Arquivo da tag: sudão

Cerca de 50 mil crianças podem morrer de fome no Sudão do Sul em 2014, diz ONU

Ópera Mundi| Uol| São Paulo 

Para agravar a situação, um surto de cólera atinge o país e já vitimou mais de 670 pessoas somente na capital, Juba; guerra civil já dura 6 meses

De acordo com o responsável da ONU pelas operações humanitárias no Sudão do Sul, Toby Lanzer, a organização implantará um plano de ajuda para 3,8 milhões de pessoas. Até o momento, US$ 740 milhões foram doados em ajuda humanitária. “Os objetivos imediatos da operação humanitária são os de salvar vidas e evitar a fome”, disse o órgão.

No último dia 10 de junho, a ACNUR (Agência da ONU Para Refugiados) alertou que aproximadamente 4 milhões de sul-sudaneses correm risco de morrer de fome até o fim do ano.

ONU Brasil

Aproximadamente 716.500 saíram do interior do país desde o início dos conflítos. Outras 166.900 procuraram refúgio nos países vizinhos. “A menos que a luta acabe e as pessoas possam voltar para suas casas e retomarem suas vidas, a situação vai continuar a agravar-se”, afirmou Lanzer.

Para agravar a situação, um surto de cólera atinge o país e já vitimou mais de 670 pessoas somente na capital, Juba. “A cólera eclodiu, a malária é galopante, e muitas crianças estão desnutridas. Milhões de pessoas precisam de cuidados de saúde de emergência, alimentos, água potável, saneamento básico e moradia para fazê-lo ao longo do ano”, disse Toby.

Agência Efe

Presidente Salva Kiir durante reunião do processo de paz junto a outros líderes da região

Durante a semana, o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, se comprometeu junto ao chefe dos rebeldes, Riek Machar, a formar um governo de transição em, no máximo, 60 dias. Forças do governo e soldados leais a Riek Machar violaram recentemente um acordo de cessar-fogo assinado em maio, agravando a crise humanitária na região. Esta foi a segunda tentativa de acordo de cessar-fogo que fracassou em poucas horas. 

Os postos de ajuda humanitária estão concentrando os esforços de socorro às vítimas em regiões menos afetadas, além de garantir ajuda em Juba. A estação das chuvas que atinge a região aumenta o risco de doenças, como a malária. Lanzer afirma que as chuvas sazonais, em conjunto com a situação vivida pelo país, deterioram a situação dessa população a cada dia. 

ONU Brasil

 

 

Pressão internacional evita execução de sudanesa por ser católica

Meriam Yahia Ibrahim Ishag com o filho no colo, antes de ser presa por ter optado pela religião católica.

Meriam Yahia Ibrahim Ishag com o filho no colo, antes de ser presa por ter optado pela religião católica.

O caso da sudanesa de 27 anos, acusada de ter se convertido do islamismo à religião católica, provocou forte indignação internacional. A atrocidade tornou-se um dos assuntos mais comentados nas redes sociais. Ela deveria ser enforcada depois de levar 100 chicotadas, mas o governo do Sudão cedeu à pressão e anunciou neste sábado (31) a sua libertação nos próximos dias.

A interpretação sudanesa da Charia (ou lei islâmica), introduzida no país em 1983, estabelece que qualquer pessoa que nascer no Sudão é muçulmana e que uma muçulmana não pode se casar com um não-muçulmano; uma união do gênero é considerada um “adultério”. Este é o caso de Meriam Yahia Ibrahim Ishag, uma médica de 27 anos que se casou com um católico do Sudão do Sul e teve dois filhos: um menino de 20 meses e uma menina de quatro dias, que pariu na prisão.

A ONG Anistia Internacional esclareceu que Meriam foi criada pela mãe como cristã ortodoxa pois seu pai esteve ausente durante toda a sua infância. Uma explicação que não convenceu o Tribunal de Cartum, que condenou a mulher por violar a lei islâmica em vigor, que proíbe as conversões.

A acusada teve três dias para abdicar de sua religião, mas se recusou, preferindo a morte. Denunciada por um membro de sua própria família, ela foi presa em 7 de fevereiro passado com o filho, sem nenhum julgamento. A justiça estava aguardando que ela tivesse o segundo filho para executá-la.

Pressão internacional

O primeiro-ministro David Cameron foi um dos políticos ocidentais que mais fez pressão sobre o Sudão. Neste sábado (31), ele voltou a pedir clemência para a jovem, falando em “uma pena bárbara”. No dia 19 de maio passado, o governo britânico já havia convocado o encarregado de Relações Exteriores do Sudão em Londres para abordar a questão. Deu certo.

“A mulher será libertada nos próximos dias segundo os procedimentos legais decididos pelo poder judiciário e pelo ministério da Justiça”, declarou Abdallah Al-Azraq, membro do ministério sudanês. Ele não deu maiores explicações nem esclareceu se as acusações contra Meriam serão retiradas.

Ré confessa?

Meriam Ibrahim foi condenada à morte por ser cristã no Sudão, onde impera a lei islâmica

25 de maio de 2014
 
Paulo Nogueira – O Estado de S. Paulo

Meriam Ibrahim, uma sudanesa de 27 anos, foi condenada à forca por um tribunal de Cartum. O crime? Adultério e apostasia, ou seja, renúncia à sua fé. Ela é filha de pai muçulmano e mãe cristã ortodoxa. Quando tinha 5 anos, o pai sumiu e Meriam foi criada como cristã. Adulta, casou com um cristão – daí o adultério. Sim, você leu bem.

A sudanesa é mãe de um menino de 2 anos e está grávida de 8 meses. - Whattalking.com
Whattalking.com
A sudanesa é mãe de um menino de 2 anos e está grávida de 8 meses.
 

 

Mas tem mais. Como a ré está grávida de oito meses, o juiz bancou o Salomão: Meriam dará à luz, e depois será executada. Pouco antes da forca, receberá cem chibatadas.

A sharia, a lei islamita que rege a jurisprudência nas teocracias maometanas, foi introduzida no Sudão em 1983. No ano passado, a Anistia Internacional denunciou que duas sudanesas de 23 anos foram condenadas a morrer lapidadas por adultério. Independentemente da fé dos cidadãos, os atos considerados “indecentes” ou “imorais” podem implicar flagelação ou amputações.

Na semana passada, enquanto universitários se manifestavam em Cartum contra a condenação de Meriam, conservadores celebravam a sentença: “Alá é grande” – e recordavam que a ré foi denunciada pelo próprio irmão. O advogado de Meriam entrou com recurso, confiando nas discrepâncias entre a sharia e a Constituição sudanesa.

No Irã, foi uma página do Facebook que suscitou um piti nos tietes daquilo que alguns chamam de “islamofascismo”. No início do mês, a iraniana Masih Alinejad postou uma foto dela sorrindo sem o hijab, com a hashtag #minhafurtivaliberdade. No Irã, uma mulher em público sem o véu significa cem chibatadas e dois meses de prisão.

Masih não previu a resposta torrencial que a obrigou a criar, dias depois, uma página para aquilo que tinha virado um movimento. Dezenas de milhares de mulheres aderiram – a página atingiu 300 mil integrantes. De Persépolis a Teerã, iranianas desataram a postar fotos sem o lenço, em locais ermos como dunas do deserto. Uma tirou o lenço e sacudiu a juba diante do gabinete do aiatolá Khamenei, o líder espiritual do país.

Jornalista, Masih foi presa no exercício da profissão, agredida fisicamente e alvo de campanhas de difamação. Como disse ao Guardian, “não se trata só da polícia da moralidade. Uma mulher que se rebele mesmo furtivamente se arrisca a perder o emprego e o apreço de parentes e colegas”. Não deu outra: o pai cortou relações ao saber do Facebook. Masih se exilou em Londres – será presa se regressar ao Irã.

A represália do regime pegou pesado. Na semana passada, a página #minhafurtivaliberdade foi hackeada por esbirros do governo. Um certo Hadi Sharifi, que se define como “ativista da mídia”, deu entrevista à agência Tasnin, publicada na página. Cuspiu marimbondos: “Masih é agente da CIA e aquelas que ‘curtiram’ a iniciativa sofrerão as consequências”. E concluiu: “Os homens iranianos têm o direito de estuprar as mulheres sem véu, já que elas circulam praticamente nuas”.

Masih deu o troco e inaugurou uma nova página, com a mensagem: “Vocês podem hackear páginas, mas não nossa liberdade”. Só faltou publicar a mais comum maldição do mundo árabe: “Que as pulgas de mil camelos infestem seus sovacos!”

A crispação continua vulcânica. Na terça, quatro jovens sem véu foram presas em Teerã, por divulgarem um vídeo intitulado Happy. Nele, elas dançam a canção homônima de Pharrell Wiliams, para celebrar o Dia Internacional da Felicidade. O vídeo teve 30 mil visualizações. Hossein Sajedinia, chefe da polícia iraniana, estrilou: “Nossa querida juventude deve evitar pessoas dessa laia, como atores e cantores.” Na quinta, as detidas foram libertadas – cada uma terá de pagar uma multa equivalente a R$ 30 mil.

A proibição da cabeça descoberta das mulheres ecoa tabus não exclusivamente muçulmanos. Também no Ocidente a cabeleira feminina já simbolizou ambivalências equívocas. Por exemplo, com Rapunzel, dos irmãos Grimm. Fechada numa torre para a preservação de sua virgindade, ela dá no pé descendo por suas próprias tranças.

Outro mito sugestivo é o da Medusa, beldade cujo cabelo é composto por serpentes, e que transforma em pedra os homens que a contemplam. Num ensaio póstumo (Medusenhaupt), Freud rumina que a cabeça da Medusa, com seus cabelos venenosos, fornece “o símbolo supremo da castração.” Não admira que, no Irã teocrático, o véu corresponda a uma exclusão do cabelo – e seja das carecas que eles gostem mais.

Como demonstrou o vídeo Happy, as cabeças descobertas das iranianas configuram uma espécie de anti-black block. Enquanto estes ocultam o rosto para promover a depredação, a ira e o anonimato, elas tiram o véu para reverenciar a identidade, a alegria e a liberdade. E, eventualmente, invocar Santo Agostinho: “Deus, dai-me a castidade – mas não já”.