Arquivo da tag: Futebol

CLIPE “SUOR NÃO TEM COR” REÚNE O FUTEBOL E RAP CONTRA O RACISMO

O vídeo inspirou a criação do movimento #suornãotemcor, no qual artistas e atletas levantam a bandeira da luta contra o racismo presente no futebol, no meio artístico e na sociedade como um todo

 

O vídeo clipe foi gravado com a participação de rappers e atletas. As filmagens foram realizadas no tradicional estádio do Juventus, em São Paulo e no estádio do Grêmio em Osasco, reunindo artistas e crianças.  Entre os cantores estão: Edi Rock e Ice Blue, Dj. Cuca, Tulio Dek, DBS, Ndee Naldinho; Maurício DTS , Gregory, Crônica Mendes e Toddy, um dos maiores vídeo makers do Brasil.

Atletas internacionais e nacionais de destaque como o atacante da Seleção Italiana Mario Balotelli , Yaya Toure, volante da Costa do Marfim e Marta Vieira eleita a melhor jogadora de futebol do mundo, também deixaram sua mensagem de apoio no videoclipe da canção. Ambos já foram vítimas de ofensas racistas em partidas de futebol.

Copa do Mundo: ribeirinhos do Amazonas relatam dificuldades e amor para assistir jogos

Comunidades às margens do rio Negro torcem pelo Brasil, mas ribeirinhos idolatram estrangeiros

Portal Amazônia

MANAUS – Manaus recebeu quatro jogos durante a Copa do Mundo de Futebol. Entretanto, na região do Baixo Rio Negro, o futebol é parte integrante da vida dos ribeirinhos e a confiança no hexacampeonato mundial do Brasil é grande. Percebe-se ainda que o fenômeno da ‘globalização do futebol’ também invadiu as comunidades. Neste sábado (28), o Brasil entra em campo contra o Chile e os torcedores da comunidade estarão reunidos. Conheça a vida desses ribeirinhos:

Futebol mobiliza centenas de pessoas nas comunidades ribeirinhas, principalmente nos campeonatos locais. Foto: Acervo/FAS

Globalização do futebol

Na comunidade Tumbira, localizada à margem direita do Rio Negro, um jovem caminha com a camisa 7 da seleção de Portugal – número do craque Cristiano Ronaldo. Este é apenas um dos indícios de que o fenômeno da ‘globalização do futebol’ também atingiu as comunidades ribeirinhas do Amazonas. Ao serem perguntados sobre seus ídolos do futebol, a maioria dos jovens cita jogadores de outros países, especialmente o argentino Messi e o próprio Cristiano Ronaldo. Nem mesmo o badalado Neymar supera os dois craques estrangeiros em popularidade na região.

O menino que vestia a camisa de ‘CR7′ é Giovanni Garrido, de 16 anos. Apesar da idolatria pelo craque português, o jovem garante que sua torcida estará com a seleção brasileira. “Aqui a maioria das pessoas assistem juntas, eu gosto de chamar a galera pra assistir os jogos aqui em casa. Lembro muito de 2002 quando o Brasil foi campeão, na época do Ronaldo”, recordou.

Português Cristiano Ronaldo é ídolo entre os jovens ribeirinhos. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

Sem nunca ter ido a um estádio de futebol na vida, Giovanni define como um ‘sonho’ a possibilidade de assistir a um jogo na Arena da Amazônia. “Ainda não assisti nenhum jogo no estádio, mas tenho vontade. Conheço a Arena por fotos. Seria uma emoção muito grande ir lá. Principalmente pra quem está acostumado só em assistir pela TV, então seria muito emocionante”.

Paixão pelo futebol

Vitor Garrido, também de 16 anos, concilia a paixão pelo futebol com o seu trabalho de marceneiro. Fanático pelo esporte bretão, o ribeirinho disputa torneios de futebol organizados pelas próprias comunidades e que são muito populares no Baixo Rio Negro. O jovem relembra a última Copa do Mundo, na qual o Brasil foi eliminado para a Holanda nas quartas de final. “A Copa de 2010 foi muito triste, mas eu tenho certeza que dessa vez o Brasil vai ganhar”.

Vitor Garrido trabalha como marceneiro e nutre paixão pelo futebol. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

Vitor também afirma que a comunidade se mobiliza para acompanhar a seleção brasileira. “Quando o Brasil ganha, é festa que não tem hora pra acabar. O pessoal solta foguetes, é uma grande festa”, contou.

Ainda na comunidade Tumbira, Roberto Mendonça é dono do principal ‘ponto de encontro’ dos torcedores da região em jogos de futebol, a Pousada Garrido. “Como futebol é uma paixão do brasileiro, todo mundo aqui se concentra numa sala grande, escolhe a maior televisão que tem na comunidade e a gente acompanha”. Perguntado se a maior televisão da comunidade seria a sua, Roberto não titubeou. “Com certeza. Colocolo em frente a pousada para a galera vibrar”, brincou.

Passado e presente

Na comunidade Santa Helena do Inglês, também à margem direita do rio Negro, Pedro Vidal faz parte do passado e do presente da torcida pela seleção brasileira. Ao mesmo tempo em que varre um pátio aparentemente abandonado sem tirar o sorriso do rosto, o ribeirinho exibe com orgulho a camisa do Brasil que veste. “A gente está no País da Copa e por isso eu vesti essa camisa, porque eu amo”.

Pedro Vidal exibe camisa da seleção brasileira. Seu time do coração é o Santa Helena, clube da comunidade. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

Um dos fundadores de sua comunidade e apaixonado por futebol desde os 13 anos, Pedro acompanhava os jogos da seleção na infância pelo ‘radinho’ de pilha. “Só em 82 que a gente conseguiu comprar uma TV preta e branca”, relembrou. O que era um privilégio de poucos àquela época, hoje é uma realidade. Toda a comunidade atualmente é abastecida pelo programa ‘Luz para Todos’, do Governo Federal, que leva energia elétrica para a população do meio rural – desta forma, hoje em dia todos os moradores assistem aos jogos pela televisão.

Fã de Pelé, Garrincha e Romário, Pedro confia que a Copa de 2014 será de Neymar. “Na seleção atual a gente tá com uma boa esperança que essa é a vez do Neymar. Ele é um cara novo, e quando a pessoa tem vocação para o futebol, ela vai evoluindo a cada ano e mudando o seu estilo de jogo para melhor”.

Um dos times de futebol ribeirinhos do Baixo Rio Negro. Foto: Acervo/FAS

Ao contrário dos outros moradores de Santa Helena do Inglês, Pedro já teve oportunidade de assistir a um jogo da seleção brasileira in loco, ainda no antigo estádio Vivaldo Lima. “Quando eu era jovem eu sempre assistia jogos em Manaus. Cheguei a ver a seleção brasileira jogando lá, se eu não me engano em 1970. Foi na época do Tostão, ele até fez um gol contra a seleção amazonense”. Ele também nutre o sonho de conhecer a nova Arena da Amazônia. “Eu fui no Vivaldo Lima assistir vários jogos. Agora na Arena [da Amazônia] eu ainda não fui, mas tenho certeza que ainda vou. Tá muito bonita, nota dez”.

Assim como no Tumbira, a comunidade do Santa Helena do Inglês também ganhou um ‘ponto de encontro’ para torcer pelo Brasil na Copa: a Pousada Vista Rio Negro, inaugurada em maio. “Como a gente vai ter agora a pousada, geralmente em dia de jogo da Copa a gente se reúne e assiste, fica tomando uma cervejinha, assistindo pela TV”, conta o dono do estabelecimento e líder da comunidade, Nélson Mendonça.

Pousada do Garrido, na comunidade Tumbira, vai receber turistas franceses e alemães durante a Copa. Foto: Gabriel Seixas/Portal Amazônia

 

Le Monde tenta explicar excelente média de gols na Copa 2014

Neymar, um dos artilheiros do mundial, comemora um de seus dois gols contra a Croácia

Neymar, um dos artilheiros do mundial, comemora um de seus dois gols contra a Croácia|REUTERS/Ivan Alvarado|RFI

“Carnaval de gols” é o título da matéria principal do caderno dedicado à Copa do Mundo no Le Monde. Ao longo de três páginas, ilustradas por fotografias de Neymar, Müller, Messi e Benzema, o vespertino tenta explicar a surpreendente média de 2,8 bolas na rede por partida, a melhor desde 1970 (2,96). Em tom bem-humorado, o jornal escala suas teorias.

A primeira delas atribuiria o mérito do espetáculo a FIFA, “essa vendedora de espetáculos”. A entidade recomendou que a arbitragem priorizasse os ataques em detrimento das defesas. Derivam disso os altos índices de cartões e pênaltis marcados nas primeiras partidas. Mas, vale lembrar que os pênaltis praticamente desapareceram depois de uma chuva de críticas e outra, de centroavantes voadores. A recomendação da FIFA ajuda, mas não explica a profusão de placares elásticos.

Ciência

Talvez o calor. O jornal escreve que as altas temperaturas que os jogadores enfrentam sob o sol tropical das 13h enfraqueceriam os organismos, reduzindo a concentração. Isso beneficiaria os atacantes, que se aproveitam de “apagões” defensivos para fazer jogadas rápidas. “Pequisadores britânicos se dedicam à questão porque sempre há um pesquisador britânico para se dedicar ao futebol”, ironiza Le Monde. O que eles teriam concluído? Que “o tempo bom favorece a audácia, enquanto o frio produz um futebol mais retranqueiro”.

As grandes defesas também não entraram em campo. Até agora, a única atuação de goleiro que recebeu destaque foi a do mexicano Guillermo Ochoa, principal responsável por um dos raros zero a zero do torneio. Aliás, vem da América Latina a próxima teoria: a coletividade e a raça do Novo Mundo se impõe sobre o individualismo dos craques do Velho Continente, como Cristiano Ronaldo, Andrea Pirlo e Mario Balotelli.

Contra-ataques sucessivos

Mas quem sustenta as melhores teses é o ex-treinador francês Christian Gourcuff, entrevistado pelos enviados especiais do Le Monde Benoit Hopquin e Bruno Lesprit: “As equipes jogam todas no contra-ataque”, ele explica. “O ritmo é tão forte que a organização tática desaparece”. O ônus deste jogo verticalizado, de ligações diretas entre os setores defensivo e ofensivo, é o desaparecimento do meio de campo. Pouca coisa acontece no meio de campo.

Que o diga a seleção brasileira, que deposita toda sua esperança de armação pelo meio nas costas de Oscar, de 22 anos. Além da responsabilidade de exercer essa função mítica, desempenhada por gente do calibre de Pelé, Sócrates, Zico, Rivaldo e aí por diante, ele tem de auxiliar os volantes na marcação. Logo ele, que está acostumado a jogar quase como um terceiro atacante no Chelsea.

Em meio a todas as teorias, os brasileiros podem sacar uma superstição da alta média de gols do Mundial de 2014: a última vez em que os craques marcaram mais do que 2,7 gols por partida, foi em 1970. Aquela que, até hoje, é considerada por unanimidade a melhor copa de todos os tempos. Nela, o Brasil terminou campeão. Que qualquer semelhança não seja mera coincidência.
 

Copa bate recordes de audiência em vários países

Funcionários de um posto de gasolina assistem pela televisão a um jogo da Copa, em Ribeirão Preto.

Funcionários de um posto de gasolina assistem pela televisão a um jogo da Copa, em Ribeirão Preto|REUTERS/Charles Platiau|RFI

A audiência das televisões em vários países do mundo tem sido bastante acima da média durante a transmissão dos jogos da Copa do Mundo, conforme um estudo publicado nesta sexta-feira (27). A França, entretanto, é uma exceção – os índices de audiência no país têm sido abaixo do esperado.

Na Europa, Itália, Holanda, Alemanha, Grécia e Bélgica são alguns dos países onde os jogos da Copa do Mundo atraíram mais de 80% dos telespectadores, inclusive com a quebra de recordes de audiência.

A partida entre a Bélgica e Coreia do Sul, por exemplo, foi o jogo de futebol mais visto da história da televisão belga, reunindo 5,1 milhões de pessoas. Na Itália, 82% dos telespectadores assistiram ao embate entre a seleção do país e a Inglaterra, enquanto que 84,2% dos alemães que assistiam à televisão acompanharam o jogo contra os Estados Unidos. Na Holanda, 88,4% dos aparelhos ligados estavam sintonizados no confronto com o Chile.

No Brasil, o jogo de abertura da Copa, contra a Croácia, registrou o recorde de 42,9 milhões de torcedores conectados. Essa partida também foi a mais vista dos últimos 12 anos no Reino Unido, com 11,2 milhões de telespectadores atentos ao primeiro jogo da seleção brasileira.

Até na Austrália, onde as partidas são transmitidas de madrugada, 2,3 milhões de pessoas assistiram à partida contra o Chile, enquanto nos Estados Unidos 25 milhões de telespectadores acompanharam o jogo contra Portugal. O número se aproxima dos registrados em uma final da NBA, mais tradicional do que o futebol entre os americanos.

Exceções

Alguns países, entretanto, têm sido exceções à regra. Na Espanha, curiosamente o primeiro jogo do país, contra a Holanda, só foi assistido por 11,2 milhões de pessoas, o equivalente a 68,5% da audiência. Em campo, os espanhóis foram goleados por 5 a 1.

Já na França, somente 56,3% dos telespectadores acompanharam o jogo contra Honduras. Após essa primeira vitória, porém, os números melhoraram nas partidas seguintes – foram de 62% no embate contra o Equador. 

Copa no Brasil aumenta popularidade do futebol nos EUA

Torcedores amercianos em Los Angeles, California, durante jogo contra o Portugal em 22 de junho de 2014.

Torcedores amercianos em Los Angeles, California, durante jogo contra o Portugal em 22 de junho de 2014|REUTERS/Lucy Nicholson|RFI

As transmissões dos jogos da Copa do Mundo 2014 vêm batendo recordes de audiência nos Estados Unidos. Segundo dados de cadeias de TV que transmitem o evento, quase 26 milhões de telespectadores sintonizaram a partida da equipe americana contra os portugueses. E ao vivo, no Brasil, os americanos são a maior torcida estrangeira, com quase 200 mil ingressos comprados. 
 

A cifra supera os números registrados em finais de campeonatos de esportes mais populares no país, como basquete ou beisebol. Uma audiência maior ainda é esperada para a quinta-feira (26), quando Estados Unidos enfrentam a Alemanha, partida que define uma vaga para as oitavas de final.

O canal aberto ESPN contabilizou 18,2 milhões de espectadores no último domingo, quando os Estados Unidos empataram com Portugal em 2 a 2. O canal Univisión, em espanhol, registrou 6,5 milhões. Já o canal a cabo ESPN3 teve audiência de 3 milhões de pessoas.

Em comunicado, a ESPN declarou que o jogo EUA-Portugal foi o jogo de futebol mais visto no país até o momento, superando o recorde anterior de quase 18 milhões de torcedores da final do Mundial feminino de 1999, entre Estados Unidos e China, pela cadeia ABC.

A popularidade do futebol vem aumentando desde a Copa de 1994 no país, que levou à criação de uma liga profissional do esporte. “Os torcedores sabem quem são os jogadores, estão por dentro do que se passa, se emocionam e torcem”, diz o meia Michael Bradley, um dos principais jogadores da equipe dirigida pelo alemão Jurgen Klinsmann.

Melhor defesa do Brasileirão, zaga da equipe do Santos será desfeita

Lancepress

Os zagueiros David Braz e Jubal conseguiram um grande feito neste Campeonato Brasileiro: compor a dupla de zaga que faz parte da melhor defesa do campeonato ao lado de Corinthians e Grêmio, com cinco gols sofridos em apenas nove jogos.O tamanho do feito se deve ao fato de que ambos estavam bem atrás na lista de opções do técnico Oswaldo de Oliveira. Após a lesão de Edu Dracena e Gustavo Henrique, que romperam o ligamentos do joelho, direito e esquerdo, respectivamente, David Braz continuava no banco, e só ganhou a vaga na etapa final do Campeonato Paulista.

Na ocasião, Braz ficou com a posição que era do jovem Jubal e atuou ao lado de Neto. A dança das cadeiras no setor defensivo do Peixe voltou a acontecer quando Neto teve um edema na coxa direita e deu lugar a Jubal. Depois disso a dupla se firmou, e ao lado de Aranha, que fez todas as nove partidas do Nacional, conseguiu empatar com as defesas menos vazadas.

” Somos uma das melhores defesas, esperamos que a gente se prepare para voltarmos melhor para o Brasileirão. Agora sim começa o campeonato. Tem que diminuir os erros que cometemos no começo”,  afirmou o zagueiro David Braz.

Para Edu Dracena, que volta após o Mundial, resta cumprir a missão de manter a fortaleza, assim como para Gustavo Henrique, em setembro.

Arena Pantanal recebe mais de 190 mil torcedores em dois meses

Estádio recebeu mais torcedores no jogo entre Bósnia e Nigéria, na Copa do Mundo, com 40.499 espectadores

Portal Amazônia

Bósnia enfrenta Nigéria na Arena Pantanal

CUIABÁ – A Arena Pantanal já recebeu mais de 190 mil espectadores, somando os jogos nacionais com os realizados pela Copa do Mundo.  E o estádio de Mato Grosso recebeu o maior público aconteceu durante a Copa do Mundo, na vitória da Nigéria por 1×0 sobre a seleção da Bósnia, com 40.499 espectadores presentes. Já na partida entre Cuiabá e Internacional-RS, pela segunda fase da Copa do Brasil, o estádio recebeu 21.385 torcedores. A informação é da Secretaria da Copa de Mato Grosso (Secopa-MT).

Com pouco mais de dois meses de atividade, a Arena já recebeu quatro jogos nacionais: Mixto x Santos e Cuiabá x Internacional-RS pela Copa do Brasil, Luverdense x Vasco pelo Campeonato Brasileiro Série B e Santos x Atlético-MG pela Série A. Além de mais três jogos internacionais pela Copa do Mundo: Chile x Austrália, Rússia x Coréia do Sul e Nigéria x Bósnia. Com todos esses jogos, a média de público do estádio chega a 27.630 torcedores por partida.

Campeonato Mato-grossense

Com uma média bem superior a todo o Campeonato Mato-grossense de 2014, a Arena surge como uma mola propulsora para os clubes de Mato Grosso.  O Luverdense, por exemplo, disputou em todo campeonato regional sete partidas como mandante e, somando todos esses jogos, o LEC conseguiu um público de 10.508. No entanto, em seu primeiro jogo como mandante na Arena Pantanal, o Verdão do Norte quase que dobrou este número, levando ao estádio 17.971 apaixonados por futebol.

Números completos:

Mixto 0×0 Santos – 17 mil
Luverdense 2×1 Vasco – 17.971
Cuiabá 1×1 Internacional-RS – 21.385
Santos 1×2 Atlético-MG – 18.683
Chile 3×1 Austrália – 40.275
Rússia 1×1 Coréia do Sul – 37.603
Nigéria 1×0 Bósnia – 40.499

Gols

A média de gols na Arena Pantanal também é muito boa. Com sete partidas disputadas no estádio, a média chega a 2,14 por partida, sendo que, ao todo, 15 gols foram marcados. Apenas na partida entre Mixto e Santos as redes não balançaram.

O responsável por estrear as redes do estádio foi o centroavante Reinaldo, do Luverdense. Com a experiência de ter jogado em clubes como Flamengo, São Paulo, Santos e Botafogo, coube ao atacante fazer o primeiro gol e marcar seu nome na história da Arena Pantanal.

 

Imprensa europeia questiona se Neymar consegue levar sozinho o Brasil ao hexa

Performance de Neymar é destaque na imprensa europeia.

Performance de Neymar é destaque na imprensa europeia.

REUTERS|Ueslei Marcelino/ the gardien/ abola/ el pais|Adriana Moysés

A imprensa europeia se pergunta se Neymar, sozinho, conseguirá conquistar o hexa para o Brasil. Segundo o jornal esportivo francês L’Équipe, “o primeiro do grupo A não é o Brasil: é Neymar”. “Mais uma vez o craque da seleção brasileira mostrou que é capaz de levar sozinho a equipe. O Brasil pode saborear a vitória, foi merecida”, afirma L’Équipe.

O diário espanhol AS concorda que Neymar foi o rei da partida. “O Brasil segue apresentando carências em relação a jogadores fundamentais, mas a capacidade de liderança de Neymar é tão impressionante que as falhas dos outros perdem a importância”, observa o jornal. El País diz que a única certeza do Brasil é que Neymar está disposto e preparado para liderar o caminho para o título, com um futebol criativo.

O britânico The Guardian fala que mais uma vez Neymar mostrou que os 200 milhões de brasileiros podem contar com ele. E prevê um jogo fascinante, sábado, contra o Chile. “A questão parece não ser tanto se o Brasil pode ganhar a Copa do Mundo, mas se Neymar pode ganhar sozinho para eles”, questiona o diário britânico. Para o próximo jogo, ainda há trabalho a cumprir, principalmente porque o Chile poderá se espelhar em Camarões, que segurou a seleção brasileira durante os primeiros 45 minutos, quando as limitações defensivas de Daniel Alves foram novamente expostas, destaca The Guardian.

Faltam outras cartas na manga

O italiano Gazzetta dello Sport afirma que a classificação do Brasil em primeiro lugar no grupo A estava prevista. Neymar foi maravilhoso contra Camarões, mas a impressão é que, além dele, o Brasil não tem outras cartas na manga, escreve o diário italiano. A defesa brasileira é porosa. “David Luiz alterna momentos geniais com outros em que dorme em campo. Daniel Alves está muito abaixo da média. Mas Felipão pode ter encontrado uma solução trocando Paulinho, considerado medíocre, por Fernandinho.”

O português A Bola destaca a modéstia de Neymar, que depois de marcar o quarto gol na Copa disse que não era melhor que seus companheiros. E anota a frase de Felipão: “temos de melhorar um pouco mais se quisermos passar o Chile, que é uma seleção muito boa”. 
 

 
TAGS:

Imprensa europeia questiona se Neymar consegue levar sozinho o Brasil ao hexa

Performance de Neymar é destaque na imprensa europeia.

Performance de Neymar é destaque na imprensa europeia.

REUTERS/Ueslei Marcelino/ the gardien/ abola/ el pais
Adriana Moysés

A imprensa europeia se pergunta se Neymar, sozinho, conseguirá conquistar o hexa para o Brasil. Segundo o jornal esportivo francês L’Équipe, “o primeiro do grupo A não é o Brasil: é Neymar”. “Mais uma vez o craque da seleção brasileira mostrou que é capaz de levar sozinho a equipe. O Brasil pode saborear a vitória, foi merecida”, afirma L’Équipe.

 

O diário espanhol AS concorda que Neymar foi o rei da partida. “O Brasil segue apresentando carências em relação a jogadores fundamentais, mas a capacidade de liderança de Neymar é tão impressionante que as falhas dos outros perdem a importância”, observa o jornal. El País diz que a única certeza do Brasil é que Neymar está disposto e preparado para liderar o caminho para o título, com um futebol criativo.

O britânico The Guardian fala que mais uma vez Neymar mostrou que os 200 milhões de brasileiros podem contar com ele. E prevê um jogo fascinante, sábado, contra o Chile. “A questão parece não ser tanto se o Brasil pode ganhar a Copa do Mundo, mas se Neymar pode ganhar sozinho para eles”, questiona o diário britânico. Para o próximo jogo, ainda há trabalho a cumprir, principalmente porque o Chile poderá se espelhar em Camarões, que segurou a seleção brasileira durante os primeiros 45 minutos, quando as limitações defensivas de Daniel Alves foram novamente expostas, destaca The Guardian.

Faltam outras cartas na manga

O italiano Gazzetta dello Sport afirma que a classificação do Brasil em primeiro lugar no grupo A estava prevista. Neymar foi maravilhoso contra Camarões, mas a impressão é que, além dele, o Brasil não tem outras cartas na manga, escreve o diário italiano. A defesa brasileira é porosa. “David Luiz alterna momentos geniais com outros em que dorme em campo. Daniel Alves está muito abaixo da média. Mas Felipão pode ter encontrado uma solução trocando Paulinho, considerado medíocre, por Fernandinho.”

O português A Bola destaca a modéstia de Neymar, que depois de marcar o quarto gol na Copa disse que não era melhor que seus companheiros. E anota a frase de Felipão: “temos de melhorar um pouco mais se quisermos passar o Chile, que é uma seleção muito boa”. 

Cartolas da Fifa dobram seus salários, diz jornal inglês

Estadão Conteúdo

Marco Polo del Nero, presidente eleito da CBF, e os demais dirigentes da Fifa se deram um aumento de 100% em suas remunerações no início do ano, passando a receber mais de R$ 440 mil por ano para estar presente a cada dois meses às reuniões da entidade em Zurique. As informações são do jornal britânico Sunday Times, que publica neste domingo mais uma leva de documentos secretos da entidade que comanda o futebol mundial.
 

Investigação não está ligada ao futebol

Marco Polo del Nero é um dos dirigentes beneficiados

Os cartolas do Comitê Executivo da entidade aprovaram o aumento depois que a auditoria da Fifa chegou à constatação de que os dirigentes não deveriam receber bônus pela Fifa, já que não faziam parte da estrutura que fechava acordos comerciais.

Com a redução dos privilégios, anunciada em dezembro na Costa do Sauipe, palco do sorteio dos grupos da Copa de 2014, e que entrou em vigor em 2014, a decisão dos dirigentes foi a de promover um aumento do valor que a entidade os concede a cada ano pelos trabalhos prestados. Os benefícios passaram de US$ 100 mil por ano para US$ 200 mil, sem contar com as viagens de luxo, hotéis 5 estrelas e privilégios por onde passam.

No Rio, neste período de disputa do Mundial, os cartolas estão hospedados no Copacabana Palace e Joseph Blatter, presidente da entidade, exigiu um tratamento equivalente a de um “dignatário”.

O Comitê Executivo da Fifa é formado por 24 cartolas das diferentes regiões do mundo e que tomam as principais decisões do futebol mundial. O assento brasileiro no organismo por anos foi por ocupado por Ricardo Teixeira. Mas, quando o dirigente deixou a CBF, ele também deixou vago seu lugar e Del Nero acabou ocupando o cargo.

A Fifa nunca esteve tão rica como agora. A Copa do Mundo no Brasil gerou uma renda recorde de US$ 4,5 bilhões para a entidade. Em apenas dez anos, o organismo triplicou o salário pago a seus 400 funcionários e cartolas, ultrapassando a marca de US$ 100 milhões. O salário de Joseph Blatter, presidente da Fifa, é mantido em sigilo.

DIREÇÃO – Segundo ainda o Sunday Times, cargos de diretores da entidade ganhariam cerca de R$ 2 milhões por ano (ou aproximadamente US$ 900 mil). Isso incluiria posições como a de Jérôme Valcke, secretário-geral, ou Thierry Weil, diretor de marketing.

Jornalista declara que Roger Flores perdeu pênalti de propósito pelo Corinthians

De A Tribuna On-line

O ex-jogador e atual comentarista do SporTV, Roger Flores, é alvo de uma polêmica envolvendo a decisão de pênaltis do Corinthians contra o Figueirense na Copa do Brasil de 2005.  Depois de anos negando veemente à imprensa esportiva que teria perdido de propósito uma das cobranças, o jornalista Juca Kfouri revela em seu blog pessoal que o ex-jogador tem comentado com colegas de profissão que realmente tinha a intenção de chutar a bola para fora.

A ação foi feita em represália ao comandante corinthiano da época, o argentino Daniel Passarella, que deixou Roger na reserva e o barrou m diversas oportunidades. O mais curioso é que Passarella será companheiro de trabalho de Roger durante a Copa do Mundo, visto que o argentino comentará algumas partidas da competição também no SporTV

 
Na ocasião, o meia perdeu um dos penâltis que resultaram na eliminação da equipe. Da forma como a cobrança foi feita, indo bem longe do gol, deu a entender que foi de propósito. O jogador ainda não comentou as acusações feitas pelo jornalista.
*Colaborou Jonathan Vincent
 
Confira abaixo o vídeo mostrando os melhores momentos da partida e o polêmico penâlti em questão (minuto 1:03):
 

noticias gerais e, especificamente, do bairro do Brás, principalmente do comércio