Arquivo da tag: Grupo F

Messi faz dois, Argentina vence a Nigéria e garante liderança do Grupo F

Camisa 10 foi fundamental na vitória por 3 a 2 dos hermanos; Nigéria também se classificou para as oitavas de final da Copa do Mundo ao ficar na segunda colocação

O DIA

Rio Grande do Sul – Dois gols em menos de cinco minutos no começo de cada tempo do jogo. Argentina e Nigéria protagonizaram um belo espetáculo, presenteando os torcedores que foram ao Beira-Rio assistir à partida nesta quarta-feira. No fim, melhor para os hermanos, que com o talento de Messi venceram o duelo por 3 a 2 e garantiram a liderança do Grupo F da Copa do Mundo.

GALERIA: As imagens da vitória da Argentina sobre a Nigéria

O camisa 10 mostrou que é peça-chave na equipe. Todos os gols da Argentina na competição passaram pelo pés do jogador. Contra os africanos, o craque balançou as redes duas vezes e bateu o escanteio que terminou no gol de Rojo. Ao todo, Messi tem quatro tentos e divide a artilharia do torneio ao lado de Neymar.

Os africanos, apesar da derrota, saíram felizes, já que também conseguiram a vaga às oitavas de final ao ficarem na segunda colocação. As duas equipes aguardam a definição do Grupo E para conhecer seus próximos adversários.

Messi bateu falta magistralmente e fez belo gol

Foto:  Reuters

O JOGO

O duelo começou de forma espetacular. A Argentina abriu o placar logo aos 2 minutos. Di María foi lançado, ficou sozinho na cara do goleiro, mas chutou na trave. No rebote, a bola sobrou limpa para Messi soltar a bomba: 1 a 0. No recomeço do duelo, a Nigéria empatou. Musa recebeu na esquerda, cortou para o meio e bateu colocado para deixar tudo igual: 1 a 1.

O ritmo era intenso. Os hermanos buscavam o ataque a todo custo e quase ficaram à frente no marcador novamente. Higuaín recebeu belo passe, driblou o goleiro, ficou sem ângulo e acabou chutando para fora.

Depois do início avassalador, as duas equipes diminuíram o ímpeto ofensivo. Sem conseguir penetrar na área adversária, os arremates de longa distância passaram a ser mais frequentes. O de Di María levou mais perigo. Enyeama caiu bem no canto para mandar para escanteio. Os hermanos até buscavam mais o ataque. No entanto, pecavam nas finalizações.

As melhores chances saíam dos pés de Messi. Em cobrança de falta, o camisa 10 obrigou o goleiro nigeriano a fazer bela defesa. Na segunda que ele teve para bater, não desperdiçou. Cobrou com precisão e colocou a Argentina de novo na frente no fim do primeiro tempo: 2 a 1.

Messi comanda a Argentina em campo: ele já tem quatro gols na Copa do Mundo

Foto:  Reuters

A segunda etapa começou como a primeira: dois gols em menos de cinco minutos. Primeiro, a Nigéria empatou. Musa balançou a rede mais uma vez: 2 a 2. No entanto, a festa do africanos durou pouco. No lance seguinte, Rojo subiu mais que todo mundo no escanteio e voltou a deixar os argentinos na frente: 3 a 2. O gol animou o time. A pressão para aumentar o placar era grande. Messi quase fez o terceiro dele, mas chegou desequilibrado na hora de bater na bola.

Cauteloso, o técnico Alejandro Sabella substituiu o camisa 10 do time aos 18 minutos. Rick Alvárez entrou no seu lugar. A partida continuava intensa e a Argentina era mais perigosa quando ia ao ataque. Enyeama foi fundamental ao fazer bela defesa em chute de Lavezzi. Garay também levou perigo em cabeçada. A Nigéria também conseguia assustar. Principalmente quando a bola chegava aos pés de Musa. O atacante era o jogador mais perigoso e quase marcou o gol de empate, não fosse pelo corte de Zabaleta.

No fim, a Argentina conseguiu controlar a posse de bola, garantiu a vitória e liderança do grupo. 

ARGENTINA 3 X 2 NIGÉRIA

Árbitro: Nicola Rizzoli (Itália)

Gols: Messi (2’1ºT, 46’1ºT) Musa (3’1ºT, 2’2ºT), Rojo (3’2ºT)

Público: 43.285 presentes

Cartões Amarelos: Omeruo (Nigéria) Oshaniwa (Nigéria)

Cartões Vermelhos:

Argentina: Romero, Zabaleta, Garay, Fernández, Rojo; Mascherano, Gabo, Di María; Agüero (Lavezzi), Messi (Ricky Álvarez) e Higuaín

Nigéria: Eneyeama, Ambrose, Oshaniwa, Yobo; Omeruo, Onazi, Mikel, Babatunde (Uchebo), Odemwingie (Uche Nwofor), Musa; Emenike.

Bósnia se despede com vitória e elimina Irã da Copa do Mundo

Jogo manteve boa média de gols da Arena Fonte Nova

O DIA

Salvador – O Irã precisava dos três pontos diante da Bósnia-Herzegovina para chegar às oitavas de final da Copa do Mundo, feito inédito para os persas. O time do Oriente Médio começou o jogo na retranca e não conseguiu reagir na partida. Os adversários do Leste Europeu mereceram a vitória por 3 a 1. O duelo manteve a boa média de gols da Arena Fonte Nova. O estádio de Salvador ‘viu’ 21 gols em quatro encontros da primeira fase.

Eliminados, os Bósnios fecharam sua primeira participação em Copas do Mundo contra o Irã. A Federação de Futebol do país havia confirmado que o treinador Safet Susic não teria seu contrato renovado depois do Mundial. Os europeus agora voltam suas atenções para as Eliminatórias da Eurocopa 2016, que será disputada na França. No Grupo B, Edin Dzeko & Cia. vão enfrentar Bélgica, Israel, País de Gales, Chipre e Andorra.

Os iranianos jogavam por um sonho: oitavas de final. Os persas torciam pela Argentina e precisavam de uma vitória para passar de fase na Copa do Mundo. Sem balançar as redes no Mundial, o Irã precisava de gols para não depender dos critérios de desempate contra os nigerianos.

Dzeko abriu o placar na Fonte Nova

Foto:  Reuters

O JOGO

A Bósnia-Herzegovina começou assustando com a sua principal arma de ataque, Edin Dzeko. Na primeira chance o atacante fez um bom giro dentro da área e bateu firmemente para fora, passando do travessão. Muitos depois, o jogador do Manchester City fez bom uso da sua altura para aproveitar um cruzamento e mandar de cabeça para o gol, mas o goleiro Haghighi estava atento e segurou.

Precisando do resultado positivo, o técnico português Carlos Queiroz, do Irã, escalou apenas um atacante apostando nos contra-ataques. Jogando melhor, os bósnios abriram o placar com Dzeko, aos 22 minutos. O atacante recebeu o passe da direita, carregou para o meio e bateu cruzado no canto esquerdo do goleiro Haghighi, que se esticou, mas não conseguiu chegar até a bola.

O Irã respondeu com perigo, um minuto depois, com Shojaei. O meia recebeu a bola dentro da área e chutou no travessão. No rebote, o bandeirinha marcou posição irregular de Ghoochannejhad. Mesmo dando espaços para os iranianos, os bósnios controlavam a posse de bola da partida.

As principais jogadas de ataque da Bósnia-Herzegovina passavam pelos pés de Dzeko e Pjanic. Em uma delas, o atacante tabelou com o Vrsajevic, deixando o companheiro na cara do gol. Na finalização, o lateral-direito bateu cruzado, para fora, assustando a torcida do Irã. Os persas pecavam muito na saída de bola, errando passes decisivos.

Na volta do segundo tempo, o Irã retornou mais disposto. Com mais ímpeto no ataque, os iranianos tentavam o gol desde o início para seguir na Copa do Mundo. Com bolas alçadas na grande área, os persas tentavam achar a cabeça de Ghoochannejhad, mas o goleiro Begovic sempre saía bem.

O bom momento do Irã durou 14 minutos, quando a Bósnia-Herzegovina marcou o segundo gol no jogo. Pjanic, em posição irregular, recebeu bom passe de Dzeko e bateu cruzado, na saída do goleiro Haghighi. Os bósnios, marcando sob pressão, roubaram a bola antes do gol em uma saída errada da zaga iraniana.

Desesperado pelo resultando, o treinador Carlos Queiroz colocou dois atacantes no lugar de dois meias, formando um 4-3-3, em busca de uma virada improvável. Neste momento, a defesa persa ficava mais exposta aos ataques bósnios.

A alteração deu resultado aos 37 minutos do segundo tempo. Ghoochannejhad recebeu cruzamento de Nekounam, sozinho dentro da pequena área, e só teve o trabalho de empurrar para o gol. Mas a resposta da Bósnia veio rapidamente, logo na saída de bola. Vrsajevic disparou sozinho, sem marcação, e bateu cruzado. Desta vez a bola entrou, diferentemente da tentativa no primeiro tempo. O placar foi justo, a seleção europeia buscou os três pontos o tempo inteiro e parecia que era ela que buscava passar de fase.

FICHA TÉCNICA

Bósnia-Herzegovina 3 x 1 Irã

Estádio: Arena Fonte Nova (Salvador) 
Árbitro: Carlos Velasco (Espanha) 
Público: 48.011 
Gols: Dzeko (Bósnia, 22′ do 1ºT), Pjanic (Bósnia, 13′ do 2ºT), Ghoochannejhad (Irã, 36′ do 2ºT) e Vrsajevic (Bósnia, 37′ do 2ºT) 
Cartão Amarelo: Besic (Bósnia, 32′ do 2ºT), Ansarifard (Irã, 42′ do 2ºT) 
Cartão Vermelho: –

Bósnia-Herzegovina: Begovic; Vrsajevic, Sunjic, Spahic, Kolasinac; Besic, Pjanic, Hadzic (Vranjes, 15′ do 2ºT), Susic (Salihovic, 34′ do 2ºT); Ibisevic e Dzeko (Visca, 39′ do 2ºT). Treinador Safet Susic.

Irã: Alireza Haghighi; Montazeri, Hosseini, Sadeghi, Pooladi; Nekounam, Teymourian, Shojaei (Heydari, no intervalo), Hajsafi (Jahanbakhsh, 17′ do 2ºT), Dejagah (Ansarifard, 22′ do 2ºT); Ghoochannejhad. Treinador Carlos Queiroz.

Argentina e Nigéria lutam pela primeira colocação no Grupo F

A Tribuna on-line

Já se programou para assistir aos jogos pela Copa do Mundo?  Confira a agenda do dia e acompanhe o placar de A Tribuna On-line.
No Grupo F, a Argentina, já classificada, com seis pontos, define quem será o primeiro ou segundo da chave. Ela enfrenta a Nigéria (quatro pontos), às 13 horas, no Beira-Rio. Um empate serve para as duas seleções. No mesmo horário, o Irã (um ponto) encara a eliminada Bósnia e reza por um tropeço dos nigerianos, de preferência goleada, e precisam também tirar o saldo de um gol negativo para avançar.
No Grupo E, a França (seis) tem o Equador (três) pela frente, às 17 horas. Os equatorianos precisam da vitória ou mesmo de um empate caso a Suíça naõ vença Honduras (desclassificada) para ficar com a segunda colocação. A Suíça precisa golear os hondurenhos e secar o Equador, só assim segue na competição.

Messi é eficiente e garante vitória da Argentina sobre o Irã no final do jogo

Camisa 10 fez o gol do triunfo dos hermanos aos 46 minutos do segundo tempo e garantiu a classificação da equipe

O DIA

Minas Gerais – Messi não foi brilhante, mas mostrou eficiência ao aparecer aos 46 minutos do segundo tempo para garantir a vitória da Argentina sobre o Irã, por 1 a 0, no Mineirão, neste sábado. O triunfo classificou a equipe para as oitavas de final. A seleção iraniana se segurou bravamente, chegou a levar perigo em alguns momentos do duelo, mas foi castigada com o gol no apagar das luzes. Apesar da vitória, os hermanos não tiveram um bom desempenho em campo e precisaram da estrela do craque para conquistar os três pontos.

Agora, o próximo confronto dos argentinos é diante da Nigéria, no Beira-Rio, no dia 25 de junho, na próxima quarta-feira, às 13h. Para garantir a liderança do Grupo F basta um empate. O Irã encara a Bósnia, no mesmo dia e horário, na Arena Fonte Nova, precisando da vitória para conseguir a vaga na próxima fase da Copa do Mundo. 

Messi fez o gol da vitória da Argentina

Foto:  Efe

O JOGO

Como era esperado, no começo do duelo a Argentina partiu para cima. Higuaín teve a primeira chance. O goleiro Haghighi foi esperto, saiu bem e impediu que o atacante balançasse a rede. O Irã armou uma retranca pesada. Apesar de ter a posse de bola, os hermanos não conseguiam criar oportunidades claras de gol.

Com a defesa congestionada, o jeito foi usar a bola da parada. Em cobrança de escanteio, Rojo escorou de cabeça e quase abriu o placar. Messi tentou de falta, mas também errou o alvo. Na terceira chegada, Garay subiu no terceiro andar e testou para fora.

O Irã, que mal conseguia trocar três passes em campo, usou a mesma arma para assustar. Em cobrança de escanteio, Hosseini quase fez de cabeça no fim do primeiro tempo.

Na volta para segunda etapa, o panorama mudou. O Irã conseguiu criar a primeira jogada. Em um contra-ataque, Ghoochannejhad apareceu na grande área, cabeceou firmemente, mas Romero conseguiu fazer a defesa. No lance seguinte, os iranianos foram à loucura ao reclamar de pênalti não marcado pelo árbitro.

Aos 14, Messi achou um espaço. Da entrada da área, bateu colocado e tirou o grito de “uuh” dos argentinos presentes no Mineirão. A seleção iraniana assustava e quase abriu o placar. Hajsafi recebeu lançamento, ganhou da zaga e obrigou Romero a fazer uma defesa sensacional.

Diante do mau desempenho da sua equipe em campo, Sabella decidiu fazer duas substituições de uma só vez: Agüero e Higuaín saíram para as entradas de Palacio e Lavezzi. Nos últimos 15 minutos, a Argentina partiu para o abafa. Rojo arriscou de fora, mas mandou de longe.

A pressão deu certo e a estrela de Messi brilhou. O camisa 10 cortou a marcação, calibrou a canhota e garantiu a vitória para Argentina no apagar das luzes, aos 46 minutos do segundo tempo.

ARGENTINA 1 X 0 IRÃ

Árbitro: Milorad Mazic (Sérvia) 

Gols: Messi (46’2ºT)

Cartões amarelos: Nekounam (Irã), Shojaei (Irã)

Cartões vermelhos:

Irã : Haghighi, Montazeri, Hosseini, Sadeqi e Pooladi; Nekounam, Shojaei, Timotian, Hajsafi (Reza Haghighi) e Dejagah (Jahanbakhsh); Reza Ghoochannejhad.

Argentina: Romero, Zabaleta, Garay, Fede Fernandez e Rojo; Gago, Mascherano e Di María; Messi, Aguero (Palacio) e Higuaín (Lavezzi).

Vídeo: 

noticias gerais e, especificamente, do bairro do Brás, principalmente do comércio