generateUrl(“”,i.common,i.commonMap,f,i.linkMap),e=i.base.format(t.userDynamic.timeStamp(),u))),e},u.getPageViewTrackingUrl=function(n){var r=””,t;return n.isSampled(i.samplingRate)&&(t=n.generateUrl(“”,i.common,i.commonMap,i.page,i.pageMap),r=i.base.format(n.userDynamic.timeStamp(),t)),r}},n.track.omniTracking.defaults=r})(jQuery);$.track({trackInfoOpts:{sitePage:{lang:”pt-br”,pageName:”Depois da América e do Mundo, Corinthians enterra provocações e inaugura casa própria|story|263560925|Notícias Futebol – MSN Esportes”,omniPageName:”Depois da América e do Mundo, Corinthians enterra provocações e inaugura casa própria|story|263560925|Notícias Futebol – MSN Esportes:msn sports:msn esportes”,channel:”msn sports”,domainId:”2349″,propertyId:”9566″,propertySpecific:”10300″,sourceUrl:”http://esportes.br.msn.com/futebol/story-espn.aspx&#8221;,pageType:”story”,pageId:”252431862″},userStatic:{signedIn:”False”,birthdate:”31:12:1942″,gender:”m”,requestId:”f0bed1f9db4642919df782d1ca16ea5c”,beginRequestTicks:”635360224148627670″}}}).register(new $.track.omniTracking({base:”http://msnportal.112.2O7.net/b/ss/msnportalbr/1/H.7-pdv-2/{0}?[AQB]&[AQE]”,linkTrack:1,samplingRate:9,common:{ns:”msnportalbr”,ce:”UTF-8″,cc:”USD”},commonMap:{client:{v1:’cpDocId’,bh:’height’,bw:’width’,g:’pageUrl’,c:’colorDepth’,s:’screenResolution’,k:’cookieSupport’,ct:’connectionType’},sitePage:{pageName:’pageName’},userDynamic:{hp:’isHomePage’}},page:{server:”sports.esportes.br.msn.com”,c1:”msn sports”,c3:”msn esportes”,c4:”msn esportes futebol”,c5:”Article”,c6:”espn”,c9:”espn”,ch:”msn sports”,c37:””,c49:” Corinthians enterra provocações e inaugura casa própria”,c50:”http://esportes.br.msn.com/futebol/story-espn.aspx&#8221;},pageMap:{client:{c29:’pageUrl’,c42:’silverlightVersion’,r:’referrer’},sitePage:{c2:’lang’},userStatic:{c22:’signedIn’,c25:’birthdate’,c26:’gender’},userDynamic:{c23:’anid’}},linkMap:{report:{c12:’destinationUrl’,c13:’contentModule’,c15:’contentElement’,c16:’headline’,c18:’campaignId’,oi:’sourceIndex’,oid:’destinationUrl’,ot:’nodeName’,pev1:’headline’,pev2:’destinationUrl’,v11:’headline’,v12:’destinationUrl’},sitePage:{pid:’pageName’,c17:’omniPageName’}}}),new $.track.genericTracking({base:”http://b.scorecardresearch.com/b?&#8221;,impr:{param:{c1:’2′,c2:’3000001′},paramMap:{client:{c7:’pageUrl’,c8:’pageTitle’,c9:’referrer’},userDynamic:{rn:’timeStamp’}}}}),new $.track.genericTracking({base:”http://udc.msn.com/c.gif?&#8221;,linkTrack:1,samplingRate:99,commonMap:{client:{fk:’flightKey’,gp:’groupAssignment’,optkey:’optKey’,clid:’clientId’},event:{evt:’type’},userStatic:{rid:’requestId’},userDynamic:{cts:’timeStamp’,evn:’eventNumber’}},impr:{param:{evt:’impr’,js:’1′},paramMap:{client:{rf:’referrer’,cu:’pageUrl’,sl:’silverlightEnabled’,slv:’silverlightVersion’,bh:’height’,bw:’width’,cu:’pageUrl’,scr:’screenResolution’,sd:’colorDepth’,’dv.DateTime’:’dateTime’,’dv.PgTitle’:’pageTitle’},sitePage:{di:’domainId’,pi:’propertyId’,ps:’propertySpecific’,br:’channel’,mk:’lang’, pn:’pageName’,pid:’pageId’,su:’sourceUrl’},userStatic:{pp:’signedIn’,bd:’birthdate’,gnd:’gender’},userDynamic:{‘dv.SnLogin’:’settings’,hp:’isHomePage’}}},click:{paramMap:{report:{ce:’contentElement’,cm:’contentModule’,hl:’headline’,du:’destinationUrl’}}},unload:{/**/}}),new $.track.genericTracking({base:”http://c.br.msn.com/c.gif?&#8221;,linkTrack:0,impr:{param:{udc:’true’},paramMap:{client:{rf:’referrer’},sitePage:{di:’domainId’,pi:’propertyId’,ps:’propertySpecific’,tp:’sourceUrl’},userStatic:{rid:’requestId’},userDynamic:{rnd:’timeStamp’}}}}));
// ]]>

Um dia histórico para a vida de qualquer corintiano. Acabaram de vez quaiquer que fossem as brincadeiras dos torcedores rivais

 

Depois da América e do Mundo, Corinthians enterra provocações e inaugura casa própria

Corinthians inaugura nova casa neste domingo diante do Figueirense

Um dia histórico para a vida de qualquer corintiano. Acabaram de vez quaiquer que fossem as brincadeiras dos torcedores rivais. Depois de conquistar a América – e com direito a uma impecável campanha invicta – e de levar o Mundo sem nenhuma contestação, o Corinthians finalmente ganha a sua casa nova. E cerca de 40 mil pessoas rapidamente se movimentaram e compraram todos os ingressos a venda para lotar o duelo diante do Figueirense, válido pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

E ninguém consegue esconder que o duelo deste domingo terá um gostinho mais do que especial. “O torcedor sempre esperou por isso (jogo na Arena), apesar de que o Pacaembu sempre foi também a casa do Corinthians. Mas é diferente, agora temos a nossa casa e poder participar desta festa me deixa muito feliz”, afirma Petros.

Para a festa de inauguração, o Corinthians pode ir com uma alteração em relação ao time que estava jogando nas últimas partidas. Depois de marcar um gol e, até mais importante, conseguir se movimentar bem no amistoso contra o Atlético-PR, Renato Augusto entrou na briga pela vaga de Petros no meio de campo.

GALERIA Veja tudo sobre a nova casa corintiana

Com a participação garantida na emblemática partida, outro jogador mira escrever seu nome em letras ainda maiores na páginas da história alvinegra. E se o primeiro gol da Arena do Corinthians, “o clube mais brasileiro” como canta seu hino, fosse de um estrangeiro? O peruano Paolo Guerrero sonha com o feito, mas garante não ter vaidade e revela conversa neste sentido com o técnico Mano Menezes.

“O professor comentou. Teve algumas coisas neste sentido que ele comentou. E é importante porque, pela idade que tem o time, alguns já querem fazer o gol”, comenta. “Mas o professor não quer que isso tire o foco principal da nossa cabeça, que é ganhar o jogo. Então, seja quem for que faça o gol, será comemorado por nós todos”, garante o centroavante, que anotou dois dos mais importantes gols da história do clube no Mundial de 2012.

A festa, porém, só será completa em caso de vitória. Contra o último colocado e em casa – e finalmente em casa! -, o time alvinegro precisa vencer para seguir nas primeiras colocações. Com oito pontos, a equipe atualmente ocupa a quarta posição, mas pode chegar à liderança se sair de campo com o triunfo.

O único convidado para a cerimônia que não quer saber de festa é o Figueirense. Lanterna do Campeonato Brasileiro, o time catarinense vai a Itaquera para tentar frustrar os planos alvinegros. Sem nenhum ponto conquistado em quatro jogos, os visitantes devem apostar no jogo defensivo para segurar o anfitrião.

O técnico Guto Ferreira deve manter o time que encarou o Santos no último dia 11, com exceção do zagueiro Raul, que acabou expulso naquela ocasião. Entre os titulares, um conhecido da torcida corintiana: Éverton Santos, que defendeu e acabou rebaixado em 2007.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS X FIGUEIRENSE

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 18 de maio de 2014, domingo

Horário: 16h (horário de Brasília)

Árbitro: Jailson Macêdo Freitas (BA)

Assistentes: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (BA) e Adson Márcio Lopes Leal (BA)

CORINTHIANS: Cássio, Fábio Santos, Gil, Cleber e Fagner; Ralf, Guilherme, Petros (Renato Augusto) e Jadson; Romarinho e Paolo Guerrero

Técnico: Mano Menezes

FIGUEIRENSE: Tiago Volpi; Artur, Marquinhos, Leandro Silva e Guilherme Lazaroni; Nem, Luan, Marco Antônio (Rivaldo) e Dudu; Everton Santos e Ricardo Bueno

Técnico: Guto Ferreira

Itaquera cobra governo, e corintiano teme elitização da torcida em nova arena

 

Enquanto o morador do entorno do Itaquerão aguarda as melhorias prometidas para a região, torcedor teme que luxo e conforto da nova casa do Corinthians inflacione o ingresso

O torcedor do Corinthians está orgulhoso por finalmente ter um estádio próprio. A zona leste de São Paulo, onde fica a arena que também sediará a abertura da Copa do Mundo, comemora a presença de turistas de todos os cantos do planeta. Mas a alegria não impede o corintiano e o morador de Itaquera, por vezes a mesma pessoa, de cobrar aquilo que julgam de direito no próprio estádio e, principalmente, no entorno.

Feliz por um lado, o corintiano Alberto Gomes custa a acreditar que enfim poderá torcer pelo clube de coração em seu próprio estádio, um presente há tanto prometido e só agora cumprido. Por outro lado, ‘Favella”, apelido do líder comunitário, incomoda-se, a menos de um mês da abertura do Mundial, com o fato de as promessas feitas à região não terem se concretizado.

Relembre, em fotos, o jogo entre ídolos do Corinthians na arena:

 
 
Ídolos corintianos comemoram com Rivellino na inauguração do estádio. Foto: Daniel Vorley/Agif/Gazeta Press
1/11
 

Confira a tabela de jogos da Copa do Mundo de 2014 e programe-se

“Como torcedor corintiano, fico muito feliz de o estádio estar aqui. Mas, como cidadão, morador de Itaquera, ainda não vi a contrapartida. Quando passar a Copa, espero que apareça alguma coisa. Estou feliz de o Corinthians ter a sua casa, mas, como teve dinheiro público em uma área pública, tem que investir em educação e segurança”, cobra Alberto.

A região de Itaquera de fato não viu o progresso prometido. Mesmo as obras viárias, que já começaram, não serão concluídas para a Copa do Mundo. Um passeio despretensioso pelo entorno do estádio deixa claro que de 12 de junho, dia de Brasil x Croácia, é um prazo apertado demais, praticamente impossível de cumprir.

se os moradores de Itaquera cobram os governantes, os torcedores de arquibancada do Corinthians cobram os cartolas do clube. Afinal, temem perder espaço nas arquibancadas devido ao alto preço dos ingressos. Na inauguração oficial, o jogo deste domingo entre Corinthians e Figueirense, às 16h, os valores assustaram: entre R$ 50 e R$ 400, com pequeno desconto para o sócio-torcedor, que pagou R$ 35.

 

RENATO SILVESTRE/Gazeta Press

Mesmo não estando 100%, estádio do Corinthians vai receber primeiro jogo oficial neste domingo

“O nosso lazer é ir ao estádio de futebol. A gente não conhece teatro, cinema, parque… A gente é de Diadema. Então, são R$ 50 do ingresso, mais os R$ 15 da passagem. Fora o lanche, entendeu? Como tem jogo de quarta e domingo, isso quebra! Nossa preocupação maior é que podem tirar o torcedor do campo e botar os telespectadores”, diz Rogério Maldonado, o Bambu, presidente da Estopim da Fiel.

O temor é compartilhado pelas demais organizadas do Corinthians, incomodadas com os parâmetros estabelecidos em um estádio com padrão Fifa. Depois de comemorar a vitória sobre o Atlético-PR na reinauguração da Arena da Baixada, em amistoso na última quarta-feira, a torcida Pavilhão Nove publicou fotos do triunfo com a seguinte legenda: “Padrão Fifa é o c…! Respeita a favela!”.

Conforto, luxo e ingressos caros

O padrão é elevado no estádio de Itaquera, ainda que as obras estejam em andamento e o bairro esteja longe de ser nobre. Quem já esteve no local observou, por exemplo, banheiros antes inimagináveis em jogos do time do Parque São Jorge. Um conforto muitas vezes caro demais.

“Vão começar a idolatrar o estádio: ‘Olha que lindo!’. E é verdade. Eu estive no Maracanã, em Brasília, na Arena da Baixada, onde mais? Nenhuma dessas arenas se compara com a Arena Corinthians. É impressionante a comparação. Na Arena do Grêmio, é cimento liso pintado. Aqui, é mármore! Está bem faraônico”, analisa Bambu, numa mescla de satisfação e temor. “Tudo bem, a torcida do Corinthians merece todo o luxo. Mas a gente teme que o preço afaste o banguela, o descabelado, o que usa a camisa do camelô…”.

*com Gazeta

Jogo no Itaquerão pode dar renda recorde ao Corinthians

Estadão Conteúdo

No primeiro jogo oficial do Itaquerão, neste domingo, contra o Figueirense, o Corinthians poderá chegar perto (ou até superar) seu recorde de arrecadação como mandante. Por outro lado, houve reclamação por parte de torcedores que participam do programa de fidelidade do clube. O motivo: o alto valor dos ingressos. Os preços podem ser reduzidos depois da Copa do Mundo. Os cerca de 36 mil bilhetes foram vendidos pela internet apenas a integrantes do Fiel Torcedor, que têm 30% de desconto em cada ingresso.

A projeção de arrecadação do clube é de R$ 3 milhões, segundo o gerente de operações da arena, Lúcio Blanco. O valor é muito próximo da maior renda já registrada na história do clube: R$ 2 9 milhões, arrecadados na eliminação para o Flamengo, apesar da vitória (2 a 1), nas oitavas de final da Libertadores, em 2010, no Pacaembu.

Arrecadar R$ 3 milhões no domingo é uma projeção factível. Basta usar como exemplo o jogo do sábado passado, no amistoso de veteranos que marcou a inauguração do estádio. Foram vendidos 17 mil ingressos e, segundo Blanco, a renda do jogo chegou a R$ 800 mil.

O valor dos bilhetes sofreu um aumento de até 350% em comparação com os praticados no Pacaembu. E foi assunto de vários torcedores nas redes sociais. Os mais prejudicados foram os que participam do plano Minha História, que pagam R$ 600 de anuidade.

No Pacaembu, esses sócios pagavam R$ 70 o ingresso (cadeira laranja). No Itaquerão, contra o Figueirense, para esse torcedor comprar um ingresso compatível (no meio de campo), ele tinha duas opções: leste inferior (R$ 180) ou oeste inferior (R$ 250).
 

N/A

O valor dos bilhetes sofreu um aumento de até 350% em comparação com os praticados no Pacaembu

Os ingressos para o jogo de domingo custavam de R$ 50 (atrás dos gols, setor norte ou sul) a R$ 400 (área vip). “O grande problema foi que não tivemos como utilizar as cadeiras provisórias, infelizmente não pudemos agradar a todos”, afirmou Blanco.

O Corinthians já divulgou um comunicado oficial em seu site em que admitia que ajustes podem ser feitos. “O clube vai errar e acertar até alinhar o serviço e os valores que pretende oferecer aos seus torcedores”, dizia a nota oficial.

Na sexta-feira, o ex-presidente Andrés Sanches, que antes do estádio ficar pronto, garantia que 40% dos ingressos teriam preços populares, também falou em adequar os valores. “Quando as provisórias estiverem liberadas será outro cenário”, falou Andrés, que lembrou que o estádio tem um custo. “Mas não queremos explorar ninguém, haverá lugares para todos, caros e baratos.”

O Itaquerão, orçado em R$ 820 milhões, custou R$ 1,1 bilhão. O Corinthians precisou pegar um outro empréstimo (R$ 350 milhões), além do já oferecido pelo BNDES, para fechar a conta. As arquibancadas provisórias para a Copa devem ser usadas até o fim do ano

Corinthians tem bens penhorados por dívida de R$ 120 milhões

DIÁRIO DA MANHÃ|ANA CLÉIA DE SOUZA

Foto: Divulgação/Internet

Foto: Divulgação/Internet

Dívidas fiscais em torno de R$ 120 milhões fez a Justiça Federal penhorar parte das receitas e alguns imóveis do Corinthians. Uma porcentagem do faturamento do clube que não foi revelado deverá ser destinada para quitar esse débito.

Desde quando Andrés Sanchez assumiu a diretoria do Corinthians que imposto de renda e contribuições previdenciárias deixaram de ser pagas. A confirmação partiu dos próprios cartolas.

O assunto veio à tona no final de 2013, tornando inviável a situação financeira do clube. Quase foi perdido o patrocínio da Caixa Econômica Federal por conta dos escândalos.

A penhora foi uma espécie de acordo para que o Corinthians não fosse ainda mais prejudicado, uma vez que a construção do Itaquerão é financiado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Embora o dinheiro não seja destinado diretamente ao clube mas serão os corintianos que irão usufruir da arena.

“Estabelecemos uma política de ir ajeitando a casa aos poucos. Primeiro, investimos no futebol para recuperar o clube e ai não dava para pagar impostos. Depois, passamos a pagar impostos quando estávamos mais ajeitados. Hoje, pagamos regularmente.. Agora, tem esse resíduo para pagar”, explicou o diretor financeiro do Corinthians, Raul Corrêa e Silva.

Responsável por levar Copa para Itaquera, Ronaldo vê Corinthians em novo patamar

Por Bruno Winckler – iG São Paulo | 16/05/2014
 
Em entrevista ao iG, ex-atacante do clube e membro do COL valoriza conquista do clube e para a zona leste de São Paulo

É comum entre os dirigentes da atual gestão do Corinthians ouvir a frase que existe um clube antes de Ronaldo e um outro depois de Ronaldo. Foi o ex-presidente Andrés Sanchez, responsável por sua contratação em dezembro de 2008, que propagou essa sentença, hoje verdade incontestável entre muitos corintianos. Agora, prestes a ver o estádio corintiano aberto pela primeira vez para um jogo oficial, domingo, contra o Figueirense, o ex-atacante e membro do COL (Comitê Organizador Local) da Copa de 2014 se empolga com o que a obra orçada em mais de R$ 1 bilhão representará para o Corinthians e para a zona leste de São Paulo.

Djalma Vassão/Gazeta Press

Ronaldo em visita à Arena Corinthians em abril

“A torcida do Corinthians merecia esse novo estádio, por tudo que faz e já fez pelo clube. Será um salto importante para que o Corinthians desenvolva ainda mais sua marca”, disse Ronaldo em entrevista por e-mail ao iG.

Um dos idealizadores da modernização do centro de treinamento do clube inaugurado em setembro de 2010, Ronaldo também fez parte do grupo que agiu junto ao governo federal para fazer do estádio corintiano o palco de São Paulo na Copa do Mundo.

Reprodução/Fifa.com]

Ronaldo e o ministro Aldo Rebelo em visita ao estádio do Corinthians

Leia a entrevista por e-mail feita com Ronaldo:

iG – Você estava ao lado do prefeito de São Paulo e do governador de São Paulo quando foi anunciado que a Arena Corinthians abriria a Copa do Mundo. Desde aquele dia houve um esforço para ter esse estádio pronto e, ainda que com tristes percalços, ele foi mantido como o palco do jogo inaugural. Qual foi sua influência nessa decisão de São Paulo receber a primeira partida da Copa e ser mantida como tal após tantas dúvidas?
Ronaldo – Como membro do COL, participo de uma série de discussões, essa foi uma delas. Tenho um carinho enorme pelo Corinthians, mas quando o assunto é Copa eu sou parte do grupo que busca as melhores soluções para os desafios que a gente encontra e para garantir o sucesso desse evento, que eu acredito que trará muitos benefícios para o nosso país. Sempre trabalhamos em parceria com as 12 sedes e, no caso de São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, com os três clubes também.

iG – Mais do que um estádio de Copa, o legado da Arena Corinthians vai além do jogo de abertura. Representa muito para toda a região da zona leste de São Paulo. O que esse estádio vai significar para Itaquera depois da Copa do Mundo?
Ronaldo – A Arena Corinthians movimentou e continua movimentando a economia da Zona Leste de São Paulo. Foram criados empregos diretos e indiretos graças à construção do estádio e às obras do entorno. O mundo todo vai estar olhando para Itaquera no dia 12 de junho. Obras de mobilidade urbana e infraestrutura estão sendo realizadas para melhorar a vida dos moradores da região. É importante dizer que o desenvolvimento vai continuar, trazendo benefícios para o comércio local, já que a torcida do Corinthians certamente vai encher o estádio nos jogos que virão depois da Copa.

iG – Depois de anos na Europa, você teve os dois últimos anos da sua carreira como jogador no Corinthians. Viu de perto o esforço do clube para dar um salto importante na sua história e ajudou muito nisso. Qual o poder que esse estádio em Itaquera terá nessa nova fase do Corinthians?
Ronaldo – A torcida do Corinthians merecia esse novo estádio, por tudo que faz e já fez pelo clube. Será um salto importante para que o Corinthians desenvolva ainda mais sua marca e possa fidelizar seu torcedor, que irá se identificar com o Itaquerão. Será um caldeirão, tenho certeza que a Fiel vai lotar todo jogo na nova casa, que está ficando linda.

iG – Após sua aposentadoria dos gramados, você abraçou São Paulo como sua casa. Constituiu sua empresa na cidade e agora, como membro do COL, pode ver os avanços que a Copa trará para a cidade e vice-versa. Quais são as principais vantagens que a Copa do Mundo terá em receber seu primeiro jogo em São Paulo?
Ronaldo – Sabemos que São Paulo tem uma grande responsabilidade por dar o pontapé inicial na Copa do Mundo no País do Futebol. São Paulo é a maior cidade da América Latina e já está acostumada a receber grandes eventos. A cidade tem o maior aeroporto do país, o trem expresso que vai sair da Estação da Luz e levar até o estádio, o amor pelo futebol. Tem tudo pra ser uma grande festa e São Paulo vai encantar pela diversidade da cidade e pelo profissionalismo e alto nível de serviço.

iG – Como membro do COL, você viajou a outras sedes e viu de perto as obras que cada uma delas está fazendo para receber a Copa. Em que patamar você coloca São Paulo na comparação com as outras sedes, principalmente em relação às obras de mobilidade?
Ronaldo – As cidades são diferentes, difícil comparar. São Paulo é a maior cidade do Brasil, a mais rica, possui uma extensa linha de metrô e trem, por exemplo. Sempre há o que melhorar e Itaquera está passando por intervenções, mas talvez o impacto em termos de obras de mobilidade seja muito maior em Cuiabá, por exemplo. Muitas obras que a população dessas doze sedes precisa estão saindo do papel. Em alguns casos, pode ser que não fiquem 100% prontas para a Copa. Mas se ficar alguns meses depois, a população vai ser beneficiada, e isso é o mais importante.

Veja fotos recentes da obras na Arena Corinthians:

 
 
Visão externa da Arena Corinthians a partir do terminal Itaquera do metrô. Foto: Thiago Rocha/iG
1/12

Antes da estreia, Corinthians planeja treinar no novo estádio

Estadão Conteúdo

Para se ambientar ao novo estádio, o Corinthians quer treinar dois dias no Itaquerão antes da partida contra o Figueirense, domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Segundo o técnico Mano Menezes, a ideia é que os atletas conheçam melhor o local onde vão jogar.

“Queremos fazer dois treinamentos no novo estádio para a equipe se acostumar, tudo é muito novo”, afirmou Mano. “Esperamos que o público compareça e crie um ambiente favorável, sempre foi assim estabelecendo uma identidade entre torcida e time”.

Nesta terça-feira, começa a venda, pela internet, dos ingressos para o jogo de domingo no Itaquerão. A ideia era colocar 50 mil pessoas no estádio, mas a carga máxima de ingressos deverá ficar entre 40 e 43 mil. O jogo é considerado evento-teste da Fifa para a Copa do Mundo.

N/A

Depois do jogo festivo para marcar entrega do estádio, Corinthians quer fazer uso mais constante de sua arena

Logística

Para que estes dois treinos pretendidos por Mano aconteçam no Itaquerão, o planejamento foi refeito para a disputa do amistoso de quarta-feira, contra o Atlético-PR, na inauguração da Arena da Baixada, em Curitiba.

Mano e a comissão técnica decidiram que a delegação vai viajar para Curitiba só no dia do jogo, assim a equipe não “perde” o treino de terça-feira. “Não mexe no nosso trabalho. E também estamos estudando a possibilidade de voltar quarta-feira mesmo, logo após o jogo, o que seria melhor”, explicou.

Outra preocupação é evitar que o elenco se desgaste por causa de um amistoso. A prioridade é o jogo contra o Figueirense no domingo. Não só pelos três pontos na classificação do Brasileirão, mas também pelo significado da partida, a primeira oficial na nova casa. Por isso, contra o Atlético-PR, Mano vai usar os titulares no primeiro tempo e mudar a equipe no segundo tempo. “Parte do jogo será o grupo principal, na outra vamos usar a equipe que não vem jogando”, adiantou.

Corinthians sai na frente, mas São Paulo busca empate

Estadão Conteúdo

Demorou quase 40 minutos para que alguém desse o primeiro chute a gol na Arena Barueri. Mas, no fim, São Paulo e Corinthians fizeram um bom clássico neste domingo, pela quarta rodada do Brasileirão. Fagner abriu o placar e Luis Fabiano deixou tudo igual, depois de mais uma assistência de Paulo Henrique Ganso. O 1 a 1 acabou sendo mesmo o resultado mais justo.

Líder no começo da rodada, o Corinthians caiu para o terceiro lugar, com oito pontos. Ao ver Luis Fabiano empatar, sofreu seu primeiro gol no Brasileirão. A equipe, eliminada na primeira fase do Paulista, não tinha sua defesa vazada desde que levou 3 a 2 do São Paulo, em 9 de março.
 

N/A

Luis Fabiano é marcado por dois jogadores rivais em cobrança de escanteio a favor do São Paulo

 

Já o São Paulo, que mandou o jogo em Barueri porque o Morumbi recebeu shows durante a semana e a CBF não aceitou a inversão de mando, agora é o nono, com seis pontos. De qualquer forma, ainda está invicto, com uma vitória e três empates seguidos.

Domingo que vem o Corinthians joga pela primeira vez no Itaquerão, diante do Figueirense. O São Paulo vai ao Rio pegar o Flamengo no Maracanã, outro estádio da Copa.

O JOGO 

Com Pato e Jadson vetados por força dos acordo entre as diretorias, que trocaram os jogadores, os dois treinadores tiveram que mexer em seus times. Muricy Ramalho escolheu Ademilson, que jogava aberto pela ponta direita. No Corinthians entrou Danilo, que sempre atua bem contra o ex-time.

Os minutos iniciais foram comandados pelo São Paulo, que mal deixou o Corinthians passar do meio-campo. Souza e Maicon começavam as jogadas, desarmando, mas a falta de mobilidade impedia que os atacantes criassem chances de gol. Em meia hora de domínio tricolor, nenhum chute.

Só quando o Corinthians passou a trabalhar mais a bola, com os jogadores mais compactados, é que conseguiu equilibrar o jogo. Deu o primeiro chute, com Danilo, e logo Ganso respondeu, fazendo Cássio trabalhar. Depois isso começou um clássico de verdade.

Rogério Ceni salvou o São Paulo numa defesa à queima-roupa de Ralf, na pequena área. Do outro lado, já aos 44, Osvaldo ganhou de Cléber na corrida, invadiu a área, chutou cruzado, mas mandou para fora. O zagueiro fez falta no atacante, mas o são-paulino abriu mão do pênalti para tentar o chute.

Na volta para o segundo tempo, o Corinthians era mais atrevido. E não demorou a abrir o placar. Aos 3 minutos, Romarinho carregou a bola e abriu com Guerrero. O peruano voltou para Danilo, que tocou para Fagner receber na direita e fazer 1 a 0. Osvaldo não acompanhou o lateral.

Mais do que acordar o São Paulo, o gol ligou Paulo Henrique Ganso, que parecia fora de sintonia. Não demorou para o que o meia criasse duas boas oportunidades, que não chegaram a dar trabalho a Cássio, mas que mostraram que o time tricolor estava no jogo.

Pabon entrou, também para pilhar a partida, mas era em Ganso e Luis Fabiano que o São Paulo dependia. Os dois funcionaram aos 35 minutos. O meia finalmente acertou uma bola enfiada, desta vez no meio de cinco corintianos, o centroavante foi mais rápido que Cleber, bateu meio que de carrinho, e mandou para dentro.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 1 X 1 CORINTHIANS

SÃO PAULO – Rogério Ceni; Luis Ricardo, Antonio Carlos, Rodrigo Caio e Alvaro Pereira; Souza, Maicon e Paulo Henrique Ganso; Ademilson (Pabón), Osvaldo (Boschilia) e Luis Fabiano. Técnico – Muricy Ramalho.

CORINTHIANS – Cássio; Fagner, Cléber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Guilherme, Petros (Bruno Henrique) e Danilo (Renato Augusto); Romarinho (Luciano) e Guerrero. Técnico – Mano Menezes.

GOL – Fagner, aos 3, e Luis Fabiano, aos 35 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO – Raphael Klaus (SP).

CARTÕES AMARELOS – Maicon, Alvaro Pereira, Luis Ricardo (São Paulo), Luciano e Petros (Corinthians).

RENDA – R$ 244.775,00.

PÚBLICO – 14.000 pagantes.

LOCAL – Arena Barueri, em Barueri (SP).

Corinthians aposta alto na venda dos naming rights do estádio

Andrés Sanchez vai para Dubai para tirar dúvidas dos árabes da Emirates

Almir Leite e Paulo Favero – O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – O Corinthians não tem dúvidas de que as receitas que o estádio em Itaquera pode gerar vão conseguir superar com folga os gastos, que só aumentaram desde que o clube decidiu construir a sua própria arena. A começar pela venda dos naming rights, o direito de batizar a nova casa. Andrés Sanchez, ex-presidente do clube e responsável pelas obras, viaja neste sábado para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, para ter uma reunião importante com a Emirates.

Torcida marca presença na Arena Corinthians - JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão
Torcida marca presença na Arena Corinthians
Ele esteve lá há poucas semanas, quando levou uma apresentação formal do projeto de naming rights. Acabou chamando a atenção dos árabes, que o convidaram para voltar para o Oriente Médio a fim de esclarecer algumas dúvidas. Tanto que ele fez questão de ir logo, mesmo tendo de embarcar poucas horas depois do evento de inauguração do estádio, a festa da Fiel para 20 mil pessoas.

O pedido, que antes muitos consideravam extravagante, é de no mínimo R$ 400 milhões pelo direito de dar nome ao campo por 20 anos. Para a empresa árabe, o valor não chega a ser tão alto, até porque ela tem ambição de ampliar seu investimento no futebol. Atualmente, patrocina grandes clubes como o Real Madrid, o Arsenal e o Paris Saint-Germain. Também foi patrocinadora oficial da Copa de 2006.

Se o dirigente voltar da viagem com um acerto, já será boa notícia, pois o Corinthians precisa começar a fazer caixa com urgência. Até agora o estádio foi só custo e, com a Copa, a arena não poderá ser usada a partir do dia 21 de maio. Após o Mundial, o clube voltará os esforços para ampliar a receita.

Andrés já revelou em conversa com o Estado ter expectativa de receita de até R$ 200 milhões/ano com o estádio. Pode ser previsão otimista, mas uma ideia para aumentar os recursos é fazer uma espécie de leilão pelos lugares mais nobres do estádio, por um tempo determinado. A lógica corintiana consiste em ceder seus espaços por um curto período, pois caso contrário o aumento do custo de vida e a inflação podem transformar locais privilegiados da arena em ninharia. Assim, o leilão colocaria um “preço de mercado” nos assentos e o clube poderia conseguir uma receita maior.

Em contrapartida, o estádio vai oferecer setores luxuosos para os torcedores de maior poder aquisitivo. Quando o clube pensava na construção do estádio, encomendou uma pesquisa para traçar o perfil da Fiel e chegou à conclusão de que o Corinthians é o clube brasileiro que tem a maior quantidade de torcedores ricos – em números absolutos, não na proporção.

“Nosso estádio nasceu de um estudo de mercado. Outro ponto é que quem fez o projeto foi o Corinthians, não a empreiteira. Fomos nós que dissemos como deve ser, qual o acabamento e qual a proporção de assentos por faixa de ingresso”, conta Luís Paulo Rosenberg, vice-presidente do clube.

A partir dessa informação, a diretoria da época pensou em oferecer uma série de serviços que não existem em outros estádios brasileiros. Para se ter ideia, o torcedor vip poderá ficar em área exclusiva, com vaga de estacionamento no subsolo, e terá visão privilegiada do campo. No camarote, ele terá à disposição bebida e comida à vontade, que poderá ser servida por um garçom em sua poltrona confeccionada pela Ferrari. Para isso, basta fazer o pedido por celular.

O maior desafio agora é melhorar o acesso ao estádio. Rosenberg já tem um plano e gostaria de vê-lo em prática. “O trem pode fazer do Memorial da América Latina até o estádio em 20 minutos, com duas ou três paradas. O meu modelo ideal seria alugar o estacionamento do Memorial de quarta-feira e colocar um sistema de vans até a estação de trem. O torcedor iria de trem, de preferência com vagões de primeira e segunda classe para poder cobrar valor diferenciado, e a estação ficaria aberta até a volta. Isso transformaria o estádio em um local praticamente tão acessível quanto o Pacaembu.”

 

Corinthians vai reunir 150 ex-jogadores no Itaquerão

Estadão Conteúdo

O Corinthians vai homenagear alguns dos principais ídolos de sua centenária história num dia mais que emblemático: a inauguração do Itaquerão. Segundo o ex-jogador Basílio, um dos organizadores da festa no novo estádio, 150 ex-atletas do clube confirmaram presença no evento, neste sábado, a partir das 10 horas. “Serão seis jogos de 15 minutos a partir das 10 horas. Estão confirmados 110 jogadores no campo. Outros 40 jogadores também estarão presentes”, afirmou o autor do gol do título do Paulistão de 77.

O ponto de partida do encontro é o Parque São Jorge. A grande maioria dos ex-jogadores saíra de ônibus da sede social em direção ao estádio às 8 horas deste sábado. As homenagens começarão tão logo todos estejam no Itaquerão. Eles vão usar os vestiários como se fosse um jogo oficial. E seus familiares ficarão num setor específico das arquibancadas.

O Corinthians promete uma grande festa na inauguração do seu estádio, em Itaquera

O Corinthians promete uma grande festa na inauguração do seu estádio, em Itaquera

As gerações de craques mais vencedoras da história corintiana estarão presentes. Basílio e outros de sua época simbolizam o título de 77. Biro-Biro e Wladimir são ícones da Democracia Corinthians. O ex-goleiro Ronaldo lidera o time campeão Brasileiro de 90. Marcelinho Carioca, Vampeta e Rincón revivem o timaço de 98 99 e 2000. Alessandro, capitão da Libertadores e do Mundial, também estará presente.

“É como checar em Hollywood”, disse Marcelinho Carioca, sobre o novo estádio corintiano. “Antes, a gente estava sempre na casa do vizinho, agora é a nossa casa. É emocionante jogar com meus companheiros no estádio que será o abertura da Copa.”

Por motivos de agenda e incompatibilidade de horários, apenas dois ídolos não estarão presentes: Neto e Ronaldo. Do elenco atual, apenas Elias e Jadson, que não enfrentam o São Paulo no clássico deste domingo, estarão presentes na inauguração corintiana do Itaquerão. O clube irá transmitir as partidas festivas ao vivo, em seu canal na internet.

Para o evento deste sábado, o clube só pôde vender 20 mil ingressos, o número máximo permitido pelo Corpo de Bombeiros. Todos os bilhetes foram vendidos pela internet e se esgotaram em menos de oito horas.

noticias gerais e, especificamente, do bairro do Brás, principalmente do comércio