Arquivo da tag: parlamento

Cresce movimento na Espanha pedindo fim da monarquia depois da abdicação do rei

O rei Juan Carlos oficializou sua abdicação nesta segunda-feira

O rei Juan Carlos oficializou sua abdicação nesta segunda-feira

REUTERS|Eloy Alonso|RFI

O rei Juan Carlos, de 76 anos, anunciou nesta segunda-feira (2) a abdicação em favor do filho, o príncipe Felipe, 46. Ele considera que é necessária “uma nova geração” para assumir “um papel protagonista” na história da democracia do país. Mas para uma parte da população, este é o momento de repensar os rumos da Espanha.

Fina Iñiguez, correspondente da RFI em Barcelona

Os boatos de que o rei Juan Carlos estaria pensando em abdicar em razão de seus problemas de saúde já corriam desde janeiro, alimentados pela baixa popularidade da família real espanhola, depois dos escândalos envolvendo o genro, Iñaki Urdangarin, e a filha mais nova, a infanta Cristina.

Mas nem todos os espanhóis aprovam a monarquia. Nas redes sociais, os internautas convocaram manifestações espontâneas em mais de 40 cidades sob o slogan “Referendo já”.

Com o argumento de que em uma democracia não existem súditos, e sim cidadãos, os manifestantes pedem para serem consultados sobre a continuidade da monarquia. Participam do movimento partidos de esquerda, republicanos e organizações sociais que defendem a proclamação da III República Espanhola.

Imprensa destaca abdicação

“O rei abdica”, também é a manchete de praticamente toda a imprensa espanhola. Muitas eram as vozes que pediam a saída do rei, cuja popularidade começou a despencar há dois anos, quando ele teve que assumir publicamente o erro de ter ido caçar elefantes na África em um momento de profunda crise no país. Um hobby inadmissível e caro em um país onde mais de 25% da população está desempregada.

Apesar da constituição espanhola prever a continuidade na linha de sucessão da casa real, o Conselho de Ministros se reúne nesta terça-feira para aprovar a Lei Orgânica, que efetivará a abdicação. A lei deve ser aprovada no Parlamento por maioria absoluta. O processo todo deve durar cerca de 20 dias. No final do mês, se não houver contratempos, o Parlamento deverá proclamar o novo rei com o título de Felipe VI. 

Conselho de Ética instaura processo contra Luiz Argôlo

O Conselho de Ética da Câmara decidiu nesta quinta-feira instaurar processo contra o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) por quebra de decoro parlamentar. O pedido de abertura do processo, feito pelo PSOL, teve como base a suspeita de envolvimento do parlamentar com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato acusado de chefiar um esquema de lavagem de dinheiro bilionário. Com o início do processo, o parlamentar não pode mais renunciar para evitar a perda dos direitos políticos.

A representação contra Argôlo foi feita em cima de reportagens da revista Veja e do jornal Folha de S.Paulo que citam mensagens trocadas entre o doleiro e Argôlo sobre a transferência de R$ 120 mil para a conta do chefe de gabinete do parlamentar, Vanilton Bezerra. De acordo com a Folha, Argôlo também teria recebido do doleiro dois caminhões de gado, ao custo de R$ 100 mil.

Este é o segundo procedimento em andamento na Câmara com origem nas suspeitas do envolvimento de Argôlo com atividades irregulares do doleiro. Em abril, o PPS protocolou representação na Corregedoria da Câmara. Depois de algumas tentativas frustradas, a Corregedoria conseguiu, na tarde de ontem, notificar o deputado para que o processo tenha prosseguimento.

Com a notificação, a Mesa Diretora da Câmara aprovou o parecer da Corregedoria e pediu a abertura de novo processo contra Argôlo. As duas representações em tramitação (no Conselho de Ética e na Corregedoria da Câmara) não têm ligação e não excluem uma à outra.

A representação analisada pela Corregedoria foi proposta pelo líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), em razão de fatos relatados em reportagem da revista Veja sobre a possível entrega de dinheiro intermediada pelo doleiro no apartamento funcional ocupado pelo deputado.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), lembrou que a denúncia segue para o Conselho de Ética, que abrirá processo, iniciará o período de defesa e levará o caso a julgamento. Depois, caberá ao Plenário analisar a decisão do conselho. “Esta é uma questão que a Câmara quer decidir com muita rapidez”, declarou.

Fonte: Terra