Arquivo da tag: lixo

Cuiabá recicla só 0,50% do lixo

 

Diário de Cuiabá

Em Cuiabá, apenas 0,50% do lixo é reciclado sob a gestão da Prefeitura de Cuiabá, por meio da Coopermar. Esse percentual representa 70 toneladas/mês de papeis, plástico, alumínio e outros produtos. 

Com uma população de pouco mais de 550 mil habitantes, a capital mato-grossense gera 500 toneladas de lixo diariamente ou 15 mil ao mês. 

Conforme dados da Diretoria de Resíduos Sólidos na Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, 25 comunidades, incluindo bairros e pequenos condomínios, são atendidas pela coleta seletiva do lixo seco. 

O diretor desse departamento, Abel Nascimento, diz que até o final deste ano a prefeitura deve ampliar para 2% índice de reciclagem. Ele observa que a seleção não é mais permitida nos moldes da antiga Usina, em esteiras onde os resíduos chegam misturados. 

A proposta agora, assinala, é ampliar a coleta seletiva nos bairros agregando valor e melhorando as condições ambientais, tornando mais salubre aos trabalhadores. 

Além disso, informa, a cidades dispõe de 200 bags, como são denominados os pontos(bolsões) públicos de recepção de vidro, latas e outros rejeitos. (AA

Empresa responsável por coleta de lixo recolhe caminhões a garagem

DIÁRIO DA MANHÃ

Dívida de 11 meses da prefeitura é o principal motivo do recolhimento

Após problemas na coleta de lixo, troca de presidente da Companhia Metropolitana e de Urbanização de Goiânia (Comurg), o problema volta a tona. Já que uma das empresas responsáveis por realizar a coleta, recolheu 500 veículos da frota a garagem na última segunda-feira (26).

As informações são do Jornal O Hoje, ao qual um representante da empresa afirmou que há Onze meses a prefeitura de Goiânia se encontra inadimplente. Situação que culminou na paralisação dos caminhões e na dispensa de cerca de 500 funcionários.

Na publicação o diretor executivo da empresa, Márcio Palmertson, não revelou o total da dívida, mas, confirmou a dívida que já dura 11 meses. Segundo o diretor  uma reunião está marcada para hoje com o secretário de Finanças da Prefeitura e diretores da empresa.

Ação social retira lixo de área de preservação ambiental, no Amapá

Bombeiros extraíram entulho do fundo da lagoa do Curiaú; garrafas pet e latinhas são os mais encontrados

Grupo de bombeiros teve a iniciativa de tirar parte dos detritos da lagoa do Curiaú, nesta quarta-feira. Foto: Paula Monteiro/ Portal Amazônia

MACAPÁ – A beleza, calmaria e a água refrescante da lagoa do Curiaú (distante cerca de 15 quilômetros da capital) fazem da Área de Proteção Ambiental (APA) um dos destinos preferidos dos banhistas, no Amapá. No entanto, a exuberância do balneário da região divide espaço com o lixo deixado pelos visitantes. Garrafas pet, latinhas de cerveja, entre outros objetos, lideram o ranking do descaso com o meio ambiente, alguns levam até 100 anos para se decompor. Para minimizar a situação, um grupo de bombeiros teve a iniciativa de tirar parte dos detritos da lagoa, nesta quarta-feira (21).

A atividade foi realizada no último dia do primeiro curso de salvamento aquático do Estado. O local serviu de treinamento para os militares que se sensibilizaram com a condição da área de proteção ambiental e resolveram “arregaçar as mangas”. “Fizemos essa ação social em respeito ao meio ambiente, a comunidade quilombola que vive aqui e aos próprios banhistas, que podem se machucar com o lixo como cacos de vidro. Tiramos algo em torno de 50 quilos de sujeira”, afirmou o capitão Elizeu Leão.

Balneário do Curiaú é um dos destinos preferidos dos banhistas, no Amapá. Foto: Paula Monteiro/ Portal Amazônia

Apesar da presença de lixeiras nos restaurantes e no deck do balneário do Curiaú, o que falta para o lixo estar no lugar certo é educação. Pelo menos é o que acredita o dono de um dos empreendimentos do lugar, Marcelino Ramos, de 68 anos. O pequeno empresário não mede esforços para manter a limpeza da área. Três vezes por semana, ele entra na água fria da lagoa e com a ajuda de uma canoa recolhe o lixo deixado pelos clientes e outros banhistas. “Não adianta ter lixeira, se falta consciência. Toda semana é assim. As pessoas vêm em busca de diversão e levam um pedaço da beleza daqui”, disse desapontado.

Pequeno empresário não mede esforços para manter a limpeza da área. Foto: Paula Monteiro/ Portal Amazônia

A dona de casa Uérica de Souza, de 28 anos, esteve no balneário da reserva pela primeira vez, nesta quarta-feira (21). Acompanhada pelo marido, tios e sobrinha, ela aprovou a iniciativa dos bombeiros, mas lamentou que a situação seja comum em lugares semelhantes. “Moro em Altamira, no Pará, e o que acontece aqui também acontece nas praias de lá. As pessoas precisam aprender a desfrutar a natureza sem degradar. Mesmo quando não há lixeiras, o que custa trazer um saco plástico para reunir o lixo e jogá-lo fora em um lugar apropriado?”, sugeriu a visitante.

A dona de casa Uérica de Souza, de 28 anos, aprovou ação dos bombeiros. Foto: Paula Monteiro/ Portal Amazônia

Nesta quinta-feira (22) é comemorado o Dia Internacional da Biodiversidade. Escolhida pela Organização das Nações Unidas (Onu) a data visa aumentar a conscientização da população sobre a importância de proteger a diversidade biológica do mundo. O Curiaú é uma unidade de proteção com área de 23 mil hectares, que tem como objetivo proteger e conservar os recursos naturais e ambientais da região. Na reserva ambiental, vivem remanescentes de quilombos que lutam para preservar a beleza natural do lugar e a memória dos antigos escravos trazidos no século XVIII para a construção da Fortaleza de São José de Macapá.

Área de Proteção Ambiental (APA) do Curiaú. Foto: Paula Monteiro/ Portal Amazônia

 
 

Amazonas e Região Metropolitana de Manaus vão ganhar Plano de Resíduos Sólidos

Objetivo é a implantação de aterros sanitários em substituição aos lixões no interior do Amazonas

Ponte sobre o rio Negro. Foto: Chico Batata

MANAUS –  A gestão de resíduos sólidos nos municípios do interior do Amazonas será realizada por calhas de rios. A medida vai nortear o processo de elaboração do Plano de Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Estado e da Região Metropolitana de Manaus.

Segundo a secretária estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Kamila Amaral, a gestão por calha de rios é o caminho mais adequado para promover avanços nos sistemas decoleta e despejo adequado de lixo no interior, onde distâncias geográficas são um entrave. O sistema de zoneamento de resíduos é inspirado nos modelos de zoneamentos ecológicos e econômicos, que viabilizam o desenvolvimento sustentável por microrregiões.

Kamila explica que o plano estadual visa enxergar essas realidades e trazer ações que atendam cada microrregião, fazendo um verdadeiro zoneamento de resíduos sólidos. “Pela imensidão geográfica, a opção mais inteligente e estratégica é trabalhar com as calhas de rios. Já temos zoneamentos ecológicos e econômicos trabalhados na calha do Purus, Madeira e, na política de resíduos sólidos, a estratégia será a mesma”, frisou a secretária.

Aterros sanitários

O grande desafio dos planos de gestão é promover avanços na implantação de aterros sanitários em substituição aos lixões. Segundo o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), nenhum município do interior tem aterro sanitário. Em Manaus, o aterro encontra-se em processo de análise documental para a concessão de licenciamento. “Implantar os aterros sanitários é o desafio do momento e que a gente tem de encaminhar. As responsabilidades estão no âmbito municipal, mas deverão estar em um programa em sintonia com o Governo do Estado”, frisou o presidente do órgão, Antônio Stroski.

O investimento na elaboração dos planos é de R$ 4 milhões, em parceria com o Governo Federal. A previsão de entrega da nova política é de um ano. Nesse período, além do levantamento de informações, audiências e consultas públicas ocorrerão nos municípios para identificar problemas crônicos e buscar as alternativas.

Para a coleta de lixo nos municípios, o Governo do Estado avança em melhorias. Oito municípios foram beneficiados, este ano, com caminhões para recolhimento de lixo. Em junho, outros 30 vão receber novos veículos, como parte da programação do Dia Mundial de Meio Ambiente.