Arquivo da tag: DERROCADA

Imprensa mundial decreta o fim de uma era no futebol espanhol

Sergio Busquets fica abatido após a eliminação da Espanha no jogo contra o Chile, nesta quarta-feira (18), no Maracanã.

Sergio Busquets fica abatido após a eliminação da Espanha no jogo contra o Chile, nesta quarta-feira (18), no Maracanã|REUTERS/Jorge Silva|Adriana Moysés

A imprensa mundial é unânime: a eliminação da Espanha na primeira fase da Copa do Mundo, após duas derrotas consecutivas contra a Holanda e o Chile, representa o fim de um ciclo, de uma geração de campeões que se esgotou. Na Alemanha, o Bild diz que o futebol tique-taque dos espanhóis está morto. “Foi um desastre”, afirma o italiano Gazzeta dello Sport, enquanto o francês L’Equipe destaca que ser campeão do mundo não é garantia de proteção e a Espanha entregou sua coroa.

“A Espanha afundou como o Titanic”, diz o jornal El País. “Foi bonito enquanto durou, mas a Fúria não teve jogadas nem sorte”, diz o diário espanhol AS. “A Espanha se despede pela porta dos fundos”, lamenta o Mundo Deportivo. “Triste adeus”, exclama o Marca, destacando que “a Espanha deixa a Copa com uma imagem muito pobre”. Xabi Alonso reconhece no Marca que mentalmente os jogadores espanhóis não estavam preparados para o Mundial no Brasil.

A imprensa britânica também é dura com os espanhóis. O Mirror afirma que após seis anos de domínio internacional, a Espanha jogou o pior Mundial de sua história. Para o Daily Mail, a vitória do Chile no Maracanã foi merecida e o diário questiona se o futebol tique-taque realmente existiu algum dia. A era da Espanha terminou no Maracanã, diz o The Guardian, comparando o estádio carioca a um “cemitério de grandes expectativas”.

Como tudo é uma questão de ponto de vista, o jornal chileno La Tercera declara que o Maracanã “não é um estádio maldito e sim um estádio épico, da glória chilena”. O argentinoOlé fala em despedida cruel para essa geração de craques espanhóis. O tique-taque é um modelo de jogo admirado em todo o mundo, mas, pelo visto, exige mudanças, avalia o jornal argentino.