Arquivo da tag: SIONISMO

França mantém na prisão suspeito da matança no Museu Judaico de Bruxelas

Retrato falado de Mehdi Nemmouche, suspeito de atentado ao Museu Judaico de Bruxelas em 24 de maio de 2014.

Retrato falado de Mehdi Nemmouche, suspeito de atentado ao Museu Judaico de Bruxelas em 24 de maio de 2014|Reprodução Youtube|BFMTV

A detenção para interrogatório do francês Mehdi Nemmouche, principal suspeito de ter matado quatro pessoas no Museu Judaico de Bruxelas no mês passado, foi prolongada além dos quatro dias, prazo determinado pela lei da França. A medida, raríssima, foi tomada pela justiça no quadro da investigação antiterrorista.

Na França, a prolongação por mais 24 horas de uma detenção para interrogatório pode ser tomada em apenas dois casos: risco iminente de atentado ou razões ligadas às necessidades de uma cooperação internacional. Este é o caso do suspeito, que deveria ser conduzido diante de um juiz para ser notificado do mandado de prisão europeu em seu nome.

Silencioso desde que foi detido na sexta-feira passada (30 de maio), Mehdi Nemmouche recusou-se a sair de sua cela para ouvir fo mandado do qual é objeto e fazer uma nova deposição. Segundo fontes judiciais, a notificação está prevista para a quarta-feira (4).

Extradição e investigações

A próxima etapa para Mehdi Nemmouche deve ser a detenção durante o período em que aguardará a sua extradição para a Bélgica. O prazo vai depender do suspeito, que deve dar o seu acordo para ser extraditado.

Enquanto isso, as investigações continuam na França e na Bélgica. Em Paris, diante do silêncio do acusado, os investigadores tentam descobrir a razão pela qual ele veio para Marselha. Ele já cumpriu pena de prisão na região, mas as perguntas sem resposta são muitas: “Ele veio ao encontro de alguém?”; “Ele pretendia fugir de navio para a Argélia?”; “Por quê o risco de viajar com as armas?”; “Ele teria a intenção de fazer um novo ataque na França”?

Bélgica

Será em Bruxelas que as investigações devem realmente se completar. A perícia deve confirmar as suspeitas de que as armas apreendidas em Marselha foram as mesmas usadas em Bruxelas para matar as quatro pessoas. 

A polícia belga também vai aprofundar as investigações sobre as relações de Nemmouche na Bélgica, onde os candidatos ao jihad na Síria crescem a cada dia.

Um novo Merah

A questão é saber se Nemmouche é um novo Mohamed Merah. Segundo uma fonte policial, no período em que esteve preso o suspeito demonstrava “um certo fascínio pelos atos de Mohamed Merah”, que assassinou três militares e quatro judeus, dos quais três crianças, em Toulouse e Montbauban, em março de 2012.

Ambos têm o mesmo perfil de delinquente em ruptura social, com a diferença de que Nemmouche nunca se interessou muito pela religião enquanto Merah vivia numa família salafista. Foi na prisão que Nemmouche se radicalizou, inclusive lançando apelos aos gritos aos outros detentos para as orações a Maomé.

Europeus e Jihad

Os estudos dos serviços secretos internacionais indicam que entre 2 mil e 3 mil europeus foram para a Síria, partindo da França, Inglaterra, Dinamarca, Noruega e Bélgica. Eles são treinados por jihadistas, radicais islâmicos que pregam a “Guerra Santa”, para realizar atentados na Europa.