Arquivo da tag: JAU

Jaú registra nona morte por dengue

10/06/2014

São Paulo. A Santa Casa de Jaú, divulgou nesta terça-feira, 10, mais uma morte pela doença ocorrida no município, aumentando para nove as vítimas fatais desde o início do ano. Desta vez, segundo a Santa Casa, a vítima é uma mulher de 82 anos, A. C. C., que estava internada no hospital desde 28 de maio com sintomas de dengue hemorrágica e faleceu no último sábado, 7.

Com pouco mais de 140 mil habitantes, Jaú é o município campeão em mortes por dengue em São Paulo, ao lado da capital paulista com nove mortes. Jaú, que contabilizava 3.766 casos até 15 de maio, conta agora 4.727 doentes pela dengue. Em 27 de maio já eram 4.042 casos positivos e em 6 de junho, 4.727, um aumento de 17% em dez dias. Segundo a Santa Casa, só no serviço de pronto-socorro do hospital, foram atendidas 196 pessoas com suspeita da doença nas duas últimas semanas.

Mesmo com estes números, o secretário de Saúde de Jaú, Gílson Scatimburgo, diz que a realidade é outra. Segundo ele, os números são de notificações represadas pela própria Santa Casa. “São fichas de pessoas atendidas entre fevereiro e maio, quando a epidemia estava no pico e que não foram enviadas para a vigilância. A Santa Casa não notificou esses casos na época. E está fazendo isso agora”, afirmou. De acordo com o secretário, há ainda centenas de casos para serem notificados. “Acredito que existam ainda 900 fichas que precisam ser enviadas para a vigilância”, afirmou. Autoridades médicas e sanitárias ouvidas pela reportagem estimaram em mais de 10 mil o número de pessoas contaminadas pela doença em Jaú.

O secretário também afirmou que esta última morte, não pode ser contabilizada para Jaú. “A vítima era de Bariri, cidade vizinha, a 30 kms, que também tem casos da doença. A mulher apresentou uma piora no estado de saúde e foi transferida para a Santa Casa de Jaú, mas ela não contraiu a doença aqui”, esclareceu. Segundo o secretário, a epidemia da doença diminuiu de intensidade nas últimas semanas, por causa do frio e da campanha de combate aos criadouros feita pela Prefeitura. “A doença diminuiu seu ritmo e hoje a nossa média é de dois a três casos por dia”, disse. Segundo ele, os técnicos constataram que o mosquito transmissor aumentou a resistência à doença, por isso, a contaminação pela dengue ainda continua.

Outras mortes

Na última quinta-feira, 5, um mecânico de 48 anos morreu vítima da dengue em Araçatuba, cidade que contabiliza mais de 1,5 mil casos da doença e uma vítima fatal. Morador em Gabriel Monteiro, cidade próxima, o mecânico foi transferido para o Hospital da Unimed de Araçatuba com sintomas da dengue hemorrágica. Foi o primeiro caso de morte por dengue na história da cidade. Outra cidade próxima é Birigui, onde 1,3 mil pessoas contraíram a doença. Outras duas mortes ocorreram em Votuporanga, cuja epidemia contaminou mais 2,3 mil pessoas.

SP: gato sobrevive a flecha de 30 cm atravessada na cabeça

Um gato de dois anos sobreviveu depois de ter sido atingido por uma flecha na cabeça em Brotas, no interior de São Paulo. O caso foi registrado no último dia 11, mas só foi divulgado na segunda-feira. A cirurgia para retirada do objeto durou cerca de uma hora.


O gato Nano foi encontrado pelos donos em cima do muro da casa da família, por volta das 8h. Imediatamente eles procuraram um veterinário do município, mas foram informados que a clínica não tinha recursos suficientes para atender o animal, devido à gravidade do caso. Por indicação da clínica, a família decidiu buscar ajuda em um hospital veterinário particular de Jaú, distante 54 quilômetros de Brotas.

Ao chegar ao hospital veterinário, Nano deixou a veterinária que estava de plantão surpresa. “Ele não demonstrava sofrimento ou dor, não estava prostrado. Tinha apenas dificuldade para respirar. Quando colocamos ele na mesa ele andou normalmente com a flecha atravessada na cabeça. Foi impressionante”, contou a veterinária Vanessa Vieira de Freitas.

Em seguida, o gato recebeu antibiótico e anti-inflamatório para evitar possíveis complicações como infecções e foi sedado para que fosse submetido a exame de raio-x. Segundo a veterinária, a flecha entrou pela narina esquerda do animal, passou a 2 centímetros do cérebro e saiu pela região da cervical, mas não atingiu a coluna. “Nossa preocupação era a flecha ter atingido o cérebro ou alguma artéria e a própria flecha estar estancando. Além disso tinha a preocupação de o animal morrer de hemorragia quando a flecha fosse retirada”, explicou Vanessa.

Assim que foi sedado, a equipe do hospital serrou parte da flecha para tirá-la da cabeça do gato. A cirurgia durou cerca de uma hora. De acordo com a veterinária, houve bastante sangramento, mas foi possível estancar. Na manhã seguinte a cirurgia Nano se alimentou de ração e no mesmo dia recebeu alta médica.

Formada em medicina veterinária pela Universidade de Marília (Unimar) há três anos, Vanessa nunca tinha se deparado com tal situação. “Eu já tinha visto cães atingidos por tiros, mas um animal atingido por uma flecha nunca. Foi um milagre ele sobreviver. Quando ele chegou eu fiquei em choque. Primeiro eu não acreditava que uma pessoa tinha flechado um animal, depois pela forma como ele chegou aqui”, relembra Vanessa.

De acordo com ela, Nano é considerado um animal jovem e gatos domésticos vivem, em média, entre 15 e 18 anos. A veterinária acredita ainda que a flecha usada para ferir o gato é de uso profissional, fabricada em metal e madeira. Os donos de Nano registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil de Brotas e o caso deve ser investigado. A flecha foi entregue aos donos de Nano que irão encaminhar à polícia para investigação. “É bem gratificante saber que ele sobreviveu e está bem. Ainda mais por ter sofrido maus tratos”, completou.

Manifestação em defesa do etanol reúne 4 mil em Jaú

24/04/2014 

Jaú, 24 – Manifestação contra a crise no setor sucroenergético reúne cerca de 4 mil pessoas nas proximidades do trevo entre as rodovias comandante João Ribeiro de Barros (SP-225) e Leônidas Pacheco Ferreira (SP-304), em Jaú, no interior de São Paulo. O evento, denominado Dia de Competitividade do Etanol é promovido pela Associação dos Plantadores de Cana da Região de Jaú (Associcana). Segundo a Associcana, quatro usinas da região paralisaram as atividades nesta quinta-feira, 24, para engrossar a manifestação.

Dezenas de caminhões, ônibus e tratores de usinas e fornecedores de cana da região de Jaú estão estacionados às margens do trevo, num terreno em frente da fabricante multinacional de máquinas agrícolas New Holland. A Polícia Militar controla a situação, que é tranquila, com fluxo normal nas duas rodovias. Representantes de agricultores, usineiros, trabalhadores do setor, prefeitos e deputados, discursam neste momento sobre o tema. “Estamos protestando contra a crise no setor e em defesa da competitividade do etanol. O setor não pode continuar vivendo com o fechamento de tantas usinas e tanto desemprego”, disse o presidente da Associcana, Eduardo Vasconcelos Romão.

A Associcana também programou uma blitz no centro de Jaú, que vai distribuir dois mil litros de etanol de graça para os motoristas que fixarem um selo com o lema da campanha em seus carros. A distribuição do etanol, segundo os organizadores, é para chamar a atenção da população sobre o problema vivido pelo setor.